AddThis Social Bookmark Button

Editorial

A imprensa e a guerra

Existe um mito muito difundido de que a imprensa e a mídia em geral devem ser neutras e imparciais, pois só assim poderiam estar próximas dos fatos e retratá-los com um mínimo de fidelidade.

Portanto, é o velho sonho de possibilidade de neutralidade perante a realidade, diante de interesses bem claros de uma camada dirigente sequiosa de sangue  e lucro comercial, a defesa da utopia da “imparcialidade dos fatos”. Isto acarreta vários problemas.

O primeiro é o de achar que podemos ser imparciais perante algo; contudo, de uma maneira ou de outra revelamos nossas posições, isto é, nossa estrutura cultural nos forja enquanto membros de uma classe social, estas características jamais as perdemos e as expressamos, às vezes, com uma grande sutileza.

Os velhos metafísicos acreditavam que por trás de uma realidade ou de algo presente nesta realidade, haveria a sua essência, caberia a nós desvendar o real e perceber este real, só que isto não era para todos...Nascia assim, uma forma especial de procurar qualificar quem sabe e quem não sabe, quem pode governar e quem não pode.

O resultado dessa idéia de conhecimento acabou no transcorrer dos tempos em  vários desastres, não podemos esquecer que no programa do regime nazista, falava-se no objetivo de produzir “guardiões no sentido platônico mais elevado” (citado em “Os Sofistas” de W.K.C. Guthrie, Ed. Paulus, p.15) .

O segundo grande problema desenvolvido pela a idéia da imparcialidade será o da verdade estabelecida, isto é, aquele que descreve com “imparcialidade” apresenta uma “verdade” e esta se torna inquestionável perante os fatos. Portanto, seria tolice querer ser o outro, mostrar um novo caminho que possa de alguma maneira questionar a “verdade” dita imparcial, sempre onipresente na versão oficial.

Hoje, o processo de informação é filtrado por algumas poucas companhias que se tornam cada vez mais porta-vozes do Departamento de Estado, o que o filósofo italiano Negri qualificou brilhantemente de Império (título de um de seus últimos trabalhos aqui publicados).

Em nosso país, esta retransmissão direta do Departamento se faz presente, por exemplo, quando toda a mídia chama de Ditador o governante de um dos lados em conflito (não por acaso o lado mais fraco) enquanto do outro lado temos o Presidente (não por acaso o lado mais forte), onde está a imparcialidade? Infelizmente é algo progressivo, desenvolve-se na proximidade do conflito a desmoralização de um dos oponentes, o aspecto ideológico da “cobertura” local é evidente.

Por fim, nos perguntamos o que está em jogo? São necessárias algumas ponderações, mesmo com algumas reservas, pois estamos ainda na iminência do que vai acontecer, a guerra.

A diplomacia foi uma arma fundamental, nasceu com o Estado moderno, permitindo atenuar os antagonismos entre reis e nobres feudais e as cidades em franca evolução republicana, a partir do norte da Itália.

O “Império” é a forma como Negri qualifica a nova forma de organização política econômica que se desenvolve ao fim da II Guerra Mundial, quando as grandes corporações multinacionais em franco desenvolvimento vão abarcando o poder dos Estados; assim a diplomacia mediadora dos conflitos torna-se, na verdade, um empecilho.

Quando fazemos uma leitura histórica do conflito que se avizinha, percebemos uma forte investida dos USA contra a ONU, isto é, as “nações unidas”, e mesmo uma tentativa de desmoralização do seu papel, basta perceber as ameaças de atacar sem o consentimento do Conselho de Segurança daquele organismo.

Os aliados pedem uma saída diplomática, a Europa tem medo, pois investiu no petróleo do Iraque, e esta é a questão central do conflito: atacar o Iraque, destituir seu governo, determinar um controle sobre uma região rica em petróleo e assim fazer frente à Arábia Saudita e, por fim, poder determinar com mais autonomia o jogo econômico.

Outro fator implícito em todo esse processo é o ataque à cultura do mundo árabe, a autonomia dos povos etc.

Desde que foi eleito, sabia-se que o atual Presidente (ou seria ditador?)  dos E.U.A., de uma maneira suspeita na contagem de votos, fora apoiado por grandes corporações multinacionais das “sete irmãs” do Petróleo; pois bem, agora se cobra a fatura, como se o “Ditador” (ou seria Presidente?) do Iraque pudesse desencadear um ataque mortal contra os EUA, porém, imaginam-se os motivos reais do ataque assim como o de outros já perpetrados ou ameaçados.

Será que estes fatos surgirão destacados na mídia imparcial? A resposta é não! Sobre o céu de Bagdá e outras cidades bombas provocarão destruição e mortes, e morreremos mais um pouquinho... A mídia? Bem, sabemos o que vai informar...

Agenda

Palestra:

Feudalismo: ascensão e crise

Dia 26/02/03, 16 horas

 

Prof. José Sobreira de Barros Jr

Mestre em Filosofia-PUC/SP

Entrada Franca: vagas limitadas

 
Novos cursos

Introdução à Filosofia Antiga

 (sábados, 15 h)  R$20,00/mês

==

Filosofia da Libertação

 (sábados, 17 h)  R$30,00/mês

==

Introdução à Filosofia Medieval

(quartas, 16 h)  R$20,00/mês

==

Filosofia da Arte

(quintas, 16 h)  R$30,00/mês

 

Inscrições:

Tel. (13) 3252-3319 (CEFS)

Rua Júlio Conceição, 206, V. Mathias, Santos/SP


=========================

Expediente

Jornal Paradigmas, uma publicação do CEFS – Centro de Estudos Filosóficos de Santos

O CEFS é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo fundamental levar a Filosofia a toda a sociedade, sem qualquer discriminação, contribuindo, assim, com a formação da consciência crítica do cidadão e propiciando-lhe, por conseguinte, melhor reflexão e atuação diante da realidade de que faz parte.

Presidente

Luiz Meirelles

Vice-Presidente

Ronaldo Ronil da Silva Jr.

Conselho Editorial

Cristiane Guapo / José Sobreira Barros Jr 

Luiz Meirelles

 Jornalista Responsável

Beth Capelache

Mtb.: 2.383.802

 Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do CEFS.

 CEFS

Rua Júlio Conceição, 206

 Cep 11015-540 Santos/SP

Telefone: (13) 3252-3319

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.


Tiragem: 1.000 exemplares.

Impressão

CEGRAF Gráfica e Editora Ltda

Tel. 3234-5170 -  3234-5136

Dicas

Leitura:  A Escada dos fundos da Filosofia.  WEISCHEDEL, Wilhelm. Um livro que leva o leitor aos pensamentos filosóficos a partir dos fatos característicos da vida cotidiana de 34 filósofos. Uma leitura para despertar o gosto pela filosofia.

Internet: http://www.camarabrasileira.com/  Site dedicado a jovens escritores, com textos, poesias, livros e dicas de como publicar um livro dentro das normas legais.

Filme:  A excêntrica família de Antonia. Direção de  Marleen Gorris. O tema central é a questão da maternidade, abordada em três gerações de uma família estereótipa.

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Renato Nunes Bittencourt,

Doutor em Filosofia - UFRJ.
Especialista em Filosofia Grega Antiga, Espinosa, Schopenhauer,
Nietzsche, Marx, teoria psicanalítica e temas relacionados a
teoria da comunicação, comunicação corporativa, Moda
Consumo e crítica da cultura contemporânea

Colaboração:

Wellington Lima Amorim

 

1. Partindo do pressuposto de que o conceito de Pós-modernidade expressa um período de transição entre a Modernidade e um futuro ainda por ser construído, pode-se afirmar que a contemporaneidade é marcada pela desconstrução dos valores do sujeito e o aparecimento do conceito de pessoa, como recusa do assujeitamento do sujeito moderno?

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Pau que nasce torto se endireita

 Edson Pipoca

Por que um pensador de esquerda dá pra trás?! Bem, há a derrocada do comunismo... não, não! Parece-me algo mais palpável, sabe?! Matéria pura! Eu por exemplo tive um amigo que era o tipo de esquerda de carteirinha, quer dizer, sem carteira, já que não tinha dinheiro pra nada. Um duro!

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus conhecimentos

1. Segundo Plotino, podemos afirmar, quanto à alma:

a             Cada homem possui uma única alma, a qual é una e indivisível;

b             O homem possui duas almas, uma originada no Caos e outra no Cosmo;

c              O homem  possui duas almas, uma  causada  pelo   divino  outra  pelo   universo,     as    quais   se   unem definitivamente após a morte do  homem;

d             O homem possui duas almas, uma causada pelo divino  outra pelo universo, as quais se separam após a morte do homem.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Nietzsche:  transmutação do espírito, lidar com a história  

 

Tiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 

Nietzsche destaca-se na história do pensamento por ser um homem que grita sozinho e destoa no meio de uma multidão que canta em uníssono. Sua voz é estrondosa e provoca rupturas nas paredes que a cercam – as paredes da tradição. É o melhor dos mundos possíveis este no qual habitamos? É o movimento da história bom e perfeito como um deus, diante do qual nós deveríamos

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Kant: possibilidades e limites da ciência

O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

José Antonio Zago
Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

Leia mais...