Ofertas

Contribuições

Você pode contribuir com a manutenção do CEFS. Faça sua doação pelo pagseguro, utilizando seu meio de pagamento preferido.

Doações a partir de R$10,00 ganham o livro abaixo. De José Roberto Carvalho da Silva e Wellington Lima Amorim.

Doações a partir de R$5,00 ganham o livro "O Homem absurdo". Ensaios filosóficos. De Wellington Lima Amorim e Sérgio de Aquino.

visitantes

Centro de Estudos Filosóficos de Santos - Cursos de Filosofia

Adquira seu exemplar e contribua para a manutenção desse projeto.

Após efetuar a compra, envie email para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. com os dados para envio.
Você pode pagar com boleto, transferência bancária, cartões de débito ou crédito. Frete grátis para todo o Brasil

Comprar 01 a 04 exemplares:
R$10,00/unidade

Pacote com 05 exemplares:
R$20,00/pct

Pacote com 10 exemplares:
R$30,00/pct

Pacote com 20 exemplares:
R$50,00/pct

EDUCAÇÃO E EXISTENCIALISMO: um diálogo possível entre Freire e Sartre

 José Alan da Silva Pereira

Graduado em licenciatura plena em filosofia pela faculdade de filosofia, ciência e letras de Caruaru – FAFICA. Atualmente mestrando em filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

1. Introdução

 

          No prefácio para o livro Pedagogia do Oprimido, o professor Ernani Maria Fiori traz um dos testemunhos mais contundentes e uma das frases mais elucidativas sobre a personalidade educadora de Paulo Freire: “Paulo Freire é um pensador comprometido com a vida: não pensa ideias, pensa a existência” (FREIRE, 2005, p. 7). Ao ler tal sentença, percebemos a partir de onde um diálogo pode ser estabelecido entre esses dois gigantes do pensamento contemporâneo, a saber: Freire e Sartre.       

Leia mais:38. EDUCAÇÃO E EXISTENCIALISMO: um diálogo possível entre Freire e Sartre

Nicolai Hartmann. A metafísica do conhecimento

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia PUCSP

Bel. em Direito Unisantos

Lic em Filosofia Unisantos

Lic em Letras Unisantos

Nicolai Hartmann nasceu em Riga, na Letônia, em 1882, e morreu em Gottingen, na Alemanha, em 1950.

Seus estudos começaram em Marburgo, onde chegou ao doutoramento e a partir de 1922 foi contratado como docente da universidade de mesmo nome. Em 1925, deixou aquela universidade, sucedido por Heidegger, e foi lecionar em Colonia, onde ficou até 1931, quando se mudou para Berlim, também convidado a lecionar na universidade. Somente em 1945 retirou-se de Berlim para Gottingen, onde permaneceu até sua morte, em 1950.

Leia mais:38. Nicolai Hartmann. a metafísica do conhecimento

As raízes histórico-filosóficas da alegoria 

 

Julio Cesar Moreira

Mestrando em Filosofia pela PUC-SP

Este artigo é a primeira parte de um estudo tem por objetivo realizar um levantamento no estudo do tema da interpretação alegórica nas doutrinas da escola Neoplatônica. Ao estudarmos o Neoplatonismo é claramente apreensível o quão fundamental e intrínseco ao pensamento Neoplatônico é o componente da exegese alegórica, porém este tema não se tem a devida atenção no meio acadêmico.

Leia mais:38. As raízes histórico-filosóficas da alegoria  

Filosofia com Pipoca

Muita bola e um pingo de filosofia

Edson Pipoca

blogdopipoca.wordpress.com


Nós brasileiros somos muito sortudos: Deus é brasileiro, em fevereiro tem carnaval e nossas negas chamadas Teresas, Marias e etc são as mais sexies do mundo.

Mas nossos filósofos se ressentiam de alguma coisa mais substancial para terem a alma lavada, expressão aqui tratada como puro lugar comum, sem alusão ao conceito grego, por favor. E eis que a solução estava bem ali, ali no campo de futebol como tudo o que ocorre neste país.

Leia mais:38. Muita bola e um pingo de filosofia

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim, a uma perda significativa de sentido. O peso da violência de uns contra os outros, os preconceitos e a miséria de alma que se conjugam sem hipocrisias em meio à superficialidade e ao império dos desejos a todo custo, frutos de uma sociedade regida pelo consumismo e egoísmo, embora todo esclarecimento e todas as produções intelectivas, fazem com que antigos sonhos e certezas sejam suspensos e postos sob judicie.

Leia mais:38. Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Entrevista

A grande polêmica entre Heráclito e Parmênides

Lídice Chaves

Estudante do 5º semestre de Licenciatura em Filosofia na UnimesVirtual

Luiz Mendes: Bem, boa noite. Um dos nossos entrevistados do Paradigmas  de hoje é o filósofo Heráclito, uma personalidade das mais instigantes do mundo do pensamento, que lança na próxima semana um novo Epigrama, como sempre abordando as questões relativas ao Cosmos e à alma humana. Conosco também o filósofo Parmênides que se deslocou de Eléia para atender ao  nosso pedido: discutir sobre permanência e transformação.  Aqui em Éfeso, onde  vive em meio à natureza com sua eminente família, Heráclito recebeu os participantes deste programa em sua casa.

Leia mais:38. Entrevista: A grande polêmica entre Heráclito e Parmênides