AddThis Social Bookmark Button

Editorial

Ética e Política

         Em nossa sociedade, a conduta moral é por demais destacada, principalmente no campo das normas sociais. Em vários aspectos, sendo a cultura um dos exemplos típicos, o cidadão é educado no sentido moral.

         Aprendemos nos bancos escolares (ou melhor, aprimoramos o que vem de casa, do lar, enfim da família) os primeiros deveres que estruturam condutas sociais. Em muitos casos, o ensino destes preceitos vem juntamente com normas religiosas; em geral é o caso da maioria do nosso país, predominantemente católico ou ligado há algum ramo do cristianismo.

         Quando isso não acontece, o que é raro, percebemos, no mínimo, os preceitos de um racionalismo iluminista, que construiu como tradição um deísmo racionalista, moralmente aceitável do ponto de vista que perpetua um ideal de igualdade e justiça em uma realidade mutante e perfeitamente inteligível por parte da razão humana. Porém, as normas de conduta, os princípios que norteiam a vida das pessoas e das estruturas organizacionais da vida pública – a qual chamamos  de processo ético –  constituem um fundamento estrutural da vida de uma Nação, de um povo e, principalmente, estruturam uma convivência mínima entre os seres livres.

         Talvez, em nosso caso, pensando enquanto país e Nação, seja este  aspecto (o da liberdade do ser livre) o principal "problema" ético que apresenta o campo político. Desde a conquista do nosso espaço físico em 1500, estamos envolvidos em uma luta contínua contra as normas que cerceiam a liberdade individual do sujeitos que constituem esta Nação. E de lá para cá estas questões no campo político apresentam um grande labirinto entre o que é real e o que se desenvolve como ideal. Portanto, quando  se aproxima uma dinâmica eleitoral, não podemos excluir da nossa realidade reflexiva as preocupações com a Ética e a classe política nacional. Mesmo porque, infelizmente, por toda estrutura econômica e social dos últimos quarenta anos (ditadura militar amoral, cerceadora das liberdades individuais, e a "Nova República", prisioneira "democrática" do mesmo modelo econômico ligado ao FMI, aos grandes banqueiros internacionais e ao sucateamento das indústrias nacionais e da saúde e educação públicas) o processo eleitoral, em grande parte dominado também pelas grandes corporações monopolistas de comunicação (o conjunto da mídia observadora de qualquer manifestação popular que foge de seus interesses manipuladores como um perigo ao mundo do mercado e do individualismo pós-moderno em que eles vivem), não prima por uma ética na sua conduta estrutural.  Porém, o que observamos é que no próprio campo dos chamados setores populares começa a grassar uma contaminação do que pior existe enquanto estrutura ética política em nossa sociedade.

         As propostas de acordos políticos anunciados de ultima hora são terríveis, os candidatos parecem almejar apenas o poder (o que é natural no jogo político dos Estados modernos como defendeu Maquiavel em uma famosa obra), renunciando a qualquer  perspectiva de ética em relação aos seus princípios históricos.

         O quadro é no geral muito triste, são raras as exceções dos que postulam com princípios claros os seus objetivos. Observa-se um quadro de muitas promessas que nem "santos milagreiros", nos seus melhores dias poderiam fazer justiça à fama e cumprir o prometido.

         Portanto, algumas conclusões e principalmente reflexões devem ser feitas para aproveitar bem este momento histórico eleitoral.

         Está na hora de repensar as estruturas éticas, culturais e morais da dinâmica social de nosso país, entender até que ponto elas realmente podem dar conta de um mundo que, no início do séc. XXI, está permeado por princípios no mínimo duvidosos no campo ético. Assistimos a um tal de "rouba mas faz", "é aceito ou não pelo mercado", "Deus assim quis”, "povo humilde e trabalhador’, "seguiu os passos que o marqueteiro determinou", que necessariamente colocam o campo ético e político de nosso país, nos moldes atuais, em um estado de atenção.

         Para nós, o pensamento filosófico, nas suas várias matizes, é uma arma fundamental nesse momento, para que possamos racionalmente refletir e principalmente construir uma sociedade em que ética e política não sejam uma combinação oportunista ou cercada por interesses escusos, mas, sim, princípios norteadores da vida cotidiana de seres livres e que estes sejam realmente seres e livres,  em condições de perceber a realidade além da beleza dos discursos preparados pela mídia.                

Agenda

II Curso de História da Filosofia
Módulo V - O Pensamento Contemporâneo

Início: 03 de agosto de 2002.

Local: Treinasse – Av. Cons. Nébias, 337, Santos/SP

Informações:

Tel. (13) 3252-3319 (CEFS)

Núcleos de estudos

Tema: Teorias da Verdade

Coordenação. Prof. José Sobreira Barros Jr.

Bacharel em História e Mestre em Filosofia - PUC/SP

 

Tema:  1492: O mito da modernidade

Coordenação: Prof. Luiz Meirelles

Bacharel em Direito, Licenciado em Letras e Filosofia – Unisantos

Mestrando em Filosofia PUC/SP

Gratuito p/ sócios (associe-se)

Inf. (13) 3252-3319


Expediente

Jornal Paradigmas, uma publicação do CEFS – Centro de Estudos Filosóficos de Santos

O CEFS é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo fundamental levar a Filosofia a toda a sociedade, sem qualquer discriminação, contribuindo, assim, com a formação da consciência crítica do cidadão e propiciando-lhe, por conseguinte, melhor reflexão e atuação diante da realidade de que faz parte.

Presidente

Luiz Meirelles

Vice-Presidente

Ronaldo Ronil da Silva Jr.

Conselho Editorial

Cristiane Guapo / José Sobreira Barros Jr 

Luiz Meirelles

 Jornalista Responsável

Beth Capelache

Mtb.: 2.383.802

Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do CEFS.

 

CEFS

Rua Brás Cubas, 125, casa 01, Centro  Cep 11013-161 Santos/SP

Telefone: (13) 3252-3319

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Tiragem: 1.000 exemplares.

Impressão

CEGRAF Gráfica e Editora Ltda

Tel. 3234-5170 -  3234-5136

Dicas

Leitura:De Deus Que Vem a Ideia  Levinas, Emmanuel

O autor lança-se à procura de caminhos e horizontes novos na questão que trata de Deus. Como filósofo, obriga a filosofia, enquanto filosofia, a escutar o homem e, no enigma humano, a Deus sem a priori.

Internet:http://www.rubedo.psc.br/inicio.htm. Site com vários artigos de filosofia, inclusive de Oswaldo Giacóia Júnior.

Filme: Festejada estréia do diretor Alejandro González Iñárritu, Amores Perros  costura três histórias a partir de um acidente de carro para traçar um painel atual da sociedade mexicana, passando pelo submundo da Cidade do México.

Home      Capa

Ofertas