AddThis Social Bookmark Button

Relação entre fato e proposição em Wittgenstein

As investigações desenvolvidas por Wittgenstein no Tractatus levou-o a postular uma profunda mudança na teoria do conhecimento. Wittgenstein, diferentemente de Kant, vê o mundo como uma totalidade de fatos e não de coisas. Desta forma, fundamental para o homem é perceber que os limites do seu mundo fundam-se nos limites do dizível. 

 

Wittgenstein considera a linguagem como expressão de um espaço lógico, o qual representa o campo lógico do mundo e este é o espaço da possibilidade, possuindo “n” fatos. A linguagem se expressa em proposições. Logo, há uma relação entre o mundo e a linguagem, e esta última é a totalidade de proposições.

O pensamento, na filosofia de Wittgenstein, tem uma posição importante, porque é mediante o pensamento que o mundo pode ser conhecido, uma vez que o pensamento é expresso através da linguagem. Portanto, o mundo só pode ser conhecido por meio da análise da linguagem.

 A linguagem está sempre em relação ao mundo e a validade desta só ocorre quando fundamentada nos fatos, os quais têm como correspondentes as proposições. Mas, o que é um fato? - Fato é uma apresentação e uma configuração lógica dos objetos, sendo que estes acontecem de forma independente uns dos outros, mas não podendo ser  conhecidos isoladamente.

Wittgenstein postula, então, uma relação entre fato e proposição. O percurso acontece da seguinte maneira: ao fato corresponde uma realidade, por sua vez, a percepção da realidade proporciona uma imagem no pensamento e por último forma-se a proposição com a expressão do pensamento (a imagem).

As proposições têm a função de expressar os nossos pensamentos sobre os fatos que por nós são percebidos. Em outras palavras, elas são as nossas representações lógicas dos fatos. Wittgenstein, no aforismo 1.13, diz: os fatos no espaço lógico são o mundo. Com isso, o filósofo quer significar que o mundo não é constituído apenas dos fatos atuais, mas de todos os fatos possíveis.

Pois, afirma no aforismo 2.06: a subsistência e a não-subsistência dos estados de coisas é a realidade. O estado de coisas refere-se àquilo que é dito em uma proposição, ou seja, é o significado da proposição. Pelas proposições é possível expressar a respeito do mundo, dizendo como os fatos podem figurar. Assim, o estado de coisas fazem parte da categoria dos fatos, por isso não fazem parte da categoria das coisas singulares e atributos.

Ou seja, estado de coisa é apenas algo que possivelmente ocorre, ao passo que o fato é o que realmente ocorre. Ainda sobre o referido aforismo é possível perceber que Wittgenstein se refere à realidade como a existência de estado de coisas possíveis, mas também como inexistências de estados de coisas possíveis. Assim, a possibilidade refere-se à existência e à inexistência de estado de coisas reais.

Pois, o que pode ser expresso pela proposição corresponde ao fato, aquilo que existe e está no domínio da realidade. Ao passo que, o modo pelo qual codifico o mundo é pessoal. O mundo não sou eu, mas conheço-o por meio do meu pensamento, representando-o. Assim, quando dizemos que o mundo dos felizes é diferente do mundo dos infelizes, referimo-nos a representação que cada um projeta na realidade a partir da experiência pessoal de vida. Cada pessoa pode ter uma representação do mundo, mas sem cair no relativismo. Essa representação da realidade é um pespectivismo, ou seja, a representação depende do ponto de vista da pessoa.

Por exemplo: um casal de namorados apaixonados, contemplando o luar pode, pela força do sentimento, enxergar ou representar a lua como uma inspiração para seu namoro, ainda que a lua nada mais seja de que um astro luminoso. Por outro lado, a lua para um o homem devoto de São Jorge pode representar, levado pela crença, a enxergar na lua a figura de um dragão sendo morto pos um valente cavaleiro.

 Como o fato corresponde à proposição, tanto um como outro pode ser classificado em elementar (atômico) e composto (complexo). O fato elementar é constituído de elementos simples (objeto), enquanto o fato complexo é composto de elementos complexos. Se o fato é atômico, logo a proposição é atômica ou elementar. Ou, se o fato é complexo, logo a proposição é complexa.

Já sabemos que a linguagem é a totalidade de proposições. E o que significa uma proposição? A proposição é a pintura lógica dos fatos. A proposição mostra um estado de coisas que figura a realidade, ou simplesmente, é uma imagem da realidade. Mas, ela também pode ser definida como expressão do pensamento e o pensamento é a proposição com sentido.

A proposição elementar é a mais simples, ou seja, é aquela que afirma a existência de um estado de coisa no mundo, utilizando elementos básicos da linguagem, a saber: nomes e predicados, que servem para descrever os fatos atômicos. Aqui podemos diferenciar o fato e o nome: o fato é descrito pela proposição, não  obstante,  aos objetos só se pode aplicar nomes, ou seja, só se pode nomeá-los, não descrevê-los.

Não se aplica a proposição aos objetos, mas aos fatos. Isto, porque o nome sozinho nada diz e nada representa e a realidade só pode ser figurada mediante a combinação de nomes. A proposição é a representação da realidade, tal qual a pensamos.  É graças a sua lógica interna que as proposições se esforçam para representar os fatos, isto é, a realidade.

É também graças a essa lógica interna ou articulação lógica que a proposição pode apresentar sentido, pois o sentido da proposição só acontece quando suas palavras representam as coisas. Logo, o valor-verdade de uma proposição está na sua adequação à realidade, a qual tenta expressar.

A proposição atômica é a refiguração lógica de um fato, está assentada na realidade figurada. Só pode denotar algum sentido quando apresenta algum nexo - embora não causal - com a realidade figurada. Na figuração, encontramos verdade, a validade e a legitimidade da proposição que nos conduz à possibilidade: principal característica das proposições elementares.

 

Ex 1: a parede é creme.                 

Ex 2: a parede não é creme.

 

Trata-se de duas proposições, onde a probabilidade só pode ser excluída por via de uma confirmação total. A proposição atômica será verdadeira, quando o estado de coisas que ela procura expressar, existir. Sua veracidade encontra-se na experiência, que pode negá-la ou pode confirmá-la.

A proposição, para Wittgenstein, pode ser tautológica de acordo com a sua função de verdade. Esse tipo de proposição se faz verdadeira para todas as possibilidades de verdade da proposição elementar. Ela é verdadeira unicamente por causa da forma, pela natureza da construção gramatical, mostrando sempre e somente o que expressa. A proposição tautológica pode ser comparada com o juízo analítico de Kant que não fornece conhecimento, como exemplo: todo corpo é extenso.

Uma proposição também pode ser contraditória e por ser contraditória não denota sentido, pois não representa nenhuma situação possível. A proposição se faz contraditória quando o seu valor verdade for sempre falso. Tanto a tautologia como a contraditória não mostram nem determinam qualquer realidade. São proposições sem sentido, porque não dizem o mundo.

Uma proposição só poderá ser verdadeira ou falsa quando se referir ou não a um estado de coisa por meio de uma articulação lógica. Se a proposição é verdadeira, então se refere a um estado de coisa; se a proposição é falsa, então não se refere a um estado de coisa. A verdade de uma proposição complexa depende de uma proposição elementar.

Para Wittgenstein, a proposição tautológica é sempre certa, a atômica é provável e a contraditória, impossível, como podemos encontrar no aforisma 4.464. Estas últimas são sempre falsas no que tange a sua ausência de sentido. No caso da complexa, a proposição é sempre falsa para todas as possibilidades de verdade, porque as condições de verdade são contraditórias.

Enfim, para Wittgenstein, a ética, a estética e Deus estão no limite do mundo, transcendendo a realidade, porque não podem ser ditos sem o risco de mal-entendidos. Não devemos falar o que extrapola o fato, situando-se fora do mundo e não sendo passíveis de linguagem. Não podemos dizer a ética, mas vivê-la. Não dizemos a estética, porém a percebemos. Não podemos dizer Deus, apesar disso podemos experienciá-lo. 

Valdeni Lopes de Araújo

Graduado em Filosofia Unisantos

 

Referência Bibliográfica

 

WITTGENSTEIN, Ludwig . Tractatus lógico-philosophicus. Tradução e apresentação por  José Arthur Giannotti. São Paulo: Nacional, 1968,  152 p.

PEARS, David. As idéias de Wittgenstein. Tradução por Octanny Silveira da Mota e Leônidas Hegenberg. São Paulo: Cultrix, 1988, 191p.

ROVIGHI, Vanni Sofia. História da filosofia contemporânea do século XIX à neoescolástica.  Tradução por Ana Pareschi Capovilla. São Paulo: Loyola, 1999, 662 p.

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Artefato Cultural - entrevista com Gilberto Mendes

 

“Nunca se foi tão ignorante”

O gigante Gilberto Mendes, maestro, compositor de altíssima qualidade, deu-nos a honra de uma entrevista exclusiva. Durante algumas horas, em meio a batuques na mesa e na cadeira, ele falou sobre sua vida, sua carreira e sobre o conceito de cultura.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Religião na Bioética, avanço ou retrocesso

 A bioética surge da necessidade de defender os direitos humanos, já que, em nome do avanço científico, várias transgressões aos direitos humanos estavam acontecendo, como o das experiências nazistas com prisioneiros nos campos de concentração e outras experiências subseqüentes

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Michel Foucault: um intelectual específico

 

Para Foucault, não podemos pensar o papel do intelectual separado de seu engajamento político, e, para demonstrar esta questão, ele vai apontar a diferença entre o intelectual universal e o intelectual específico, mostrando que o intelectual que atuava no plano do “universal” e do “exemplar” é

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

Encontre no texto A EAD e a volta da Filosofia para o Ensino Médio a crítica a respeito das novas tecnologias e a forma com que estão sendo usadas e assinale a alternativa correta:

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

 

A dialética do conceito em Theodor  W. Adorno

Apresentação: O objetivo do trabalho é refletir acerca da “dialética do conceito” em Theodor W. Adorno. Em face disso, descreve-se uma linha de raciocínio que se desdobra em dois planos. O primeiro apresenta o conceito como condição de possibilidade da tentativa humana em dominar a natureza cuja verdade lhe é desconhecida, buscando assim, conhecer tudo aquilo que lhe é oposto segundo o princípio de identidade.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

As raízes histórico-filosóficas da alegoria 

 

Julio Cesar Moreira

Mestrando em Filosofia pela PUC-SP

Este artigo é a primeira parte de um estudo tem por objetivo realizar um levantamento no estudo do tema da interpretação alegórica nas doutrinas da escola Neoplatônica. Ao estudarmos o Neoplatonismo é claramente apreensível o quão fundamental e intrínseco ao pensamento Neoplatônico é o componente da exegese alegórica, porém este tema não se tem a devida atenção no meio acadêmico.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

EDUCAÇÃO E EXISTENCIALISMO: um diálogo possível entre Freire e Sartre

 José Alan da Silva Pereira

Graduado em licenciatura plena em filosofia pela faculdade de filosofia, ciência e letras de Caruaru – FAFICA. Atualmente mestrando em filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

1. Introdução

 

          No prefácio para o livro Pedagogia do Oprimido, o professor Ernani Maria Fiori traz um dos testemunhos mais contundentes e uma das frases mais elucidativas sobre a personalidade educadora de Paulo Freire: “Paulo Freire é um pensador comprometido com a vida: não pensa ideias, pensa a existência” (FREIRE, 2005, p. 7). Ao ler tal sentença, percebemos a partir de onde um diálogo pode ser estabelecido entre esses dois gigantes do pensamento contemporâneo, a saber: Freire e Sartre.       

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

 

Espaço-Poesia

 

Título: A casa do Poeta

 

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...

Paradigmas 34

AddThis Social Bookmark Button

Expediente

 

Revista Paradigmas

ISSN 1980-43442

novembro/2008

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Religião na Bioética, avanço ou retrocesso

 A bioética surge da necessidade de defender os direitos humanos, já que, em nome do avanço científico, várias transgressões aos direitos humanos estavam acontecendo, como o das experiências nazistas com prisioneiros nos campos de concentração e outras experiências subseqüentes

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Relação entre fato e proposição em Wittgenstein

As investigações desenvolvidas por Wittgenstein no Tractatus levou-o a postular uma profunda mudança na teoria do conhecimento. Wittgenstein, diferentemente de Kant, vê o mundo como uma totalidade de fatos e não de coisas. Desta forma, fundamental para o homem é perceber que os limites do seu mundo fundam-se nos limites do dizível. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A EAD e a volta da Filosofia ao Ensino Médio

 

A educação à distância e a volta da filosofia para o Ensino Médio: duas novidades da educação no país que ainda são muito discutidas. Para aqueles que fazem o curso de filosofia à distância ou leciona nele, torna-se ainda mais necessária tal discussão.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Sustentabilidade, sociedade e educação:

como integrá-los

Atualmente a educação tem por objetivo desenvolver na criança a capacidade resolver problemas, por meio da aplicação dos conteúdos aprendidos e esse processo é mediado pelo professor.  Alem de aprender conceitos, na escola a criança aprende a ser cidadã. Não podemos deixar de trabalhar a educação

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Música: terapia social

Desde os primeiros tempos, a linguagem é o veiculo que medeia a comunicação entre o humano e o mundo. È por meio dela que se pode, minimamente, tornar inteligíveis idéias, imaginação, sentimentos e toda uma gama de experiências, que pertencem à dimensão subjetiva e singular de cada membro de uma sociedade. Num âmbito mais amplo, é ela mesma a maior expressão de uma sociedade,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Mônica Aiub­­1

Colaboração: Almir José da Silva

O que é Filosofia Clínica? E como se originou este ramo?

A filosofia clínica é uma terapia que faz uso da metodologia filosófica para abordar questões existenciais, e tem como princípios fundamentais o respeito à singularidade e a

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Cultura "inútil"

Apesar de não percebermos, nós vivemos em um mundo em que todas as informações são atualizadas em todos os instantes, além de circularem pelo mundo inteiro em velocidades impressionantes através dos meios de comunicação mais utilizados por pessoas de todas as idades,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

Encontre no texto A EAD e a volta da Filosofia para o Ensino Médio a crítica a respeito das novas tecnologias e a forma com que estão sendo usadas e assinale a alternativa correta:

Leia mais...

Ofertas