Revista Paradigmas. Edição 01

AddThis Social Bookmark Button

 

Maquiavel; Herói ou vilão?

 

Quem nunca ouviu a famosa frase: "O fins justificam os meios.", ou nunca disse antes: "Mas que plano maquiavélico."?

Todas estas expressões têm sua origem no trabalho de um dos mais importantes pensadores da história humana, o homem que criou a ciência política: Nicolau Maquiavel.

Quando usamos estas expressões tão conhecidas, colocamos sempre um cunho negativo nelas. A tradição costuma colocar Maquiavel no rol dos bandidos e dos amorais da sociedade. Normalmente, quando falamos de alguém que é maquiavélico, nos referimos a uma pessoa má e sem escrúpulos; uma pessoa gananciosa que não pára diante de absolutamente nada para conquistar seus objetivos. Maquiavélica é uma pessoa que busca a realização pessoal através de meios escusos como corrupção, assassinato, chantagem, espionagem e tudo mais.

Mas será que esta fama atribuída a Maquiavel é realmente justa? Será que ele realmente pregava a ausência de moral e escrúpulos na política e a colocava como o reduto de homens egoístas e corruptos?

Vamos assumir, por um instante, uma postura investigativa para responder a estas perguntas.

Para termos sucesso em nossa busca, faz-se necessária uma análise cuidadosa do período histórico em que Maquiavel viveu, bem como das influências culturais que ele sofreu.

O nosso pensador foi um homem que viveu na época conhecida como Renascença, e, como qualquer um, ele foi influenciado por este movimento.

Mas o que era a Renascença?

O movimento renascentista foi uma forte afirmação do humanismo; o homem era celebrado e exaltado até a divindade; era ele dominador da natureza e senhor do mundo, dotado de poderosa razão. Estes valores trouxeram grandes mudanças em todos os campos da sociedade; filosofia, música, artes plásticas, ciência e também na política.

Na Idade Média havia aquela famosa visão de que o princípio e o fim último do homem estava em Deus e, portanto, fora deste mundo, desta vida terrena. A natureza humana era, por conseguinte, originariamente boa (nascido de Deus) e  não devia o ser humano preocupar-se com esta esfera material, mas apenas com a espiritual.

 Também, a visão política era simples: o fim último da sociedade humana é o bem universal; uma sociedade onde reinassem o bem, a verdade, o amor e a justiça para todos, onde reinasse Deus.

Agora, a política mudara o seu eixo. Era importante olhar a realidade material, os fatos concretos, e ver as coisas de uma forma prática. Por quê? Simplesmente porque o homem está neste mundo material e é aqui que ele deve solucionar os seus problemas.

Assumindo o espírito de seu tempo, Maquiavel acreditava ser a política não o "reino do que gostaríamos que fosse" nem o campo "do que deveria ser". A política não podia perder-se em pensamentos elevados do mundo espiritual, mas preocupar-se com o mundo real. Devemos olhar para a história humana ao fazer política, e a história nos mostra que o homem é naturalmente mau. Se não coagidos por uma força maior, os homens tornam a sociedade um lugar impossível de se viver bem, pois são egoístas, ambiciosos, inescrupulosos; guerreiam entre si, matam, roubam etc...

Isso significava penas uma coisa: o poder político precisava por fim a toda esta maldade inerente da raça humana e é isso o que Maquiavel queria.

Na verdade, não apenas o passado testemunhava a maldade humana, mas o próprio pensador presenciava isso em sua terra natal. Nicolau era italiano de berço e, naquele período, a Itália era um país turbulento. Tratava-se não de uma região unificada, mas de uma porção de pequenos principados governados por tiranos que brigavam entre si pelo controle do território e principalmente do comércio lucrativo do Mar Mediterrâneo.

Todos este problemas prejudicavam a Itália, pois  era um país sem força militar e econômica. Embora ricos, os tiranos gastavam fortunas nas disputas com exércitos mercenários e alianças externas. A falta de um poder central impedia o acúmulo de capitais e a expansão comercial italiana, enquanto os outros países europeus prosperavam.

Foram este elementos que inspiraram o pensamento de Maquiavel. Como homem prático, ele viu, antes de mais nada, a necessidade de um poder unificado, forte e incontestável. Apenas com um soberano único a Itália poderia construir um exército profissional (garantia da soberania) e direcionar as divisas para a atividade comercial da forma correta.

A partir daqui, podemos ter uma visão clara do que o pensador queria. Ele não era um homem amoral como nos fala a tradição. O poder político não significava um refúgio para um egoísta hipócrita que usa os benefícios de sua posição para satisfazer suas  ambições pessoais.  Muito pelo contrário, a visão que Maquiavel tinha do homem, naturalmente mau, mostrava bem o oposto; se o governante fosse um tirano em busca de riquezas e glórias pessoais, na verdade não estaria exterminando o egoísmo e a maldade da natureza humana, mas colaborando com ela. O que buscava-se era uma pessoa que subisse ao poder e lá permanecesse a qualquer custo, pois o poder unificado representava a paz, a ordem, a prosperidade e a soberania, coisas que qualquer homem deseja.

Agora, aqui está a chave. O verdadeiro político percebe que os homens são naturalmente maus e que é impossível satisfazer a todos. Assim, o bom governante é aquele que busca destruir a maldade na sociedade, usando para isso, todos os meios a seu dispor, mesmo que estes meios sejam a força bruta, a espionagem, o suborno e a diplomacia; tudo é válido para manter o egoísmo e a ambição humana sob controle e garantir o bem estar social.

Bem, cabe a cada um de nós pensar se Nicolau Maquiavel estava correto ou não. Tudo depende da visão que temos do homem; se ele é bom ou mau. Mas uma coisa podemos afirmar com certeza: os princípios políticos do pensador eram bastante lógicos e práticos, pois se há duas verdades neste mundo, são estas: "O bem da maioria supera sempre o bem de poucos ou de um." e "É impossível agradar a gregos e troianos."

Bibliografia pesquisada:

O Príncipe - Maquiavel - coleção Os Pensadores.

História da filosofia - Humberto Padovani.

O que é política - Leo Wolfgang Maar - coleção primeiros passos.

 

Thiago Batich dos Santos.

Licenciatura plena em Filosofia - UniSantos.

Mestrando em Filosofia - PUC/SP

 

 

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Controle de constitucionalidade e democracia: uma reflexão a partir de Ronald Dworkin

1 - Considerações iniciais

 O presente trabalho discute, a partir do filósofo americano Ronald Dworkin, um dos problemas mais latentes da democracia atual, a saber, o controle de constitucionalidade. Tal problema surge quando não fica bem claro, num determinado estado democrático de direito,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Platão & Jung - Vocação - educação - cidadania

Este artigo apresenta uma breve reflexão comparativa entre os tipos de caráter apresentados na obra platônica e na tipologia junguiana. Para tanto, faz-se necessário inicialmente formular um descritivo de ambos os sistemas, com os seus respectivos fundamentos, a fim de que se possa estabelecer paralelos entre as duas teorias, com seus pontos de convergência e, evidentemente, com os de divergência.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Cultura "inútil"

Apesar de não percebermos, nós vivemos em um mundo em que todas as informações são atualizadas em todos os instantes, além de circularem pelo mundo inteiro em velocidades impressionantes através dos meios de comunicação mais utilizados por pessoas de todas as idades,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Desemprego

 Desemprego
Mãos vazias
Filhos com fome
Incerteza na boca dos homens
Desemprego
Agonia
Lojas vazias
Filas imensas
Mãos em romaria
Desemprego
Nó no futuro
Globalização fora de rumo
Invisível e intransponível muro
Desemprego
No sono
Na fila
No coração do homem trabalhador
Só desassossego
Desemprego
Bicho-papão
Se nada for feito
Viraremos refeição

Peilton Sena

Home      Capa

AddThis Social Bookmark Button

Os limites histórico-sensório-cognitivos do conhecimento a partir de Kant e Hegel

Thiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 De acordo com Francis Bacon, pensador inglês do séc. XVII, os entes seriam constituídos por leis de funcionamento, conceito este equivalente à essência aristotélica e à idéia platônica. Essas leis seriam cognoscíveis, desde que o homem se libertasse de todos os elementos integrantes de sua subjetividade,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

 

Espaço-Poesia

 

Título: A casa do Poeta

 

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Kant: possibilidades e limites da ciência

O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

José Antonio Zago
Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus conhecimentos

1. Paulo Freire e Sartre preocupam-se, sobretudo:
a    Com as idéias formais que dão sentido ao mundo;
b    Com a formalidade do discurso que embasa a sociedade;

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

José Sobreira de Barros Júnior

 

Colaboração: Luiz Meirelles

 

1.       Como você vê o papel da filosofia na sociedade do século XXI?

 A filosofia tem um papel essencial, principalmente quando os pensadores vão refletir sobre as relações do homem e a sociedade, como é possível o Eu individual quebrar e apresentar novos paradigmas, novas estruturas sociais, penso a filosofia tendo  um papel fundamental

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...

Ofertas