AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Ele compreende o homem como ser-aí, isto é, a existência do “dasein” como um ser-no-mundo que é possível, apenas inserido no tempo. Esta compreensão é a pedra fundamental que sustenta o pensamento heideggeriano, e está presente também na sua conferência “poeticamente o homem habita”. Nesta tarefa precisaremos desenvolver o “habitar” a partir de seu vigor essencial, que implicará o entendimento da “quadratura” e o resguardo de suas quatro faces. Veremos brevemente o que é isto à linguagem, e esta nos permitirá compreender como a poesia realiza o des-velamento das significações originárias do mundo para assim podermos atingir o escopo principal deste estudo, ou seja, como a poesia e o habitar estão entrelaçados.

 

Habitar

O fenômeno de habitar revela a essência do existir do homem, pois habitar é o modo como os homens são e estão sobre a terra. É acolhendo o céu, salvando a terra, aguardando os deuses e reconhecendo a morte que o homem habita como parte constitutiva da existência humana. O traço fundamental do habitar é estar submetido às estas condições, pois o homem só pode existir como ser-no-mundo, isto é, na quadratura. A unidade originaria terra, céu, mortais e deuses traduz o que é o habitar, os quatro elementos só se dão em relação e não podem ser pensados separadamente. É na co-pertinência que o mundo se torna mundo e homem se torna homem, dessa maneira são reveladas as possibilidades de ser do homem e ser das coisas. É pela diferença dos elementos da quadratura que há o ajuste na unidade originaria. Se o homem é ser-no-mundo, e o habitar é o modo pelo qual os mortais são e estão no mundo, o habitar se relaciona não apenas com o residir em um lar, porém também com o construir, ou com as possibilidades de ser-no-mundo. Construir é habitar em seu sentido originário. Construir pode ser edificar uma construção bem como cultivar, ambos são modos do homem existir no mundo em relação com as coisas: todas as construções humanas, as modificações que ele faz a sua volta, constituem o habitar. O homem não é senhor da terra independente e soberano. Ele só pode cultivar se resguardar a quadratura, que mostra o lugar fértil na terra e as condições de clima e estações do céu. A quadratura mostra como o homem não constrói o mundo, muito menos o contrario, os dois se dão na unidade originaria, em relação. O cultivo ilustra o modo de ser do homem na quadratura, ele planta na terra fértil, escolhe a estação, desenvolve agrotóxicos, hormônios, estufas, mas ao plantar a semente na terra é preciso respeitar o tempo das coisas. O homem, “cheio de méritos”, habita, cultiva, colhe, constrói... Porém, mesmo com os méritos, a exploração e a degradação das coisas existe, e é resultado de não saber resguardar a quadratura em sua essência. A tentativa de dominação do homem, de ser senhor da terra e ser senhor da linguagem, mesmo sendo apenas um servo, parte integrante da quadratura que só pode ser vista ou entendida em sua conjuntura, não vê nas coisas o seu vigor. Daí a destruição e o desequilíbrio, enquanto que uma relação de espera resguardaria as quatro faces da quadratura.

 

[...] os méritos dessas múltiplas construções nunca conseguem preencher a essência do habitar. Ao contrário: elas chegam mesmo a vedar para o habitar a sua essência, tão logo sejam perseguidas e conquistadas somente com vistas a elas mesmas. (HEIDEGGER, 1997, p. 169).

 

Resguardar a essência é resguardar o sentido do ser, demorar-se junto às coisas, permanecer junto a elas. Homem e coisa são resguardados quando entregues ao seu vigor, liberdade é deixar o ente ser aquilo que é, tornar-se o que se é.

 

Linguagem

A linguagem surge na relação da quadratura, em que o ser-ai, se relaciona e compreende o ser na ação. É na linguagem que as coisas nascem e verdadeiramente se realiza o des-velamento das significações do mundo: hermenêutica da experiência do acontecimento do Ser que se revela ao homem e determina o modo como ele se interpreta e aos outros entes.  A linguagem é o acontecimento em que o ente se abre[1]. (Rosete, 2007). O “dasein”, a existência humana compreende e se relaciona com o Ser, é ele que articula os significados que são descobertos para o Ser dos entes. Ao pensar a linguagem devemos nos remeter à compreensão e à interpretação. No discurso há uma compreensão prévia, pois o remete para suas próprias possibilidades de Ser e estar no mundo; e a interpretação é a apropriação dessa compreensão de Ser, a descoberta do significado do Ser na ação. Assim a fala rotineira é apenas falatório, pois, se a interpretação é a descoberta do significado do Ser e do “dasein” na ação, compreensão e interpretação são mais que discursos sintáticos e gramáticos que o homem pronuncia, são os fundamentos ontológicos-existênciais da linguagem. O falatório é o modo cotidiano com que o homem se relaciona com as coisas, modo inautêntico do “dasein” se relacionar com o ser: permanece na superfície, na pré-compreensão do que as coisas sejam. Ele fala sem pertença de maneira informativa e não promove a experiência de pensar o que se está ouvindo, é o discurso vazio que perdeu a sua “significação ontológica verdadeira” ou o elemento do ser. Mas há um modo autentico ou poético que busca o sentido do ser, deixa em aberto a relação entre homens e coisas, não as esgota em um único sentido, mas pensa o sentido do Ser em cada uma das relações. A poesia permite o significado originário da palavra:

 

“Quanto mais poético um poeta, mais livre, ou seja, mais aberto e preparado para acolher o inesperado é o seu dizer; com maior pureza ele entrega o que diz ao parecer daquele que o escuta com dedicação, e maior que separa o seu dizer da simples proposição”. (HEIDEGGER, 1997, p.168)

 

Poesia

Mostramos anteriormente o que é habitar para Heidegger e sua relação com a quadratura, desenvolvemos que a linguagem é o fundamento ontológico das coisas, pois é nela que ocorre o acontecimento do Ser que o “dasein” está lançado. Ora, é na linguagem que se dá a abertura para o mundo e a poesia é a obra suprema da linguagem, uma vez que permite perscrutar as dimensões ontológicas autênticas do que foi nomeado. Aprofundaremos aqui a relação entre a essência do habitar e a essência da poesia: “[...] cabe pensar a essência da poesia, no sentido de um deixar habitar, como o construir por excelência”. (HEIDEGGER, 1997, p.167). A poesia é o acontecimento do medir, medindo-se com o divino o homem revela o desconhecido e preserva-o em seu velamento. A dimensão é a fissura onde as coisas se dão, ou seja, é a medida aberta entre céu e terra. A poesia é a tomada dessa medida que consiste em desocultar e deixar ver o que se encobria, resguardando o que se encobre em seu encobrir. Por isso a medida para a poesia é o divino e não a terra, pois o modo poético da linguagem busca o sentido do ser e deixa em aberto o campo das relações entre homem e mundo. “(...) a medida, que o poeta toma, tem como destino o estranho em que o invisível resguarda a sua essência, na fisionomia familiar do céu”. (HEIDEGGER, 1997, p.178). Os homens desejam nomear e definir, de maneira que coisas e utensílios ganhem um sentido só, o que não é possível. Heidegger nos exorta a ouvir o “apelo da linguagem”, isto seria desobstruir as pré-compreensões para sair do modo inadequado da linguagem, abandonar o falatório. Para isso o homem precisa deixar a tentativa fracassada de ser senhor da linguagem, e retornar ao seu sentido poético, uma percepção do real para além da superfície de pré-compreensões cotidianas, aberto ao campo de relações para acolher o inesperado na quadratura. “(...) o poético extrai a sua capacidade reveladora inesgotável do ser que solicita o pensamento, apelando para o dizer da linguagem.” (NUNES, 1992, p. 262). No modo poético a linguagem fala, a palavra é mais que um vocábulo, é o que leva uma coisa a ser coisa, posto que palavras e coisas nascem juntas, e nomeando, a poesia se funda. Porém o poeta não funda um vocábulo ou conceito fixo e definido, do contrario se funda no des-velamento e deixando a quadratura vigorar em sua essência, isto é, deixa o “dasein” como ser-no-mundo entregue à relação. A poesia funda o “dasein”, pois mostra como está ligado à totalidade, toda nomeação poética invoca a unidade originaria da quadratura e o campo de relações entre seus componentes. Ao pensar o mortal tem-se como relação o imortal, ao dizer céu tem-se a terra, cada elemento reflete a maneira de ser do outro, em outras palavras, poeticamente se funda na quadratura de tudo o que é, e ao fundar os entes, a poesia funda o homem como habitante da terra. A poesia dá a medida entre homens e deuses, revela a essência do homem como mortal e como ser-no-mundo, habitante da terra. Assim pode-se dizer que “cheio de méritos” com construções, tecnologias, meio de transportes... porém “poeticamente o homem habita”, uma vez que o movimento da linguagem no acontecer desencobre e compreende as possibilidades de se relacionar com o Ser, e habitar é, justamente, o modo como os homens são e estão no mundo, assim, ditar poeticamente é habitar em seu sentido inaugural.

 

Referências brbliográficas

 NUNES, Benedito. Passagem para o poético: filosofia e poesia em Heidegger. 2ª Ed. - São Paulo: Ática, 1992.

HEIDEGGER, Martin. Ensaios e Conferências. Rio de Janeiro: Vozes, 1997.

Rosete, Isabel. A arte como poesia essencial em que um povo diz o ser. 2007. Disponível em: http://www.consciencia.org/heideggerisabelrosete4.shtml. Acesso em: 01. Ago, 2013

Saramago, Ligia. A Topologia do Ser: Lugar, Espaço e Linguagem no Pensamento de Martin Heidegger. Rio de Janeiro: PUC-rio, 2008.

Werle, Marco Aurélio. Poesia e pensamento em Hölderlin e HeideggerSão Paulo: UNESP, 2005.



[1] Vale acrescentar que se é na linguagem que se dá o ser das coisas, e a poesia é a obra suprema da linguagem, a poesia é arte, enquanto a arte for entendida como o que transparece com mais vigor a verdade do ente.


 

  • leiamais

Leia também outros artigos

entrevista com Gilberto Mendes : “Nunca se foi tão ignorante”
AddThis Social Bookmark Button

Artefato Cultural - entrevista com Gilberto Mendes

 

“Nunca se foi tão ignorante”

O gigante Gilberto Mendes, maestro, compositor de altíssima qualidade, deu-nos a honra de uma entrevista exclusiva. Durante algumas horas, em meio a batuques na mesa e na cadeira, ele falou sobre sua vida, sua carreira e sobre o conceito de cultura.

Leia mais...
Entrevista Mônica Aiub
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Mônica Aiub­­1

Colaboração: Almir José da Silva

O que é Filosofia Clínica? E como se originou este ramo?

A filosofia clínica é uma terapia que faz uso da metodologia filosófica para abordar questões existenciais, e tem como princípios fundamentais o respeito à singularidade e a

Leia mais...
39. A Interpretação de Hannah Arendt da proairesis aristotélica
AddThis Social Bookmark Button

A Interpretação de Hannah Arendt da proairesis aristotélica

 Adriano Martins Soler

Mestrando em Filosofia - PUCSP

Introdução

O presente artigo trata de uma releitura do texto exposto na primeira parte do Capítulo 2 – A descoberta do homem interior – do Volume 2 – O Querer (A vontade) – da obra A Vida do Espírito de Hannah Arendt. Depois do Pensar, é o Querer que é solicitado, para confiar o segredo antropológico da aberração que, certo destino histórico da modernidade, demonstrou através de uma nova crítica do juízo. Desta vez, Arendt vai em busca de uma genealogia das teorias da vontade - da proairesis antiga até Nietzsche e Heidegger, passando pelo pensamento medieval.

Leia mais...
39. A significação do Baobá na cultura africana
AddThis Social Bookmark Button

 A significação do Baobá na cultura africana e suas transmutações ideológicas pós-contato europeu.

Vanderleia Barbosa da Costa

Graduanda em Gestão de Turismo

 pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo- Campus Cubatão

O Baobá é uma árvore originária das estepes africanas e regiões semiáridas de Madagascar, seu nome científico é Adansonia digitata; pode atingir até 30 metros de altura por 7 metros de circunferência. É resistente, sobrevivendo por longos períodos de estiagem, devido à sua capacidade de armazenar água, cerca de 120 000 litros e atinge até seis mil anos de idade. Pela magnitude e força, o Baobá é para muitas etnias africanas a árvore da vida.

Leia mais...
38. Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...

Paradigmas 41

AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Ciência e pós-modernidade

AS DIFICULDADES DO SABER CIENTÍFICO NAS SOCIEDADES PÓS-MODERNAS: CONCEPÇÕES E CRÍTICAS A JEAN-FRANÇOIS LYOTARD

Artur Mazzucco Fabro

Graduando em Ciências Sociais na UFSC

Jean-François Lyotard nasceu em 1924 e é considerado um dos mais brilhantes filósofos da sua geração. O francês fazia parte do grupo “Socialismo e Barbárie”, junto com Cornelius Castoriadis, e foi um ativista da guerra de independência da Argélia (1954-1962).

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Kant: possibilidades e limites da ciência

O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

José Antonio Zago
Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Eduardo Palmeira Bandeira,

Psicólogo Clínico Pós-graduado pela Univ. da California-USA.
Prof. de Teorias e Técnicas Psicoterápicas e Arteterapia;

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Quinhentos Anos de Quê?


Eram três as caravelas
que chegaram além d`além
mar.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XIII - n. 41

ISSN 1980 - 4342

março/abril – 2014

Leia mais...