AddThis Social Bookmark Button

Nicolai Hartmann. A metafísica do conhecimento

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia PUCSP

Bel. em Direito Unisantos

Lic em Filosofia Unisantos

Lic em Letras Unisantos

Nicolai Hartmann nasceu em Riga, na Letônia, em 1882, e morreu em Gottingen, na Alemanha, em 1950.

Seus estudos começaram em Marburgo, onde chegou ao doutoramento e a partir de 1922 foi contratado como docente da universidade de mesmo nome. Em 1925, deixou aquela universidade, sucedido por Heidegger, e foi lecionar em Colonia, onde ficou até 1931, quando se mudou para Berlim, também convidado a lecionar na universidade. Somente em 1945 retirou-se de Berlim para Gottingen, onde permaneceu até sua morte, em 1950.

 

Embora tenha sido influenciado por pensadores como Husserl e Hegel, além de neokantianos, como Nartop, Cohen e Cassirer, N. Hartmann não se filiou a nenhum deles. Nem mesmo ao pensamento de Max Scheler no que diz respeito à axiologia, outra tese da qual se aproximou. Manteve sua independência intelectual e formou um pensamento próprio, que extrapassa à fenomenologia ou ao existencialismo.

Em relação à fenomenologia, N Hartmann apurou severas críticas, tendo afirmado que aquele método não apurava o verdadeiro ser, “on”. Portanto, não poderia se enquadrar como ontologia. O on somente pode ser alcançado mediante o estudo do ser enquanto ser, e não no sentido de ser. A fenomenologia restringe-se ao phainomenon, ao ente representado. O ente não se limita enquanto objeto, sua essência está além dessa representação. Portanto, o estudo do ser-aí do homem não tem como atingir a essência do ser homem.

O homem é um ser-no-mundo, impossibilitado de erigir sua existência isoladamente. Conduz um processo em constante atualização, motivo pelo qual o estudo do ser não pode se limitar ao sentido do ser, pois este se atualiza a cada instante. Hartmann propõe o estudo do Ser de forma que atinja uma validade perene. Propõe a superação das críticas kantianas e das alternativas apresentadas por Hegel nesse âmbito.

Nesse sentido, Hartmann defende que esse conhecimento deve ter início numa relação intencional pura, com a constatação do que ocorre na consciência. Num segundo momento, há, então, a identificação do problema posto (aporia). E num terceiro momento, a proposição de uma solução para o problema (teoria). Há um processo dialético evidente. É uma de suas influências da dialética hegeliana. Conhecer, pois, é compreender algo sempre anterior ao conhecimento, razão pela qual o objeto é sempre independente. É a metafísica do conhecimento de Hartmann.

A ontologia é a filosofia primeira. Escapa à fenomenologia. E para entender essa questão, Hartmann explica o ser ideal e o ser real.

O ser real é exterior ao homem. A fenomenologia restringe-se sempre ao ser ideal, conhecimento fundado no que existe no pensamento humano.  São os entes matemáticos, as formas lógicas, numa linguagem kantiana, são o “a priori puro”. As formas ideais são as formas conhecidas a partir da redução fenomenológica pura, metafísica como afirma Hartmann.  A partir daí é possível chegar-se ao ser real, conhecido, nesse processo intencional puro, por intermédio de atos emocionais transcendentes, os quais podem ser receptivos, quando impostos ao sujeito pela dureza do real; podem ser também prospectivos, aqueles que antecipam o futuro; e podem ser, ainda, espontâneos, quando ditados pela vontade e desejo. Deve-se distinguir, destarte, possibilidade de efetividade.

Modo fundamental é a efetividade. Aquilo que é. Mas também há a possibilidade que deriva dessa efetividade, ou seja, deriva de algo que já é. Nesse aspecto, temos o ser ideal, que diz respeito àquilo que não é contraditório com o ser real. É ideal porque a possibilidade está no plano mental. E temos também o próprio ser real. Este é o conjunto das condições necessárias para que seja real. Somente é real o ser cujas condições necessárias sejam efetivas. Daí, Hartmann afirma que aquilo que pode ser, efetivamente o é. Pois algo só pode ser no instante em que reúne todas as condições necessárias para que seja e, portanto, nesse instante, já o é.

Com essa visão, Hartmann constata quatro categorias fundamentais: físico, que diz respeito às coisas materiais; orgânico, no que tange às coisas vivas; psicológico, quanto aos seres pensantes; espiritual no sentido de inteligência.

Dessas categorias advêm outras tantas, como se observa, numa análise primeira, tais como o tempo, a causalidade e a reciprocidade. E esse processo de formação do mundo real é extremamente complexo. Hartmann não se reduz a uma explicação kantiana ou hegeliana. Reconhece a complexidade e afirma mesmo que essa estruturação categorial do mundo não há como ser construída, mas sim, descoberta enquanto surpresa constante. Essas categorias são efetivas segundo quatro leis fundamentais, do retorno, da variação, do novo e da distância.

Em função dessa dependência exposta, ainda há outras quatro leis complementares estruturais identificadas por Hartmann: da força; da autonomia; da matéria e da liberdade.

A lei da liberdade é de suma importância, porquanto por ela é que se dá toda a movimentação entre os estratos do mundo, entre as categorias, desde a mais abaixo até a mais acima. O homem, a sociedade e a história são formas que atravessam todos os quatro estratos (categorias) e dão também a sua forma.

Diante dessa responsabilidade do homem, surge a pergunta fundamental. A Ética. “Que se deve fazer?”. Desde a Grécia Antiga os filósofos se debruçam sobre essa questão, ensejando desde então as mais variadas éticas eudaimônicas e suas variações hedonistas.. Porém, também outras duas perguntas fundamentais devem ser feitas. “Que é bem?” “Em que se pode reconhecê-lo?”

Pra responder a essa questão, Hartmann apresenta sua crítica ao subjetivismo e propõe uma ética material nova, fundada nos valores objetivos das coisas. Para ele, o valor está sempre na coisa e não no homem. Os valores são, pois independentes do homem, a quem cabe descobrir o valor da coisa pelo conhecimento.

A insuficiência das éticas materiais anteriores, assim como as formais, fica evidente na obra de Kant. Mas Hartmann inova ao demonstrar que o conhecimento a priori kantiano não se pode confundir com o formalismo. A norma moral em conteúdo material, mas é independente, é perene, é, pois, a priori. A subjetividade não cria valores, apenas os identifica. Se é verdade que o homem vive num emaranhado de sensações, também é verdade que vive descobrindo valores, efetivando valores. Esses valores são o fato gerador das normas de conduta. E a forma de identificá-los com segurança é a redução fenomenológica metafísica, isto é, intencional, porém, pura.

O processo de descoberta dos valores se dá pela atuação do homem, que faz a conexão respectiva na história, por intermédio de sua categoria espiritual. Nesse sentido, Hartmann identifica três níveis espirituais. O espírito pessoal, que é individual. O espírito objetivo, que é supra-humano. O espírito objetivado, que diz respeito a efetivação, a conexão estabelecida pelo homem, ou ainda, à descoberta efetiva do valor. Assim, o dever ser, propriedade humana, deve ser estabelecido a partir de 05 estratos fundamentais.

Valor em si. Dever ser ideal. Dever ser atual. Dever fazer. Valor realizado.

BIBLIOGRAFIA

HARTMANN, Nicolai. Ethics. Library of Philosophy, 1932.

HARTMANN, Nicolai. Introducción a la filosofía.Unam, 1961.

ABBAGNANO, Nicola. História da Filosofia, Vol. XII.  Editora Presença, 2001.

REALE, Giovanne. ANTISERI, Dante. História da Filosofia, vol. III. Editora Paulus, 1991.

BASSOLI, Marlene Kempfer. Proposta de positivação e interpretação de enunciados constitucionais que revelam valores. Faculdade Metropolitana de Londrina e Universidade Estadual de Londrina- UEL/PR

TORRES, Jesus Vázquez. REALISMO VERSUS FENOMENOLOGIA EM NICOLAI HARTMANN. Perspectiva Filosófica – Vol. II – nº 28 (Jul-Dez/2007) e 155 29 (Jul-Dez/2008)

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

 

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XII - n. 39

ISSN 1980 - 4342

Janeiro/fevereiro - 2012

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Kant: possibilidades e limites da ciência

O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

José Antonio Zago
Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Charles S. Peirce:
A lógica da investigação e sua semiótica

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia - PUCSP


Charles Sanders Peirce nasceu em Cambridge, no dia 10 de setembro de 1839 e faleceu em Milford, no dia 19 de abril de 1914. Filho de Benjamin Peirce, renomado matemático de Harvard, Peirce se dedicou inicialmente aos estudos da Química, tendo mesmo alcançado o doutoramento também em Harvard. Extremamente ligado às ciências, Peirce foi um dos primeiros pensadores a se preocupar com a linguagem científica. Não estudou apenas Filosofia, mas, também, química, física, astronomia, linguística filologia, história e psicologia.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

José Sobreira de Barros Júnior

 

Colaboração: Luiz Meirelles

 

1.       Como você vê o papel da filosofia na sociedade do século XXI?

 A filosofia tem um papel essencial, principalmente quando os pensadores vão refletir sobre as relações do homem e a sociedade, como é possível o Eu individual quebrar e apresentar novos paradigmas, novas estruturas sociais, penso a filosofia tendo  um papel fundamental

Leia mais...

Paradigmas 38

AddThis Social Bookmark Button

Expediente

 

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XII - n. 39

ISSN 1980 - 4342

Janeiro/fevereiro - 2012

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

EDUCAÇÃO E EXISTENCIALISMO: um diálogo possível entre Freire e Sartre

 José Alan da Silva Pereira

Graduado em licenciatura plena em filosofia pela faculdade de filosofia, ciência e letras de Caruaru – FAFICA. Atualmente mestrando em filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

1. Introdução

 

          No prefácio para o livro Pedagogia do Oprimido, o professor Ernani Maria Fiori traz um dos testemunhos mais contundentes e uma das frases mais elucidativas sobre a personalidade educadora de Paulo Freire: “Paulo Freire é um pensador comprometido com a vida: não pensa ideias, pensa a existência” (FREIRE, 2005, p. 7). Ao ler tal sentença, percebemos a partir de onde um diálogo pode ser estabelecido entre esses dois gigantes do pensamento contemporâneo, a saber: Freire e Sartre.       

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

As raízes histórico-filosóficas da alegoria 

 

Julio Cesar Moreira

Mestrando em Filosofia pela PUC-SP

Este artigo é a primeira parte de um estudo tem por objetivo realizar um levantamento no estudo do tema da interpretação alegórica nas doutrinas da escola Neoplatônica. Ao estudarmos o Neoplatonismo é claramente apreensível o quão fundamental e intrínseco ao pensamento Neoplatônico é o componente da exegese alegórica, porém este tema não se tem a devida atenção no meio acadêmico.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Nicolai Hartmann. A metafísica do conhecimento

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia PUCSP

Bel. em Direito Unisantos

Lic em Filosofia Unisantos

Lic em Letras Unisantos

Nicolai Hartmann nasceu em Riga, na Letônia, em 1882, e morreu em Gottingen, na Alemanha, em 1950.

Seus estudos começaram em Marburgo, onde chegou ao doutoramento e a partir de 1922 foi contratado como docente da universidade de mesmo nome. Em 1925, deixou aquela universidade, sucedido por Heidegger, e foi lecionar em Colonia, onde ficou até 1931, quando se mudou para Berlim, também convidado a lecionar na universidade. Somente em 1945 retirou-se de Berlim para Gottingen, onde permaneceu até sua morte, em 1950.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Muita bola e um pingo de filosofia

Edson Pipoca

blogdopipoca.wordpress.com


Nós brasileiros somos muito sortudos: Deus é brasileiro, em fevereiro tem carnaval e nossas negas chamadas Teresas, Marias e etc são as mais sexies do mundo.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

A grande polêmica entre Heráclito e Parmênides

Lídice Chaves

Estudante do 5º semestre de Licenciatura em Filosofia na UnimesVirtual

Luiz Mendes: Bem, boa noite. Um dos nossos entrevistados do Paradigmas  de hoje é o filósofo Heráclito, uma personalidade das mais instigantes do mundo do pensamento, que lança na próxima semana um novo Epigrama, como sempre abordando as questões relativas ao Cosmos e à alma humana. Conosco também o

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus conhecimentos

1. Paulo Freire e Sartre preocupam-se, sobretudo:
a    Com as idéias formais que dão sentido ao mundo;
b    Com a formalidade do discurso que embasa a sociedade;

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Ouro de Tolo

Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...

Leia mais...

Ofertas