AddThis Social Bookmark Button

Os limites histórico-sensório-cognitivos do conhecimento a partir de Kant e Hegel

Thiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 De acordo com Francis Bacon, pensador inglês do séc. XVII, os entes seriam constituídos por leis de funcionamento, conceito este equivalente à essência aristotélica e à idéia platônica. Essas leis seriam cognoscíveis, desde que o homem se libertasse de todos os elementos integrantes de sua subjetividade,

isto é, sua sensibilidade, sua cultura e suas heranças históricas, pois estes apenas atrapalhariam o conhecimento, uma vez que  o tornariam parcial e relativo. A esses elementos que atrapalham o conhecimento, Bacon dá o nome de ídolos.

Ao elaborar sua teoria – que até os dias de hoje fundamenta a ciência – Bacon inseriu-se numa tradição metafísica – a saber, um movimento filosófico cujo objetivo é chegar ao suposto elemento imutável e eterno que daria ser aos entes da physis.

No século XVIII, Kant e Hegel estabelecem a partir de suas teorias, elementos condicionantes para o conhecimento. O primeiro postula uma estrutura sensório-cognitiva própria do homem e, por conseguinte, insuperável. Quanto ao segundo, afirma que cada homem, ao pensar, o faz em acordo com as circunstâncias histórico-culturais nas quais vive. 

Segundo Kant, seria por meio dessa estrutura sensório-cognitiva – sensibilidade e entendimento, que o homem se aproximaria da realidade e tentaria apreendê-la. A esse respeito, afirma Kant em sua Crítica da Razão Pura:

 [...] há dois troncos do conhecimento humano que talvez brotem de uma raiz comum, mas desconhecida a nós, a saber, sensibilidade e entendimento: pela primeira objetos são-nos dados, mas pelo segundo são pensados. (KANT 1999, p. 67).

 A sensibilidade é aquela que possibilita a apreensão imediata dos objetos - intuição. Estas permitem que o homem perceba um determinado objeto, distinguindo-o do todo no espaço e determinando-o num período de tempo. Com isso, as variáveis de espaço e tempo não são mais postuladas como constituintes do objeto, mas sim do sujeito.

Quanto ao entendimento, Kant afirma que a ele cabe a logicização dos objetos dados ao homem por meio da sensibilidade. A partir das categorias que constituem o seu entendimento, o sujeito pensa acerca dos objetos apreendidos, seja para simplesmente afirmar sua existência, seja para estabelecer relações entre eles.

Se a partir de Kant pode-se dizer, portanto, que o homem não pode superar o ídolo da tribo (estrutura sensório-cognitiva), com a filosofia de Hegel é possível afirmar que o homem, no processo cognitivo, é impossibilitado de superar o ídolo da caverna (constituição histórica subjetiva).

Segundo Hegel, o movimento histórico é o movimento do espírito absoluto. Este seria constituído por  constante afirmação e  negação – tese e antítese; do conflito entre esses dois pólos resultaria a síntese, elemento unificador que reuniria em si características da tese e da antítese, tornando-se uma nova tese. Destarte, a história estaria num ininterrupto processo de desenvolvimento qualitativo, de modo que um sistema filosófico estabelecido no séc. XV seria inferior em qualidade se comparado a um sistema do séc. XVIII. Acerca da tradição em seu movimento diz Hegel:

[...] não é estátua de pedra, mas é viva, e continuamente se vai enriquecendo com novas contribuições, à maneira de um rio que engrossa o caudal à medida que se afasta da nascente. O conteúdo desta tradição é formado por tudo quanto o mundo espiritual produziu, e o espírito universal nunca permanece estacionário. (HEGEL, 1996, p. 88)

Cada indivíduo, segundo a teoria hegeliana, estaria limitado a certas circunstâncias históricas, isto é, seria o resultado do seu tempo e contribuiria, com a sua individualidade, para expandir e/ou solidificar o espírito absoluto. 

Um pensador do século XV estaria condicionado a pensar a partir das teses em vigência nesse século, seja para manter essas mesmas teses ou ainda para refutá-las de modo que partir de um ponto diverso e ignorar completamente o próprio tempo não seria possível. Assim, um homem do renascimento pensa como se pensa no renascimento, e qualquer movimento filosófico desse homem se dá a favor das teses renascentistas ou ainda, contra elas.

Essas idéias inauguradas por Kant e por Hegel abrem um amplo espaço de possibilidades para o crescimento da filosofia contemporânea. Nietzsche, no séc. XIX retomará as duas concepções supracitadas a fim de desconstruir por completo os sistemas tradicionais e provocar o surgimento de um novo modo de entender a questão do conhecimento, a saber: ao aproximar-se do objeto, o sujeito está impregnado de sua sensibilidade e de sua singularidade - sua história, família, cultura, educação etc.

 

Referência bibliográfica:

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. São Paulo: Nova Cultural, 1999.

  • leiamais

Leia também outros artigos

41.Poesia, linguagem e habitar em Heidegger
AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Leia mais...
38. Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...
38. Nicolai Hartmann. a metafísica do conhecimento
AddThis Social Bookmark Button

Nicolai Hartmann. A metafísica do conhecimento

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia PUCSP

Bel. em Direito Unisantos

Lic em Filosofia Unisantos

Lic em Letras Unisantos

Nicolai Hartmann nasceu em Riga, na Letônia, em 1882, e morreu em Gottingen, na Alemanha, em 1950.

Seus estudos começaram em Marburgo, onde chegou ao doutoramento e a partir de 1922 foi contratado como docente da universidade de mesmo nome. Em 1925, deixou aquela universidade, sucedido por Heidegger, e foi lecionar em Colonia, onde ficou até 1931, quando se mudou para Berlim, também convidado a lecionar na universidade. Somente em 1945 retirou-se de Berlim para Gottingen, onde permaneceu até sua morte, em 1950.

Leia mais...
38. Muita bola e um pingo de filosofia
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Muita bola e um pingo de filosofia

Edson Pipoca

blogdopipoca.wordpress.com


Nós brasileiros somos muito sortudos: Deus é brasileiro, em fevereiro tem carnaval e nossas negas chamadas Teresas, Marias e etc são as mais sexies do mundo.

Leia mais...
Entrevista com Fábio Alberti Cascino
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Fábio Alberti Cascino

Colaboração
José Sobreira de Barros Júnior

Leia mais...

Paradigmas 36

AddThis Social Bookmark Button

 Expediente

Paradigmas
Ano IX - Nº 36
Filosofia, Realidade & Arte
ISSN 1980-4342

Janeiro/Fevereiro 2010

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

O homem e a morte

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

 Por que Heidegger e a Poesia?

 1. Heidegger e a Poesia

 1.1. Visão panorâmica

 A pergunta fundamental da filosofia de Heidegger é aquela sobre o sentido do Ser. Assim, a questão maior não é o homem, mas o Ser em ser conjunto. Ele é que torna possível a abertura para a compreensão da existência humana,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Assassinato x Sacrifício[1]

De Kieslowski a Kierkegaard. 

 “A fé é a mais alta paixão de todo homem”

Neste artigo, buscarei fazer uma relação entre o filme Não Matarás, do cineasta polonês Krzysztof Kieslowski e a obra Temor e Tremor, do filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard, juntamente com outros argumentos e pensamentos para tentar responder a uma pergunta ética:

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Os limites histórico-sensório-cognitivos do conhecimento a partir de Kant e Hegel

Thiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 De acordo com Francis Bacon, pensador inglês do séc. XVII, os entes seriam constituídos por leis de funcionamento, conceito este equivalente à essência aristotélica e à idéia platônica. Essas leis seriam cognoscíveis, desde que o homem se libertasse de todos os elementos integrantes de sua subjetividade,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Esboço sobre a questão epistemológica e a Filosofia da Educação

José Sobreira de Barros Júnior
Mestre em Filosofia - PUCSP

Todos nós na Educação sempre imaginamos algumas situações que, de uma maneira ou de outra, vivenciamos ao longo do nosso trabalho cotidiano; muitas vezes, um fato ou outro nos chama a atenção e nos leva a um processo de reflexão.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Fábio Alberti Cascino

Colaboração
José Sobreira de Barros Júnior

Leia mais...