AddThis Social Bookmark Button

Artefato Cultural

 

Este e outros textos podem ser lidos em www.artefatocultural.com.br

Carta de Mário de Andrade para Manuel Bandeira

São Paulo, 18 de abril de 1925.

Manuel do coração,

 

Comunico que comprei esta máquina. Se você estivesse aqui era um abraço pela certa, tanto que estou contente. Já se sabe: pelo processo amável das prestações. Engraçado, por enquanto me sinto todo atrapalhado de escrever diretamente por ela. A idéia foge com o barulhinho, me assusto, perdi o contacto com a idéia. Isso: perdi o contacto com ela. Não apalpo ela. Mas isso passa logo, tenho a certeza e agora é que você vai receber cartas bonitas de mim. Afinal: Deus é mesmo muito bom pra mim. Porque essa história de “compro-não-compro: compro” me deu uma comoção e um interesse pra estes dias todos. Por isso não pude pensar muito nesse escandalinho Prudente-Ronald. Senão ele muito me havia de contrariar, tenho a certeza. E agora já sabe: quinze minutos que seja de descanso, estou na frente da Manuela batendo tipo sem parar. Manuela é o nome da máquina, por causa de você. Inventei agorinha mesmo isso. Não refleti nem nada: ficou Manuela. Assim a homenagem saiu bem do coração.

                Você adivinhou o meu desejo, Manuel. Tudo o que você ler de interessante aí, corte e me mande. Eu já tinha sabido do discurso do Alberto em Petrópolis e estava com muita vontade de saber mais alguma coisa sobre isso. Agora sei e acho que vou escrever numa Carta aberta que eu quero que seja engraçada, sensata, irreverente, amiga, camarada, sem nenhum servilismo e bastante justiça. Se escrever dou pra Estética. Vou trabalhar nisso. E vou achar jeito de botar uma respostinha dentro dela pro Tristão. Uma queixa irônica e a minha definitiva repulsa do nome de moderno dado pra mim. Você compreende, Manuel, eu hoje sou um sujeito que tem muitas preocupações por demais pra me estar amolando com essas burradas de modernismo e passadismo. “Eu é que sou moderno!” Ora, isso hoje pra mim não significa coisa nenhuma. Tenho mais que fazer. Não estou fazendo blague, não. É uma coisa que está a cem léguas de mim o modernismo. Que significa ser moderno? A resposta disso é a coisa mais complicada deste mundo ou a mais simples. Juro pra você que não tenho tempo pra vaidadinhas. Vivo. Minha vida é sublime. Começo a achar que o Graça Aranha é o sujeito que mais mal me fez na minha vida porque trouxe o problema da alegria pro Brasil. A verdadeira alegria nem sabe que é alegre. Eu não sabia que era alegre. Agora é que sei. Felizmente que pude vencer o preconceito da alegria por causa da minha intensa vida. Amém! Você não acha que tenho razão? Ser moderno, ser antimoderno, ora bolas! Sou, isso é que é importante. Mas sou conforme o sentimento meu do que vem a ser. Você pela minha obra e pelos meus atos e cartas já sabe o que significa pra mim este verbo divino.

                Me mande todos os artigos do Tristão, não se esqueça. O primeiro é singularmente sensato, por vezes arguto, boa audácia. Um pouco... regionalista. O que são as vaidades, meu Deus! Essa gente do Rio nunca perdoará a São Paulo ter tocado o sino. Não falo de você. Você já não é do Rio. Você já é como eu: do Brasil. Falar nisso creio que vou escrever um poema com este nome. “Louvação de meu Estado natal”. Será clássico e gelado. Ninguém vai gostar, mas eu vou.

                Agradeça a nota da Vanguarda pro seu amigo. Gostei. Já sabe: não é por ser pra mim, é porque está bem escrita, é sincera, e verdadeira como sentimento, pronto: a simpatia já começou.

                Agora o escandalinho. Estive ontem com o Prudente. Preveni-o do que vai pelo Rio, menos naturalmente que a desgraçada crítica me prejudicou. Eu não tive a mínima influência nisso, nem como na Estética publicar artigos sobre o Osvaldo. Ao contrário, me recusando sempre a aconselhar, dessa vez aconselhei calma e cuidado. Calma tiveram porque o guampaço saiu rijo. Prudência não tiveram. Mas quanto mais eu penso, Manuel, mais acho que os rapazes tiveram razão. São muito moços e é na casa dos vinte que as desilusões são insuportáveis e o sentimento da justiça mais puro. Depois a gente já começa a descobrir meios de acomodar as coisas porque já vai carecendo de calma. De paz até com os homens de má vontade. Fizeram bem. Foram lindos. Não me prejudicaram, não. E não pense que eu vou abandonar a amizade pelo Ronald. Isso é impossível pra mim. Se ele não me procurasse mais, eu iria procurá-lo. Os meus orgulhos são de mim, não são do mundo. Se eu procurasse a justiça no veredicto dos outros e não de mim mesmo fazia muito já que, não sei não, ao menos seria um desinfeliz. Você me mande contar os dizques sabidos aí. É só pra que eu me previna. Os rapazes não praticaram nenhuma “gaffe” como você diz. Porque é muita vilania demais se pensar, pessoa que me conhece, que eu seria capaz de ficar por trás, mandando os meninos escoteiros, apreciando o efeito. E se não fosse a vilania que inclui esse ato eu encampava agora a opinião que eles tiveram a coragem que eu não tive de dizer publicamente. Não praticaram nenhuma “gaffe”, me deram uma lição, isso sim. Se eu não tivesse sido covarde, mandasse a minha opinião pra Revista do Brasilem vez de pro Ronald, os rapazes não estariam sofrendo o mau conceito em que se meteram de escoteiros sacrificados dum terceiro astucioso. A culpa foi toda minha e se eu não tivesse medo que me tomassem o gesto por quixotada romântica, pedia desculpa. E que se deve dizer então disso do Ronald chamar o Sérgio e confessá-lo pra que ele caísse de joelhos pedindo perdão e

botando toda a culpa no companheiro! Meu Deus! pois então se pode fazer uma coisa assim quando a gente possui um pouco acima das vaidades um sentimento de respeito ao menos pra consigo mesmo! O Ronald não fez bem. E eu queria muito saber como o Graça classifica isso, segundo o artigo que publicou no primeiro número da Estética. Isso é procedimento muito mais daqueles mulatos que a literatice dele inventou pra antítese besta do moço-de-hoje que ele também inventou... literariamente. Bom. Basta de tristezas, Manuel. Eu estou profundamente triste. Felizmente que a Manuela vai disfarçar isso.

                Li só uma vez os poemas de você. Primeira impressão deu plena, 8, pra “Mulheres” e “Pensão familiar”, e distinção com louvor pro “Não sei dançar”. Porém não digo que as notas fiquem essas. Deixe eu ler num dia mais meu e vai carta. Agora não posso mais de sono. Anteontem demos uma festa sublime pra Dona Olívia. Sublime sem nenhum exagero. Que crianças que somos, você nem imagina. Era dia claro, seis e meia quando cheguei em casa. Trabalho. Ontem conversei com o Prudente até uma e meia. Imagine que abraço mole sai este.

Mário.

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Esboço sobre a questão epistemológica e a Filosofia da Educação

José Sobreira de Barros Júnior
Mestre em Filosofia - PUCSP

Todos nós na Educação sempre imaginamos algumas situações que, de uma maneira ou de outra, vivenciamos ao longo do nosso trabalho cotidiano; muitas vezes, um fato ou outro nos chama a atenção e nos leva a um processo de reflexão.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

 Por que Heidegger e a Poesia?

 1. Heidegger e a Poesia

 1.1. Visão panorâmica

 A pergunta fundamental da filosofia de Heidegger é aquela sobre o sentido do Ser. Assim, a questão maior não é o homem, mas o Ser em ser conjunto. Ele é que torna possível a abertura para a compreensão da existência humana,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Fábio Alberti Cascino

Colaboração
José Sobreira de Barros Júnior

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

O homem e a morte

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Quem morre?

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

 

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XII - n. 39

ISSN 1980 - 4342

Janeiro/fevereiro - 2012

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Ouro de Tolo

Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Filosofar pra quê?

Edson Pipoca

blogdopipoca.wordpress.com

 

 As pessoas dizem: “Filosofia é muito chata!” E é mesmo! Daqui imagino 10 coisas legais que poderíamos fazer em lugar de Filosofar. Ficar no facebook postando filosofia de beira de estrada; arrumar uma gata e... bem ... e ter filhos... e pagar pensão, e... ficar filosofando sobre e se eu tivesse usado camisinha? Bem, talvez não sejam 10, mas o troço é de pirar o cabeção mesmo. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A alegoria e o neoplatonismo

Julio Cesar Moreira

Mestrando em Filosofia pela PUC-SP

 

Este artigo é a segunda parte de um estudo e tem por objetivo realizar um levantamento no estudo do tema da interpretação alegórica nas doutrinas da escola Neoplatônica[1]. Ao estudarmos o Neoplatonismo é claramente apreensível o quão fundamental e intrínseco ao pensamento Neoplatônico é o componente da exegese alegórica, porém este tema não tem a devida atenção no meio acadêmico.

Leia mais...

Paradigmas 34

AddThis Social Bookmark Button

Expediente

 

Revista Paradigmas

ISSN 1980-43442

novembro/2008

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Religião na Bioética, avanço ou retrocesso

 A bioética surge da necessidade de defender os direitos humanos, já que, em nome do avanço científico, várias transgressões aos direitos humanos estavam acontecendo, como o das experiências nazistas com prisioneiros nos campos de concentração e outras experiências subseqüentes

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Relação entre fato e proposição em Wittgenstein

As investigações desenvolvidas por Wittgenstein no Tractatus levou-o a postular uma profunda mudança na teoria do conhecimento. Wittgenstein, diferentemente de Kant, vê o mundo como uma totalidade de fatos e não de coisas. Desta forma, fundamental para o homem é perceber que os limites do seu mundo fundam-se nos limites do dizível. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A EAD e a volta da Filosofia ao Ensino Médio

 

A educação à distância e a volta da filosofia para o Ensino Médio: duas novidades da educação no país que ainda são muito discutidas. Para aqueles que fazem o curso de filosofia à distância ou leciona nele, torna-se ainda mais necessária tal discussão.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Sustentabilidade, sociedade e educação:

como integrá-los

Atualmente a educação tem por objetivo desenvolver na criança a capacidade resolver problemas, por meio da aplicação dos conteúdos aprendidos e esse processo é mediado pelo professor.  Alem de aprender conceitos, na escola a criança aprende a ser cidadã. Não podemos deixar de trabalhar a educação

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Música: terapia social

Desde os primeiros tempos, a linguagem é o veiculo que medeia a comunicação entre o humano e o mundo. È por meio dela que se pode, minimamente, tornar inteligíveis idéias, imaginação, sentimentos e toda uma gama de experiências, que pertencem à dimensão subjetiva e singular de cada membro de uma sociedade. Num âmbito mais amplo, é ela mesma a maior expressão de uma sociedade,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Mônica Aiub­­1

Colaboração: Almir José da Silva

O que é Filosofia Clínica? E como se originou este ramo?

A filosofia clínica é uma terapia que faz uso da metodologia filosófica para abordar questões existenciais, e tem como princípios fundamentais o respeito à singularidade e a

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Cultura "inútil"

Apesar de não percebermos, nós vivemos em um mundo em que todas as informações são atualizadas em todos os instantes, além de circularem pelo mundo inteiro em velocidades impressionantes através dos meios de comunicação mais utilizados por pessoas de todas as idades,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

Encontre no texto A EAD e a volta da Filosofia para o Ensino Médio a crítica a respeito das novas tecnologias e a forma com que estão sendo usadas e assinale a alternativa correta:

Leia mais...

Ofertas