AddThis Social Bookmark Button

Plotino do Amor

 “O AMOR BROTA NAS ALMAS DESEJOSAS DE UNIR-SE A ALGUMA COISA BELA” (PLOTINO)

 Plotino (205-270). Filosofo neoplatônico, oriundo de família romana. Nasceu no Egito e descobriu o neoplatonismo em Alexandria. Seu objetivo era a renovação do platonismo. A filosofia de Plotino é a mais celebre do conjunto do neoplatonismo.

No fundo, trata-se de um misticismo calcado nas idéias de Platão, mas acrescentando-lhe uma teoria do Uno. Sua interpretação veio a influenciar fortemente o desenvolvimento do pensamento cristão medieval, sendo, por vezes, as três hipostases aproximadas da Santíssima Trindade.

Em Plotino o amor não visa definir a natureza de deus, mas indica uma das vias que conduz a deus. O Uno de Plotino não é amor porque é unidade inefável superior à dualidade do desejo. Mas o amor é a via preparatória que conduz à sua visão porque o objeto do amor é o bem e o Uno é o bem mais alto. O Uno seria então, o derradeiro termo sendo o objeto ultimo e essencial do amor. Embora não seja através do amor que o homem se uma a ele, e sim através de uma visão, uma intuição, onde o que vê e o que é visto se confundem tornando-se apenas um.

Semelhantemente a Platão, Plotino vê no amor a busca do belo, pois o feio, é contrario aos deuses e à natureza, pertence a uma ordem contraria. Porque a própria natureza deve sua gênese ao Belo. Mas os que se sentem atraídos a gerar na beleza do corpo lhes basta a beleza aparente, o belo terrestre. Estes não conseguem elevar-se a beleza primaria não podem amar aquela senão como imagem distorcida desta, os que não podem elevar-se a tal reminiscência, ignoram a causa dessa paxao.

No entanto, aquele que une à essa paixão o desejo da imortalidade que nossa alma imortal aspira, busca o Belo na atemporalidade, e, agindo segundo a natureza busca a criação no belo, no eterno, pela afinidade que este tem com a Beleza. Pois a eternidade é aparentada a esta. Aquele que não possui por si mesmo a beleza, anseia tornar-se belo gerando em beleza.

Os que amam os corpos mortais transviam-se, deslizam e ficam perdidos pelo caminho, ignoram aonde os conduz o amor, aonde os conduz o desejo sensual das paixões. Estes veneram a beleza terrestre e com esta se satisfazem, os outros, os que têm reminiscência da Beleza primeira, e não descuidam da beleza terrena, considerando esta apenas como reflexo da Beleza essencial, amam o Belo sem culpa, os outros, que buscam o belo na aparência, encontram por vezes o que é feio, pois o incorreto desejo do belo se transforma no mal, tal é o amor considerado como paixão da alma.

O amor considerado uma divindade é a mais divina das almas, pois nasceu diretamente da inteligência pura, que habita no alto. Não pode pertencer aos homens, pois por sua própria natureza não pode inclinar-se à terra, já que não pode habitar o mortal, é uma natureza a parte, uma essência não material. Cujo desejo esta em si mesmo. A alma que se encanta com esta natureza já não pode mais se satisfazer com os desejos mortais, não pode mais decair, pois assim como o sol não pode deixar de ser luz, ela não pode deixar de a ele tornar.

Os deuses amaram e amando geraram o amor, depois o contemplaram e a atividade de sua visão tornou-se essência e substancia imortal. Atividade intermediaria entre o amante e o amor. “Eros é o olho com o qual é dado ao amante contemplar seu amado” (Plotino, Do Amor, 135). O amor nasce da própria energia que emana da contemplação do que é contemplado, do olhar pleno de quem que vê a sua imagem.

Mesmo considerado como paixão, o amor gera o desejo dessa contemplação, porque a essência é anterior ao que não é, e ainda que se diga que a paixão consiste em amar e que dessa paixão concede o amor esta contemplação, este amor paixão não pode ser tomado em sentido absoluto.

O amor habita o plano da alma pura, superior a Alma do Mundo. Quando o amante sente o desejo de plenitude e a contempla sua alma se inclina às coisas do alto, pois toda alma aspira ao bem. E  toda alma é atraída à alma universal do amor pois dela depende.

Assim, cada alma que existe possui um amor dessa natureza. É ele quem inspira a cada alma os desejos, que por natureza ela se inclina a sentir. E cada alma sente segundo sua natureza um amor digno e decente. A alma universal possui um amor universal e as almas particulares têm, cada uma, um amor particular. O amor universal, inerente ao todo, esta integralmente por toda parte do universo, torna-se múltiplo, aparece no todo, em toda parte e se apresenta sob a aparência que lhe convém. O amor é por isso o ato da alma que procura o bem, é este amor que conduz toda alma à natureza do bem.

Entretanto, a alma possui em si certa indeterminaçao antes de atingir o bem, ela o pressente, e tem deste uma imagem indistinta, criando o que não é perfeito nem suficiente, pois nasce de um desejo indeterminado e de uma razão insuficiente. “quanto a razão assim engendrada (o Amor), não é pura, porisso que encerra um desejo indeterminado, irracional, indefinido, e jamais será satisfeito enquanto possuir em si mesma a natureza do indeterminado” (idem, p. 144).

O amor depende da alma, é um duplo, formado pela razão que não permanece em si mesma, mas que se associa ao indeterminado. O amor não essencial, é inteligente por natureza mas carente pela associação ao indeterminado, será sempre carente obtenha o que obtiver, não se pode saciar pois não possui condição para o ser.

Só pode se saciar aquele que possui por natureza a plenitude. O que é levado pela carência ao desejo, mesmo que por um instante saciado, jamais seria pleno. É pela própria natureza da razão a qual se encontra submisso, é que ele esta sujeito aos desejos, aos bens particulares.

O que verdadeiramente ama, possuem o amor do bem absoluto, são movidos pela harmonia particular que neles cria a alma que atua no todo. Os que são movidos pelas paixões vulgares, desejam o mal, são inferiores em dignidade, pois estão sujeitos à parte inferior da alma, todos os seus bens almejados não passam de meras paixões.

O amor é a Alma que coexiste com a Inteligência e por esta subsiste, desta recebe a razão que lhe da plenitude, orna-se de sua beleza, torna-se tão pleno que nos permite vislumbrar o esplendor de todas as Belezas. Logo, o Amor existe desde quando existe a alma, esta sempre nos seres, a indigência, o desejo e a reminiscência são razoes humanas, que, reunidas na alma, criam essa atividade para o bem que se chama amor. O desejo desempenha o papel da matéria,  o verdadeiro desejo do Bem não tem forma nem matéria, é permanente em si mesmo. “Assim é que o Amor é um ser que participante da matéria; e pleno de Bem e desejoso de bem desde o nascimento, é um gênio da alma” (idem, p. 152).  

Dalva de Fátima Fulgeri

Licenciada em Filosofia - Unisantos

    

BIBLIOGRAFIA

Plotino. Do Amor. São Paulo, Atena Editora, 1948.

Canção de Amigo

 

LÓGICO CONTRADITÓRIO

 

 A um (ex) Amigo...

 

     Florescente ele surge disfarçando sua face sórdida, cálido como inefável Zéfiros primaveril, desperta sutis lembranças de juventudes atemporais, me sufoca e me encerra na mesma dourada jarra onde a última não liberta comigo subjaz: paciente Esperança!...

     Belo e jovem Amigo que ao cantar encanta-se. Inebriado no luxurioso ego, feliz, multiforme, cujas faces flamejantes ocultam um âmago pálido de solidão... Pobre disforme Amigo!...

     Jovem e belo Amigo, cujo manto principesco mal vela a nudez da alma batraquiana, que pulsa nos charcos lodosos da devassidão reprimida. Desvela-te!

     Querido e desejado menino, cuja ausência se faz mais presente quando mais ao alcance estas; seu essencial prazer é magoar, é mal chegar...

     Caríssimo e adorado Amigo: anseio na juventude; jamais realizado. Ilusão tardia na sobriedade das horas, quando chegastes trazias consigo a essência das irrealizações: a que viestes?

     Jovem e caro Amigo, ausente na presença do Ser, do sentir e do sentido; por que estas? Tua beleza e juventude, amado menino, se transmuda em maldição harpiana que infecta o que aos sentidos uma vez deleitaram.

     Jovem e querido Amigo tua presença encanta como acordes bem tinidos de eruditos violões, cujo canto entoa mágoas de inenarráveis e mórbidas emoções: por que não calas teu, meu canto?

     Amigo jovem e Belo; inteligível e ininteligível refrão sob o mesmo momento e acorde: desvela teu canto!

    “Os homens, belo jovem a quem se dirige o meu discurso, chamam de Amor a este afeto...” * . Tua AMIGA entretanto, deve apenas chamar-te amigo...

( * PLATÃO, Fedro

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus conhecimentos

1. Segundo Plotino, podemos afirmar, quanto à alma:

a             Cada homem possui uma única alma, a qual é una e indivisível;

b             O homem possui duas almas, uma originada no Caos e outra no Cosmo;

c              O homem  possui duas almas, uma  causada  pelo   divino  outra  pelo   universo,     as    quais   se   unem definitivamente após a morte do  homem;

d             O homem possui duas almas, uma causada pelo divino  outra pelo universo, as quais se separam após a morte do homem.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

 

Espaço-Poesia

 

Título: A casa do Poeta

 

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Filosofar pra quê?

Edson Pipoca

blogdopipoca.wordpress.com

 

 As pessoas dizem: “Filosofia é muito chata!” E é mesmo! Daqui imagino 10 coisas legais que poderíamos fazer em lugar de Filosofar. Ficar no facebook postando filosofia de beira de estrada; arrumar uma gata e... bem ... e ter filhos... e pagar pensão, e... ficar filosofando sobre e se eu tivesse usado camisinha? Bem, talvez não sejam 10, mas o troço é de pirar o cabeção mesmo. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XIII - n. 41

ISSN 1980 - 4342

março/abril – 2014

Leia mais...

Paradigmas 33

AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

ISSN 1980-43442

Edição 33

Janeiro/Fevereiro 2007

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Os Filósofos pré-socráticos: filósofos da natureza

I – Introdução.

Até 600 a.C, aproximadamente, o homem grego utilizava a mitologia para explicar a natureza e fundamentar a própria organização sociopolítica grega. Os mitos mais antigos de que se têm registros remontam ao período Neolítico, isto é, aproximadamente 10.000 a.C.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Plotino do Amor

 “O AMOR BROTA NAS ALMAS DESEJOSAS DE UNIR-SE A ALGUMA COISA BELA” (PLOTINO)

 Plotino (205-270). Filosofo neoplatônico, oriundo de família romana. Nasceu no Egito e descobriu o neoplatonismo em Alexandria. Seu objetivo era a renovação do platonismo. A filosofia de Plotino é a mais celebre do conjunto do neoplatonismo.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Conhecimento, verdade, Heidegger e a tradição

Apesar de tudo aquilo que pode ser dito contra o modelo filosófico apresentado por Heidegger em Ser e Tempo – que tem estilo tortuoso, demasiadamente teutônico e etc. – não se pode negar o fato de que tal modelo filosófico acaba trazendo uma rajada de ar fresco aos enigmas

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Quem morre?

Leia mais...