AddThis Social Bookmark Button

Schiller e a questão da Estética

“No silêncio pudico de tua mente educa a verdade vitoriosa, exterioriza-a na beleza, para que não apenas o pensamento a homenageie, mas para que também os sentidos apreendam, amorosos, a sua aparição”.

Friedrich Schiller.  A Educação Estética do Homem.

Observamos na obra de Fridrich Schiller: A Educação Estética do Homem, o conceito de ação recíproca entre dois impulsos, onde a eficácia de cada um ao mesmo tempo funda e limita a do outro. Sendo esta relação de reciprocidade entre os dois impulsos obra da razão, algo próprio do ser humano. O impulso lúdico, onde o impulso sensível e o impulso formal atuam juntos, imporá necessidade ao espírito, libertando o ser humano. O impulso lúdico torna contingente a índole formal bem como a índole material; sendo que a contingência desaparece tendo em vista a necessidade.

O belo é forma viva, o homem deve jogar com a beleza. O impulso lúdico é um jogo. A beleza na idéia é una e indivisível, enquanto que a beleza na experiência é dupla. Do belo esperamos um efeito dissolvente e outro de tensão. Encontramos o homem real, limitado, em um estado de tensão ou em um estado de distensão, sendo estes estados suprimidos pela beleza, que produz no homem tenso a harmonia, bem como, no homem distendido a energia, reconduzindo assim o homem de um estado limitado ao absoluto. A beleza suavizante, está para uma mente tensa, enquanto que a beleza enérgica está para uma mente distendida. A beleza liga os estados opostos de sensação e pensamento. O belo permite ao ser humano a passagem da sensação ao pensamento.

Diríamos ainda, que o impulso sensível precede o racional na atuação, bem como, que a sensação precede a consciência. A liberdade humana tem o seu início com a sensibilidade; no ser humano existe o grande poder da vontade. Para maior clareza faremos menção ao texto de Schiller: “A mente é determinável apenas à medida que não está determinada de modo algum; também é determinável à medida que não é determinada por exclusão, isto é, à medida que não é limitada em sua determinação. Aquela é mera ausência de determinação (ilimitada porque sem realidade); esta é a determinabilidade estética (não tem limites porque unifica toda a realidade). A mente é determinada, em geral, tão logo seja apenas limitada; é também determinada, contudo, à medida que limita a si mesma a partir da capacidade absoluta própria. Encontra-se no primeiro caso quando sente; no segundo quando pensa. O que, portanto, o pensar é em vista da determinação, a constituição estética é em vista da determinabilidade, aquele é limitação por força interior infinita; esta é negação por plenitude interior infinita”. [1]

A estética conduz ao ilimitado. O estado estético é um todo em si mesmo. A obra de arte nos transmite serenidade liberdade de espírito, bem como, força e energia. Diante da disposição estética do espírito, a espontaneidade da razão tem seu início na sensibilidade.

O homem traz em si um pouco de seu estado animal, mesmo nos mais cultos por vezes é possível encontrar vestígios desse estágio sombrio de sua natureza, bem como, no homem mais bruto, é possível encontrar vestígios da liberdade da razão. A cultura, a estética muito pode colaborar para o desenvolvimento integral do ser humano.

Observamos também em Schiller, a arte como “tecné”. A educação estética é uma busca da totalidade no sujeito. O sujeito está em constante construção. O belo natural é uma composição cósmica disponível para o sujeito. A arte é construção do sujeito. A grande obra de arte está sempre sendo revista, discutida, pede a sua reinterpretação no tempo e este não acaba com a obra de arte. O belo antecede o bem. O belo deve ser o fundamento do bem e este o fundamento da verdade. A experiência estética afeta a conduta.

Luís Otávio Maciel

Mestrando em Filosofia - PUCSP

 

 BIBLIOGRAFIA

  1. IBRI, Ivo Assad. Kósmos Noétos: A Arquiterura Metafísica de Charles S. Peirce. São Paulo, ed. Perspectiva/ed. Hólon, 1ª ed., 1992.
  1. SHILLER, Friedrich. A Educação Estética do Homem; Numa Série de Cartas. São Paulo, ed. Iluminuras, 4ªed., 2002, trad. Roberto Schwarz e Márcio Suzuki.

[1] Friedrich SCHILLER. A Educação Estética do Homem. Pág.105.

 

 Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

Encontre no texto A EAD e a volta da Filosofia para o Ensino Médio a crítica a respeito das novas tecnologias e a forma com que estão sendo usadas e assinale a alternativa correta:

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Desemprego

 Desemprego
Mãos vazias
Filhos com fome
Incerteza na boca dos homens
Desemprego
Agonia
Lojas vazias
Filas imensas
Mãos em romaria
Desemprego
Nó no futuro
Globalização fora de rumo
Invisível e intransponível muro
Desemprego
No sono
Na fila
No coração do homem trabalhador
Só desassossego
Desemprego
Bicho-papão
Se nada for feito
Viraremos refeição

Peilton Sena

Home      Capa

AddThis Social Bookmark Button

Relação entre fato e proposição em Wittgenstein

As investigações desenvolvidas por Wittgenstein no Tractatus levou-o a postular uma profunda mudança na teoria do conhecimento. Wittgenstein, diferentemente de Kant, vê o mundo como uma totalidade de fatos e não de coisas. Desta forma, fundamental para o homem é perceber que os limites do seu mundo fundam-se nos limites do dizível. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Os limites histórico-sensório-cognitivos do conhecimento a partir de Kant e Hegel

Thiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 De acordo com Francis Bacon, pensador inglês do séc. XVII, os entes seriam constituídos por leis de funcionamento, conceito este equivalente à essência aristotélica e à idéia platônica. Essas leis seriam cognoscíveis, desde que o homem se libertasse de todos os elementos integrantes de sua subjetividade,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Religião na Bioética, avanço ou retrocesso

 A bioética surge da necessidade de defender os direitos humanos, já que, em nome do avanço científico, várias transgressões aos direitos humanos estavam acontecendo, como o das experiências nazistas com prisioneiros nos campos de concentração e outras experiências subseqüentes

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Metáfora

Uma lata existe para conter algo

Mas quando o poeta diz: "Lata"

Pode estar querendo dizer o incontível

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

O realismo exemplarista:Uma breve análise da questão 46 do livro sobre oitenta e três questões diversas de Sto. Agostinho

Adriano Soler
Mestrando em Filosofia - PUCSP


O aristotelismo tenta definir a essência de uma coisa e assim, demonstrar quais características que determinada coisa deve ter de acordo com a sua natureza. Assim, surgem os aristotélicos com uma questão por demais complexa, que seria: O que é uma natureza, se ela é uma realidade superior e acima das coisas cuja natureza ela é? Ou ainda, se ela é uma construção mental que existe apenas em nosso entendimento das coisas e se assim for, em qual base ela é construída? Desta forma, se inicia o problema dos universais na filosofia medieval.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Eduardo Palmeira Bandeira,

Psicólogo Clínico Pós-graduado pela Univ. da California-USA.
Prof. de Teorias e Técnicas Psicoterápicas e Arteterapia;

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

 

  1. Para Vigotsky, a linguagem:
  2. Possui valor absoluto diante da realidade Leia mais...
    AddThis Social Bookmark Button

    Expediente

    Revista Paradigmas

    Filosofia, Realidade & Arte

    Ano XII - n. 39

    ISSN 1980 - 4342

    Julho/Agosto – 2012

    Leia mais...

Paradigmas 31

AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas, uma publicação do CEFS – Centro de Estudos Filosóficos de Santos

Edição 31

Ano VI - Março/Abril 2006

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Artefato Cultural

Santos: história, memória e cultura

A cidade de Santos é uma das mais antigas em termos históricos e culturais do Brasil, da mesma forma que a maioria das cidades do litoral de São Paulo, pois estão inseridas no contexto histórico do início da colonização do Brasil, na primeira metade do século XVI.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Anatomia de um Acidente

“Todos os erros humanos são impaciência, uma interrupção prematura de um trabalho metódico.” (Franz Kafka)

 Acidentes de trabalho são frutos de nossas escolhas e conseqüências de nossas próprias atitudes. Qual seria sua decisão, por exemplo, diante das seguintes situações:

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Amor e felicidade segundo Aristóteles

(...) o homem feliz vive bem e age bem; pois definimos praticamente a felicidade como uma espécie de boa vida e boa ação.” (Aristóteles, Ética a Nicômaco, livro I,8)   

             Aristóteles define o homem como ser racional e considera a atividade racional, o ato de pensar, como a essência da natureza humana.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Schiller e a questão da Estética

“No silêncio pudico de tua mente educa a verdade vitoriosa, exterioriza-a na beleza, para que não apenas o pensamento a homenageie, mas para que também os sentidos apreendam, amorosos, a sua aparição”.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

O contratualismo de John Rawls e a Teoria da Justiça como eqüidade

A teoria da justiça como equidade de John Rawls propõe uma idéia de justiça que generaliza e leva a um nível mais alto de abstração o conceito tradicional do contrato social.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Brasil cercado pelos EUA?

Professor Moniz Bandeira diz que EUA têm “cinturão militar” em volta do Brasil.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Será preciso?

Leia mais...

Ofertas