AddThis Social Bookmark Button

Mudar sem medo

Sempre vejo pessoas se queixando da situação, da estagnação de suas vidas e dos problemas recorrentes. Isso até parece um modismo: queixar-se do que desagrada. Fica o alerta: não tem coisa melhor do que este comportamento para afugentar amigos!

Brincadeiras a parte, fico pensando o porquê de tanta reclamação. A primeira coisa que vem à mente é por quê isso perdura? A resposta chega rapidamente: mudar e tentar algo novo é explicado como: “difícil”, “arriscado nesses tempos”, “estou sem tempo, é melhor deixar como está”, e outras alegações nada criativas.

Será que é tudo isso mesmo? Não, não é. Uma porque quando queremos – seja por um grande amor, seja por uma grande dor – mudamos. Quem já não ouviu a história da mulher que ficou viúva (ou abandonada, ou qualquer outra causa que deu sumiço no marido) e com “n” filhos para criar, descobriu em si mesma uma energia de progresso que deu uma reviravolta na vida dela e de quem estava ao redor? Ou do workaholic que descobriu ser portador de doença grave, mudou radicalmente de vida e passou a gerenciar uma pousada no Nordeste?

Mas não é preciso tudo isso para mudar, ou será que sim?

Nas minhas considerações, ainda há muita preguiça por parte do ser humano quanto a buscar soluções que implicam no risco de acertar. Afinal, após uma certa idade, achamos que sabemos todas as respostas, e o que ainda não foi inventado não é da nossa competência. O curioso é que a cada dia vemos novidades audaciosas, histórias que parecem saídas da imaginação mais mirabolante possível tomarem as páginas dos jornais em destaque. Contraditório, não é mesmo?

Desacomodar. Como é ruim fazer diferente do que estamos acostumados... Mas o mundo está aí, e se os queixosos não se mexerem rapidamente, nem o espaço deles continuará no mesmo lugar.

Vejo que muitos deles nem sempre foram assim: houve um dia no qual eles eram curiosos, ávidos por novidades, experiências e riscos que, em sua imaginação, nunca trariam problemas. Foi na infância. Foi na adolescência. Foi nos arroubos da juventude.

Quantos dos atuais queixosos não fizeram loucuras por amor, ou por uma oportunidade profissional. Agora, se alguma coisa induz ao movimento, ao risco do novo, estes se fecham com o conhecimento de sua “grande” sabedoria.

É claro que você, que está lendo isso, não é assim! (por favor, concorde!)

Você deve ser aquele tipo de pessoa que não espera as coisas ficarem difíceis, quase insustentáveis, para modificar o estado de coisas. Até porque você é curioso, às vezes xereta, como queiram, mas aberto ao que o novo pode proporcionar.

Você sabe que a dor modifica as pessoas, mas já passou da fase de sentir a água chegar no pescoço para então se mexer. Você muda pelo amor ao progresso e à prosperidade, assuntos que são uma constante na sua vida.

Você se orgulha secretamente de ter muita história para contar dos momentos em que arriscou e deu certo, e dá risada das tentativas que viraram “causos” e “micos”. Até porque mesmo malsucedidas, fizeram com que você pudesse colorir sua vida. E agora, tem mostrado aos outros – aqueles queixosos – que a felicidade que está sendo construída por você a cada dia é o melhor retorno que pode ser dado a essas pessoas. Você muda e não tem medo de mudar.

Mesmo porque a única coisa imutável é a onda de mudanças.

Entretanto, se você sente que ainda falta coragem para mudar, ou para começar, comece já. Abra sua cristalizada forma de pensar para o que é diferente. Já pensou em andar para trás, só para movimentar os músculos das panturrilhas? Ou comer com a mão esquerda, se for destro? É um detalhe que abre a percepção.

Se ainda faltam argumentos, pense em como será sua vida quando for mais feliz da rotina que tem. Ainda é pouco? Pense em quantas pessoas podem fugir de você por continuar irredutível em suas convicções e constantes queixumes... Comece e perca o medo de mudar. Para concluir, vou deixar uma frase que li no meio de um supercongestionamento na Marginal Pinheiros, há um tempo atrás. Era o outdoor de uma bebida. Estava escrito assim: “Viver é desenhar sem borracha”.

Que você vai errar muitas vezes vai, mas terá muito mais chances de acertar e fazer aquele desenho bonito que dará sentido na sua vida.

Sucesso!

Suyen A. Miranda

Publicitária e Sócia-Diretora da Persona Consultoria.

Artigo extraído do site

www.personaonline.com.br

 

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

40. O mistério do mal
AddThis Social Bookmark Button

O mistério do mal

Wellington Lima Amorim
Doutor em Ciências humanas - UFSC
Mateus Ramos Cardoso
Pós-Graduado em  Filosofia - Univ. Cândido Mendes- RJ


O Mal sempre nos causa medo e espanto e nos repele de nossa própria realidade, seja ela entendida como o mundo no qual nos encontramos ou mesmo a realidade pessoal. Mas e quando somos nós que o realizamos? Será que somos capazes de descrever o Mal explicitando-o com nossas próprias palavras ou ações? O que tem o Mal a ver com Deus? O que tem o Mal a ver conosco?

Leia mais...
Entrevista Mônica Aiub
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Mônica Aiub­­1

Colaboração: Almir José da Silva

O que é Filosofia Clínica? E como se originou este ramo?

A filosofia clínica é uma terapia que faz uso da metodologia filosófica para abordar questões existenciais, e tem como princípios fundamentais o respeito à singularidade e a

Leia mais...
39. Espaço-Poesia
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Metáfora

Uma lata existe para conter algo

Mas quando o poeta diz: "Lata"

Pode estar querendo dizer o incontível

Leia mais...
38. Expediente
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

 

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XII - n. 39

ISSN 1980 - 4342

Janeiro/fevereiro - 2012

Leia mais...
41. A viagem suicida pós-moderna
AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...