AddThis Social Bookmark Button

Sócrates e Alcibíades: amor e paixão

“[Eros] lança sobre mim um olhar benevolente

e amigo, não enfraqueças em mim essa Arte

   de amar de que me fizeste o dom. Ao contrário,

lembra me sempre para que eu encareça cada

                           vez mais a Beleza”.

 

Alcibiádes o bem amado discípulo de Sócrates, foi o homem mais belo de seu tempo. Pertencia a mais alta nobreza ateniense, e foi tutelado de Péricles. Grande general, entretanto, causou tantos males à sua cidade quantos foram os bens. Cometeu a traição, estando ora a favor de Atenas, ora ao lado de Esparta, Demo inimigo de sua gente.

            Excelente orador, era porém dissoluto bêbado e depravado, amante dos prazeres vulgares e da luxúria, sua grande ambição era a de querer ser sempre o primeiro em tudo.

Alcibíades tornou-se discípulo de Sócrates, ouvia sempre seus discursos, nasceu desse contato constante, a grande paixão que Alcibíades lhe devotou. O amor de Sócrates a ele, entretanto, era só ternura; seus discursos e sérias advertências, tocavam-no e o comoviam até às lágrimas. Alcibíades, entretanto, era volúvel, deixava-se facilmente levar pelos aduladores, prazeres e volúpias; assim, constantemente afastava-se de Sócrates, tendo este que ir a seu encalço para trazê-lo de volta.

            Resumidamente, são estas as informações que nos traz desde a antigüidade Plutarco.

            Alcibíades nutre por Sócrates uma paixão trágica e doentia, atração e fuga a um só tempo. Os ideais socráticos o atraem, porém, ele só vê em Sócrates o reflexo daquilo que deve ser amado. A beleza autêntica de Sócrates o fascina, mas ao mesmo tempo Sócrates encarna a consciência que o acusa, que o tortura. Alcibíades reunia em si os dotes do discípulo ideal, filosoficamente bem dotado e preparado, mas que não conseguia vencer a fraqueza da ambição desmedida. Alcibíades é governado pela paixão que é estranha à razão; que deseja governar o amado; que é prisioneira que aprisiona, que oscila entre o racional e o instintivo  a tensão e o conflito de dois desejos opostos. Um tende ao bem e à verdade, outro tende à desmesura e ao poder.

O elogio de Alcibíades a Sócrates é um delírio no qual ele compara a beleza interior de Sócrates com a beleza divina, à qual ele pretende conquistar, julgando atrair e apaixonar o filósofo através de sua beleza física; passa então a ser o amante que persegue. Sócrates ao recusá-lo, aparece-lhe como dotado de uma beleza superior à sua própria, o que em sua ambição sugere a troca de uma por outra, sem perceber que só pelo seu esforço interior poderá vir a gozar não do corpo de um belo, mas da própria beleza. 2“Acreditei que ele sentia uma grande paixão pela minha florescente mocidade, e julguei que tal fato implicava para mim em vantagem e ventura: pensei que, em troca de meus favores, receberia de Sócrates toda a sua ciência (...)”.

Alcibíades, alheio à realidade, crê que a posse física do filósofo lhe dará a posse do ideal filosófico que este encerra em sua alma, assim crendo apreender o que para seu espírito, ávido de desejo sensual, é inapreensível. O que Alcibíades é incapaz de compreender é que o amor não é um bem em si mesmo, vale pelo que tende, devendo estar sempre submetido à inteligência e à razão.

            Alcibíades não consegue compreender a virtude como conhecimento, tal qual Sócrates lhe mostrava. Nele a sophrosine (sabedoria), apenas brilhou fracamente, sem nunca incendiar sua alma. Alma pobre e sem brilho que ele desnuda tragicomicamente no Banquete, beirando ao absurdo e a ingenuidade; mostrando uma personalidade complexa, capaz de amar e odiar na mesma medida. È assim que vamos encontrá-lo ao final do Banquete, uma figura triste e sem brilho, condenada pelos defeitos de caráter e ausência de moral; mesmo a despeito de tão terna e sincera confissão: 3“... o que porém é este homem aqui, o que há de desconcertante em sua pessoa e em suas palavras, nem de perto se poderia encontrar um semelhante quer se procure entre os modernos, quer entre os antigos (...) e não só de sua pessoa como de suas palavras (...). Eis aí, senhores, o que em Sócrates eu louvo” .

            Sócrates cultivava, através da filosofia, um exercício continuado de auto-conhecimento, uma análise das próprias faltas e a tentativa de superá-las. Conhecer-se a si mesmo implica em conhecer que a alma precisa ser superior ao corpo no domínio das paixões. Em sua paidéia (pedagogia) a virtude era muito mais que a simples repressão dos desejos, ela devia levar o homem a dominar paixões e oferecer a ocasião dele manifestar o domínio de si mesmo. Pois, o homem virtuoso não é aquele que renunciou às paixões, ou que conseguiu abranda-las; o homem virtuoso é o que aprimora sua conduta e pode medir, assim, o quanto de paixão seus atos comportam, pois as paixões são movimentos e, como tais, contínuas.

            A paixão socrática une indissoluvelmente logos e eros, fala filosófica e amor se mesclam em sua composição. O Eros socrático ilumina o território do discurso direcionando o pensamento filosófico para os ideais ascéticos, onde a ética, a moral e a filosofia estabelecem estreitos laços.

            Sócrates “ensinava” que o homem deve sempre procurar encontrar em si próprio: o que é bom e justo, e reconhecer que este bem é, por sua natureza, universal. Ele deve determinar por si mesmo o objetivo de suas ações e deve chegar à verdade por um esforço pessoal. Sua paixão filosófica justificava esses ideais, pois exercia sobre os jovens uma atração benéfica, forte e viril. Sócrates era um pregador da virtude, a qual identificava ao amor. Amor tal que Alcibíades, em sua embriagues sensual, jamais soube reconhecer ou cultivar. Sócrates é o amigo leal do saber, que ama os jovens com amor filosófico, único impulso capaz de conduzir à beleza, não é apenas uma paixão passageira, presa ao imediato, ao humano, ela eleva o homem para além de si e sempre em direção a si mesmo. O amor socrático, direcionado à ordem e à medida, liberta filosoficamente, promove a sabedoria e a perfeita comunhão do espírito, onde amante e amado se tornam um único, onde Eros pode definitivamente se instalar.

            Sócrates é o herói filosófico, o amante ideal, aquele que desenvolve, através da fala, o tema do erotismo docente e libertador. É o perfeito amante e o perfeito amante é o verdadeiro filósofo no mais estrito sentido pedagógico do Eros. 4“Por isso, convém que somente o espírito do filósofo tenha asas: nele a memória, conforme sua aptidão, permanece sempre fixada nesses objetos, o que o torna semelhante a um deus” na condução da alma do contingente ao essencial e eterno.

            A sedução de Sócrates começa quando este sobrepõe o amor passional, escravisante e avassalador, tal qual o amor que Alcibíades lhe tinha, ao amor que se baseia no aprendizado e no saber. Sócrates “ensinava” que o que se ama é sempre um bem para aquele que ama e, assim, de bem em bem, se chega ao Bem incondicionado, o verdadeiro Bem, o verdadeiro amigo, tanto no sentido ético, quanto filosófico. Chega-se, assim,  ao amor celestial – Urânio, que anima o trabalho docente, que confere incomparável amplitude ao pensamento, é este amor que direciona ao plano da intelectualidade, da intelectualização da paixão.

            Sócrates, como homem temperante e senhor de si, opõe-se ao que é escravo dos prazeres. Seu objeto de prazer; a Filosofia, é o mais belo e mais nobre, pois nutre-se essencialmente da amizade, e através de uma relação dialética, afetiva-intelectual promove a união entre sujeito e verdade; é comunhão ativa que une indissoluvelmente filosofia, logos e eros que através da contemplação ultrapassa o amor sensual e conquista o essencial.

            Em Sócrates a significação profunda da atitude filosófica é a de fazer ver que o filósofo é o que está desviado do sensível para facilitar o exercício da alma, para atingir esse objetivo que é alcançar o conhecimento do verdadeiro e separar o que pertence à alma do que é do estatuto do corpo. A alma conhece segundo a verdade e esse conhecimento pode-se iniciar aqui, onde pode ser parcialmente conseguido. Aqueles que não filosofam, que não esperam outras satisfações além daquelas ocasionadas pelo poder e pelo gozo sensíveis, que se deixam arrastar pelas paixões que o corpo impõe, são como Alcibíades: não conseguem entender o ideal filosófico. Não conseguem conceber que o filósofo se impõe voluntariamente uma exigência de conhecimento que o leva a crer que ao recolher-se a si, se faz alma, ascendendo, assim, a um estatuto e a um mundo que tem por natureza não participar da degenerência que atinge certamente o que se atém ao regime corpóreo. O filósofo reconhece que é o próprio Ser que será vislumbrado quando a aprendizagem permitir à alma libertar-se de sua sujeição ao sensível.

            Através dessa paixão de Sócrates se compreende, por fim, que a vida só vale para aquele que vê através da inteligência da alma liberta das torpezas do corpo. Pois, apenas nesse estágio se atinge a visão absoluta e se pode ver o que deve ser visto e não mais sombras, pois se contemplará a autêntica beleza, anteriormente apenas vislumbrada.

“... é quando alguém nesse mundo vê beleza. Recorda-se então da beleza verdadeira; recebe asas e deseja voar para o alto; não o podendo, porém, dirige o olhar para cima esquecendo os negócios terrenos e dando, desta maneira, a impressão de delirante. De todos os entusiasmos, este é o melhor e da mais perfeita  origem; saudável para quem o possui e dele participa. Quem é atingido por este delírio ama o que é belo e chama-se amante4”. Desse modo, o amor no pensamento filosófico de Platão, necessariamente expresso por Sócrates, é muito mais que uma emoção, um sentimento, é um caminho que direciona a alma à conquista da vida eterna. Logo, falar de amor em Platão é falar em virtude, equilíbrio, sabedoria e beleza; em seu pensamento amor e ordem estão unidos, tanto no plano dialético, quanto no comtemplativo intelectual.

            A fala do amor, em Platão, é fundamentalmente mítica, o próprio amor que ele concebe é mítico, seja personificado como a própria imagem do filósofo, um ser que busca a perfeição mediando a ignorância e o saber, um daimon apolineo, o qual Sócrates encarna com perfeição; seja o aparente desequilíbrio dionisíaco, expresso na paixão enlouquecida de Alcibíades que contrasta com a calma e serenidade do amor “celestial” que impulsiona o filósofo. O amor é, em Platão, sempre um dom: 6“A maior sabedoria humana ou loucura divina que um deus pode oferecer a um mortal”.

Dalva de Fátima Fulgeri

Licenciada em Filosofia - Unisantos

 

 BIBLIOGRAFIA:

Platão, Obra Completa. Pará, U. F. P., 1973. Trad. Carlos Alberto Nunes, (Col. Amazônica).

Plutarco, Vidas Paralelas. São Paulo: Edit. das Américas, 1954.

________________________

Citações:

1-      Platão, Fedro, p. 160

2-      Platão, Banquete, p. 121

3-      Platão, Banquete, p. 52

4-      Platão Fedro, p. 154

5-      Platão Fedro, p. 154/5

6-      Platão, Fedro, p. 82

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

38. Entrevista: A grande polêmica entre Heráclito e Parmênides
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

A grande polêmica entre Heráclito e Parmênides

Lídice Chaves

Estudante do 5º semestre de Licenciatura em Filosofia na UnimesVirtual

Luiz Mendes: Bem, boa noite. Um dos nossos entrevistados do Paradigmas  de hoje é o filósofo Heráclito, uma personalidade das mais instigantes do mundo do pensamento, que lança na próxima semana um novo Epigrama, como sempre abordando as questões relativas ao Cosmos e à alma humana. Conosco também o

Leia mais...
Os limites histórico-sensório-cognitivos do conhecimento a partir de Kant e Hegel
AddThis Social Bookmark Button

Os limites histórico-sensório-cognitivos do conhecimento a partir de Kant e Hegel

Thiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 De acordo com Francis Bacon, pensador inglês do séc. XVII, os entes seriam constituídos por leis de funcionamento, conceito este equivalente à essência aristotélica e à idéia platônica. Essas leis seriam cognoscíveis, desde que o homem se libertasse de todos os elementos integrantes de sua subjetividade,

Leia mais...
37. Questões de filosofia da ciência: um panorama atual
AddThis Social Bookmark Button

Questões de filosofia da ciência: um panorama atual

Leonardo Francisco Schwinden

Professor da Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Epistemologia – UFSC

 Resenha de:

Ciência: conceitos-chave em filosofia /Steven French;

Trad.: André Klaudat. - Porto Alegre: Artmed, 2009, 196p.

Ciência: conceitos-chave em filosofia é uma introdução atualizada de filosofia da ciência escrita pelo professor Steven French com base no material utilizado por ele com os alunos do primeiro ano na Universidade de Leeds. O livro é composto de um total de 10 capítulos, relativamente curtos, embora bastante densos em termos da quantidade de teorias analisadas e aspectos considerados de cada uma. As notas ao final de cada capítulo contêm não apenas referências de obras citadas no texto,

Leia mais...
40. Entrevista com Renato Nunes Bittencourt
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Com Renato Nunes Bittencourt,

Doutor em Filosofia - UFRJ.
Especialista em Filosofia Grega Antiga, Espinosa, Schopenhauer,
Nietzsche, Marx, teoria psicanalítica e temas relacionados a
teoria da comunicação, comunicação corporativa, Moda
Consumo e crítica da cultura contemporânea

Colaboração:

Wellington Lima Amorim

 

1. Partindo do pressuposto de que o conceito de Pós-modernidade expressa um período de transição entre a Modernidade e um futuro ainda por ser construído, pode-se afirmar que a contemporaneidade é marcada pela desconstrução dos valores do sujeito e o aparecimento do conceito de pessoa, como recusa do assujeitamento do sujeito moderno?

Leia mais...
41. A viagem suicida pós-moderna
AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...