AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

A educação no mundo pós-moderno

 

Pensando na dialética hegeliana, apresentamos como tese o antigo, como antítese à realidade mais nova e como síntese o moderno, assim sendo uma das características da Modernidade é tirar a antítese da realidade, porém uma perspectiva caótica apresenta uma síntese restrita que não questiona as bases do movimento, a sua origem.

A modernidade trouxe a robotização da estrutura produtiva, e no final do século XVIII os fatos históricos contribuíram às transformações ocorridas nas diversas fases do capitalismo. No entanto, estas ações e mudanças externas à América Latina geraram o advento da modernidade. Assim, se o mundo hoje é pós-moderno e aqueles, como nós brasileiros, que nem chegaram ao moderno?

A estes países cabe a submissão, visto as diretrizes que permeiam a educação, devendo “ser a escola transmissora de uma cultura homogênea”, o que na realidade, retrata a negação das diferenças culturais, da individualidade, é a igualação que tem como pano de fundo a ideologia dominante.

Constantemente, os discursos da globalização transmitem a educação imposta pelo caráter pretensamente universal, no entanto, as dimensões discursiva e pragmática da universalidade nesta situação, apontam o mito totalitário subtraído à vista de outrem, pois o saber e a cultura que foram ao longo dos anos determinados pela classe dirigente, hoje, assumem a relação sujeito-objeto do preceito kantiano a impossibilitar a visão do todo, do real.

A nossa escola moderna fortalece a dependência econômica que reprime um sistema de educação legítimo de emancipação e autonomia, pois como defende Saviani, o Brasil não possui um sistema de educação com princípios, fins e objetivos em nível nacional e com a efetiva gestão democrática em seu mais amplo estado.

Dessa maneira, cabe ao professor politizado discernir os interesses privatistas que norteiam o ensino em dissonância com a qualidade educacional impreterível a res publica. É devido ao educador reputar a concepção de homem como um ser social e histórico, apto a se perceber como sujeito dessa história e capaz de realizar as inferências necessárias. Portanto a práxis, referida as situações que lhe conferem sentido e condicionam a sua expressão, ressalta no processo de inserção social dos educandos no mundo pós-moderno.

LEONORA PILON QUINTAS

 

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

A dialética do conceito em Theodor W. Adorno
AddThis Social Bookmark Button

 

A dialética do conceito em Theodor  W. Adorno

Apresentação: O objetivo do trabalho é refletir acerca da “dialética do conceito” em Theodor W. Adorno. Em face disso, descreve-se uma linha de raciocínio que se desdobra em dois planos. O primeiro apresenta o conceito como condição de possibilidade da tentativa humana em dominar a natureza cuja verdade lhe é desconhecida, buscando assim, conhecer tudo aquilo que lhe é oposto segundo o princípio de identidade.

Leia mais...
Entrevista com Fábio Alberti Cascino
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Fábio Alberti Cascino

Colaboração
José Sobreira de Barros Júnior

Leia mais...
A EAD e a volta da Filosofia ao Ensino Médio
AddThis Social Bookmark Button

A EAD e a volta da Filosofia ao Ensino Médio

 

A educação à distância e a volta da filosofia para o Ensino Médio: duas novidades da educação no país que ainda são muito discutidas. Para aqueles que fazem o curso de filosofia à distância ou leciona nele, torna-se ainda mais necessária tal discussão.

Leia mais...
40. Pau que nasce torto se endireita
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Pau que nasce torto se endireita

 Edson Pipoca

Por que um pensador de esquerda dá pra trás?! Bem, há a derrocada do comunismo... não, não! Parece-me algo mais palpável, sabe?! Matéria pura! Eu por exemplo tive um amigo que era o tipo de esquerda de carteirinha, quer dizer, sem carteira, já que não tinha dinheiro pra nada. Um duro!

Leia mais...
41.Ciência e pós-modernidade
AddThis Social Bookmark Button

Ciência e pós-modernidade

AS DIFICULDADES DO SABER CIENTÍFICO NAS SOCIEDADES PÓS-MODERNAS: CONCEPÇÕES E CRÍTICAS A JEAN-FRANÇOIS LYOTARD

Artur Mazzucco Fabro

Graduando em Ciências Sociais na UFSC

Jean-François Lyotard nasceu em 1924 e é considerado um dos mais brilhantes filósofos da sua geração. O francês fazia parte do grupo “Socialismo e Barbárie”, junto com Cornelius Castoriadis, e foi um ativista da guerra de independência da Argélia (1954-1962).

Leia mais...