AddThis Social Bookmark Button

Editorial

Realidade, discurso e verdade: uma questão de consenso?

         Uma das questões fundamentais no campo da filosofia diz respeito à questão da realidade. É muito interessante como por muitos séculos, essa foi uma questão de muito debate, será que o que se consegue perceber realmente existe ou é uma cópia, metafisicamente vinda de algum lugar e presente na memória? Portanto, estamos diante de uma problemática que envolve muita coisa, mas, sobretudo, a questão da verdade.

         Alguns poderão dizer: “O que eu vejo é o que é!”. Mas será que poderemos ter certeza disto, quem pode garantir mesmo que não estamos nos enganando? René Descartes, um dos mais notáveis dentre os filósofos modernos, falou que a razão é o que nos pode dar a certeza, apresentando até um método (no seu brilhante livro, “O Discurso do Método”), estabelecendo um caminho que levou o ocidente cada vez mais para a autonomia da razão humana, procurando perceber o real e, na medida do possível, debater sobre a verdade.

         Porém, existem também muitas opiniões contrárias. Os homens trazem originalmente uma dificuldade muito grande para consensos mínimos que permitam, quem sabe, enfrentar melhor o cotidiano de cada um. Ficamos assim, em mundos diferentes, porém, imersos na realidade a qual, contudo, é uma só, para todos. No fundo, é a relatividade que marca presença, tudo depende do ponto de vista, do peso ideológico de quem fala, dentre outros aspectos.

         Dessa forma, em geral, o poder da mídia torna-se muito grande, porquanto procura trazer a realidade para todos. Os últimos acontecimentos da vida política nacional e até mesmo internacional corroboram esse entendimento. Quem fala a verdade no campo internacional ou nacional, em se tratando de política, por exemplo?

         Tanto na vida política nacional e na internacional, observa-se um esgotamento, de uma certa maneira, do fazer política, de pensá-la como expressão de uma sociedade. O velho discurso iluminista da cidadania parece muito esgotado, pois fica cada vez mais claro que, na maioria dos paises Ocidentais, encontramos uma dupla cidadania, uma com o peso ideológico escorado pelo peso financeiro e ditadora de uma certa realidade; outra não consegue jamais, mesmo sendo ampla maioria, colocar em prática sua versão da realidade, ou melhor, sua leitura do real, e, portanto, o que lhe sobra são algumas migalhas. Não pensemos que este é um problema do Brasil, tão somente, mas, sim, uma problemática internacional; basta uma breve pesquisa sobre os índices de abstenções em vários paises em eleições gerais e essa situação se mostrará claramente.

         Porém, filosoficamente, há algumas esperanças... E é precisamente o crescente enfado que vai tomando conta de todos, a rejeição implícita e explícita percebidas no semblante de cada um, algumas pequenas mudanças de participação do conjunto da população mais explorada a cada eleição, enfim, as manifestações que eclodem, aos poucos, aqui e acolá.

         Essa dupla situação coloca toda a reflexão filosófica em alerta, e é natural que isso ocorra, pois se torna imperioso novamente a falar sobre a realidade e a verdade, questões que permeiam todos os discursos desde as primeiras civilizações e que, no ocidente, mereceu especial atenção de alguns dos maiores pensadores.

         O filósofo alemão Emmanuel Kant concluiu que a verdade está nas coisas. Outro alemão, Hegel, por sua vez, afirmou que “o real é racional e o racional é o real”. Daí surgem ao menos duas questões: adotando o pensamento kantiano, conclui-se que ao homem cabe o papel, no que diz respeito à verdade, de tentar conhecê-la, posto que já é dada nas coisas. Por outro lado, pensando como Hegel, então caberia ao homem o papel de estabelecer a verdade, porquanto o real, ou verdadeiro, é o que a razão do homem estabelece.  

As questões aqui colocadas são, evidentemente, apenas embrionárias, porquanto a discussão desenvolve-se muito mais agudamente, principalmente entre os filósofos contemporâneos.

Assim, fica feito, pois, o convite à reflexão sobre a realidade, a verdade e o poder do discurso, sobretudo nesses tempos em que a verdade cristalina de “ontem” não sobrevive ao “hoje” e os discursos mudam ao sabor dos hemisférios.

Agenda

2004
Cursos livres

 Do Medievo ao Renascimento

2 x  R$40,00

Ética e Justiça: a proposta de Enrique Dussel para libertação

2 x R$40,00

Filosofia da Educação:

 teorias e práticas

2 x R$40,00

As teorias de Galileu diante da Inquisição

2 x R$40,00

 

Inscrições:

Tel. (13) 3222-1949 (CEFS)

Rua Júlio Conceição, 206,

V. Mathias, Santos/SP

=========================

Expediente

Jornal Paradigmas, uma publicação do CEFS – Centro de Estudos Filosóficos de Santos

O CEFS é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo fundamental levar a Filosofia a toda a sociedade, sem qualquer discriminação, contribuindo, assim, com a formação da consciência crítica do cidadão e propiciando-lhe, por conseguinte, melhor reflexão e atuação diante da realidade de que faz parte.

Presidente

Luiz Meirelles

Vice-Presidente

Ronaldo Ronil da Silva Jr.

Conselho Editorial

Cristiane Guapo / José Sobreira Barros Jr 

Luiz Meirelles

 Jornalista Responsável

Beth Capelache

Mtb.: 2.383.802

 Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do CEFS.

 CEFS

Rua Júlio Conceição, 206

 Cep 11015-540 Santos/SP

Telefone: (13) 3222-1949

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

 Impressão

Gráfica Guarani

Rua Bittencourt,  Santos/SP

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

37. Filosofia e Ciência
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia e Ciência

Vinicius Carvalho da Silva

Mestrando em Filosofia da Ciência pela UERJ

 São numerosos os aspectos filosóficos que podemos apontar na ciência, e em nosso caso, na física propriamente dita. Em um plano paradigmático, ou seja, naquela visão que a própria ciência tem de si mesma, da natureza, e de seu próprio empreendimento,

Leia mais...
40. O realismo exemplarista
AddThis Social Bookmark Button

O realismo exemplarista:Uma breve análise da questão 46 do livro sobre oitenta e três questões diversas de Sto. Agostinho

Adriano Soler
Mestrando em Filosofia - PUCSP


O aristotelismo tenta definir a essência de uma coisa e assim, demonstrar quais características que determinada coisa deve ter de acordo com a sua natureza. Assim, surgem os aristotélicos com uma questão por demais complexa, que seria: O que é uma natureza, se ela é uma realidade superior e acima das coisas cuja natureza ela é? Ou ainda, se ela é uma construção mental que existe apenas em nosso entendimento das coisas e se assim for, em qual base ela é construída? Desta forma, se inicia o problema dos universais na filosofia medieval.

Leia mais...
Teste seus Conhecimentos - 34
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

Encontre no texto A EAD e a volta da Filosofia para o Ensino Médio a crítica a respeito das novas tecnologias e a forma com que estão sendo usadas e assinale a alternativa correta:

Leia mais...
39. A significação do Baobá na cultura africana
AddThis Social Bookmark Button

 A significação do Baobá na cultura africana e suas transmutações ideológicas pós-contato europeu.

Vanderleia Barbosa da Costa

Graduanda em Gestão de Turismo

 pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo- Campus Cubatão

O Baobá é uma árvore originária das estepes africanas e regiões semiáridas de Madagascar, seu nome científico é Adansonia digitata; pode atingir até 30 metros de altura por 7 metros de circunferência. É resistente, sobrevivendo por longos períodos de estiagem, devido à sua capacidade de armazenar água, cerca de 120 000 litros e atinge até seis mil anos de idade. Pela magnitude e força, o Baobá é para muitas etnias africanas a árvore da vida.

Leia mais...
38. As raízes histórico-filosóficas da alegoria
AddThis Social Bookmark Button

As raízes histórico-filosóficas da alegoria 

 

Julio Cesar Moreira

Mestrando em Filosofia pela PUC-SP

Este artigo é a primeira parte de um estudo tem por objetivo realizar um levantamento no estudo do tema da interpretação alegórica nas doutrinas da escola Neoplatônica. Ao estudarmos o Neoplatonismo é claramente apreensível o quão fundamental e intrínseco ao pensamento Neoplatônico é o componente da exegese alegórica, porém este tema não se tem a devida atenção no meio acadêmico.

Leia mais...