AddThis Social Bookmark Button

Pneumonia Asiática: uma visão holística dessa doença

A medicina desenvolveu uma terapêutica materialista, vendo o corpo humano exclusivamente como matéria. Pela ordem, vou assinalar os pontos em que residem os seus maiores erros, tomando como exemplo uma doença. A gripe é a mais comum das afecções, mas sua causa permanece obscura para a medicina. Há alguns anos, passou a ser atribuída ao contágio de vírus transmissíveis pelo ar ou à alergia. Do nosso ponto de vista, trata-se de uma tese pueril que não toca a raiz do problema e que, num futuro próximo, deixará de ter qualquer validade.

O corpo humano tem várias toxinas hereditárias, algumas reconhecidas pela medicina oriental - como as que causam varicela, sarampo, coqueluche etc. - e outras que essa medicina desconhece. O corpo procura expelir essas toxinas por meio de ações fisiológicas naturais. A esse processo, damos o nome de ação purificadora. As toxinas se acumulam em várias partes do corpo, mas tendem a concentrar-se nas áreas onde os nervos são mais ativos. Os nervos mais utilizados são os da parte superior do corpo, especialmente os mais próximos do cérebro. Quando o homem está acordado, ainda que os seus braços e pernas estejam em repouso, os seus olhos, ouvidos, nariz, boca e cérebro não descansam nunca. Por isso, os ombros, pescoço, gânglios linfáticos, nuca, glândulas salivares e, principalmente o cérebro, incluindo o bulbo, são as áreas de maior acumulação de toxinas. Aos poucos, as toxinas que durante o dia se acumularam nesses pontos, vão se solidificando. E quando a acumulação atinge um certo limite, inicia-se o processo de sua eliminação. Nesta ação eliminadora, devemos ver uma dádiva da Natureza, porque as toxinas solidificadas obstruem a circulação e endurecem os ombros e o pescoço, causando cefaléia, cabeça pesada, redução da acuidade visual, auditiva e olfativa, entupimento nasal, piorréia, dentes fracos, falta de ar, fraqueza nos braços e pernas, dores nas cadeiras, edemas, etc. Isto reduz a capacidade do homem de exercer as suas atividades, impedindo-o de cumprir a sua missão. Por isso, o Criador criou a maravilhosa ação purificadora a que chamam doença.

O que o homem identifica como doença são os sofrimentos decorrentes do ato de eliminação das toxinas. Mas na verdade, a doença é imprescindível para a saúde, pois é uma ação que purifica o sangue. Por isso podemos dizer que é a maior das graças divinas. Se as doenças fossem completamente suprimidas, a humanidade definharia cada vez mais e finalmente se extinguiria. Isto pode parecer contraditório, pois eu falo na criação de um mundo isento de doenças. A diferença fundamental é que quando o homem ficar livre de toxinas, a ação purificadora deixará de ser necessária, pois as doenças terão desaparecido. Chamei de ação purificadora ao processo de eliminação das toxinas solidificadas. Quando se contrai uma gripe, o primeiro sinal é a febre. A Natureza serve-se da febre para dissolver e liquefazer as toxinas, a fim de facilitar a sua excreção. Essas toxinas liquefeitas infiltram-se imediatamente nos pulmões, de um modo verdadeiramente misterioso. Isso se torna mais evidente quando estimulamos o correto funcionamento do sistema imunológico de uma pessoa e as defesas naturais do próprio organismo entram em ação. Dissolvidas, as toxinas se infiltram imediatamente nos pulmões, atravessando até mesmo músculos e ossos. Se a gripe dissolver as toxinas solidificadas de uma ou duas áreas do organismo, os sintomas serão leves.

Mas quanto maior o número de áreas, mais pesada será a purificação. É assim que um resfriado inicialmente leve pode transformar-se numa gripe muito forte. Depois de liquefeitas, as toxinas mais delgadas podem ser eliminadas imediatamente dos pulmões. As mais grossas, ali estacionam temporariamente, aguardando o bombeamento mais enérgico da tosse, para serem expelidas. A tosse expele o catarro da mesma maneira como o espirro expele o muco nasal. De modo análogo, as dores de cabeça, de garganta, a otite, amigdalite, dores nas juntas dos pés e das mãos, nas virilhas, etc. são sintomas de que as toxinas que estavam solidificadas nessas áreas se dissolveram e começaram a movimentar-se procurando uma saída, irritando, conseqüentemente, o sistema nervoso. Também aqui as toxinas liquefeitas podem ser grossas ou delgadas. As grossas se transformam em catarro, muco, diarréia, etc.; as mais delgadas são eliminadas sob forma de suor ou urina.

Assim, a ação purificadora se processa de maneira lógica e natural. Admirável técnica do Criador! Não é possível que Deus, tendo criado o homem, lhe dê sofrimentos que o atormentem e impeçam as suas atividades. O ser humano foi criado para ter sempre saúde. Com suas idéias errôneas, porém, o homem criou toxinas e as acumulou. Por isso, surgiu a necessidade de eliminá-las, ou seja, a doença. Quando se permite que a gripe siga o seu

curso natural sem opor-lhe nenhum tratamento, a purificação é perfeita e a recuperação é normal, aumentando a saúde do indivíduo. Portanto, o homem pode contrair gripes com a maior freqüência possível, porque assim poderá cortar pela raiz moléstias contagiosas como a pneumonia ou a tuberculose. Mas, estranhamente, não se sabe porquê nem quando, a humanidade interpretou a purificação ao contrário e, desde então, quando contrai uma doença, faz tudo o que pode para tolher a purificação. Encarar os sofrimentos decorrentes da purificação como indício de piora constitui um erro terrível. Temendo a febre, o homem procura baixá-la. E ao baixar a febre, interrompe a dissolução das toxinas solidificadas. A tosse e todos os outros sintomas diminuem e a doença parece ter sido curada. Mas, ao contrário, o que o tratamento médico fez, foi simplesmente tentar re-solidificar as toxinas que já haviam começado a dissolver-se. Esse é o efeito das bolsas de gelo, cataplasmas, medicações, injeções, etc. Com a total solidificação das toxinas, desaparecem os sintomas e o homem se alegra, julgando estar curado. Mal sabe ele que esses métodos supressivos ataram a mão que iria efetuar a limpeza. Isto é comprovado pelos fatos. Freqüentemente ouvimos dizer que uma gripe se complicou. Isto se deve às tentativas feitas pelo homem para impedir que o organismo se purifique. O atrito entre a purificação e a contra-purificação prolonga o processo. E mesmo quando advém a cura, a gripe não tarda a voltar. Os resultados indicam que os tratamentos médicos, através dos remédios utilizados atualmente não são meios para curar doenças. São um meio de não curá-las e prolongá-las. A verdadeira cura consiste na eliminação das toxinas e na limpeza do organismo, a fim de livrá-lo das causas das enfermidades. A verdadeira medicina é a que ajuda o organismo, quando surge uma purificação, a dissolver rapidamente a maior quantidade possível de toxinas. Esta é a única terapêutica genuína. Suprimir a purificação é como protelar uma dívida. Suponhamos que ao ser instado pelo credor, o indivíduo, em lugar de saldá-la com um pouco de sacrifício, prefira pagá-la com dinheiro emprestado a juros. Temporariamente sente-se aliviado. Mas ao vencer o prazo de pagamento, torna a endividar-se, protelando o problema por mais algum tempo. Enquanto isso os juros se acumulam, aumentando o saldo devedor. Os pedidos de pagamento são cada vez mais insistentes mas, ante o montante da dívida, torna-se quase impossível resgatá-la. Os credores, insatisfeitos, movem uma ação judicial pedindo o embargo de seus bens. Por fim, incapaz de resgatar suas dívidas, o indivíduo abre falência. O mesmo ocorre com a gripe. Se ele tivesse saldado a dívida, ainda que com dificuldades, ao receber a primeira intimação, o problema estaria solucionado. Mas quando recorre aos tratamentos medicamentosos, que se baseiam principalmente nos remédios, ele apenas encontra um alívio temporário, pois sua dívida se avulta. A cada nova protelação mais aumentam as toxinas, até que, finalmente, a cobrança é feita de uma vez. É o caso da pneumonia.

Por outro lado, o credor pode levar em consideração a solvência do devedor, cobrando a dívida gradualmente. É o caso da tuberculose.

Terapeuta Michel Kallas

Instituto de Medicina com as mãos  www.michelkallas.hpg.com.br

 

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

A EAD e a volta da Filosofia ao Ensino Médio

 

A educação à distância e a volta da filosofia para o Ensino Médio: duas novidades da educação no país que ainda são muito discutidas. Para aqueles que fazem o curso de filosofia à distância ou leciona nele, torna-se ainda mais necessária tal discussão.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Paradigmas
Filosofia, Realidade & Arte

Ano IX - Nº 35
ISSN 1980-4342

Março/Abril 2009

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Cultura "inútil"

Apesar de não percebermos, nós vivemos em um mundo em que todas as informações são atualizadas em todos os instantes, além de circularem pelo mundo inteiro em velocidades impressionantes através dos meios de comunicação mais utilizados por pessoas de todas as idades,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Os Filósofos pré-socráticos: filósofos da natureza

I – Introdução.

Até 600 a.C, aproximadamente, o homem grego utilizava a mitologia para explicar a natureza e fundamentar a própria organização sociopolítica grega. Os mitos mais antigos de que se têm registros remontam ao período Neolítico, isto é, aproximadamente 10.000 a.C.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Música: terapia social

Desde os primeiros tempos, a linguagem é o veiculo que medeia a comunicação entre o humano e o mundo. È por meio dela que se pode, minimamente, tornar inteligíveis idéias, imaginação, sentimentos e toda uma gama de experiências, que pertencem à dimensão subjetiva e singular de cada membro de uma sociedade. Num âmbito mais amplo, é ela mesma a maior expressão de uma sociedade,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

José Sobreira de Barros Júnior

 

Colaboração: Luiz Meirelles

 

1.       Como você vê o papel da filosofia na sociedade do século XXI?

 A filosofia tem um papel essencial, principalmente quando os pensadores vão refletir sobre as relações do homem e a sociedade, como é possível o Eu individual quebrar e apresentar novos paradigmas, novas estruturas sociais, penso a filosofia tendo  um papel fundamental

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

O mistério do mal

Wellington Lima Amorim
Doutor em Ciências humanas - UFSC
Mateus Ramos Cardoso
Pós-Graduado em  Filosofia - Univ. Cândido Mendes- RJ


O Mal sempre nos causa medo e espanto e nos repele de nossa própria realidade, seja ela entendida como o mundo no qual nos encontramos ou mesmo a realidade pessoal. Mas e quando somos nós que o realizamos? Será que somos capazes de descrever o Mal explicitando-o com nossas próprias palavras ou ações? O que tem o Mal a ver com Deus? O que tem o Mal a ver conosco?

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Ouro de Tolo

Raul Seixas

Eu devia estar contente
Porque eu tenho um emprego
Sou um dito cidadão respeitável
E ganho quatro mil cruzeiros
Por mês...

Leia mais...

Ofertas