AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Schiller e a estética

 “No silêncio pudico de tua mente educa a verdade vitoriosa, exterioriza-a na beleza, para que não apenas o pensamento a homenageie, mas para que também os sentidos apreendam, amorosos, a sua aparição.”

Friedrich Schiller. “A educação estética do homem”.

Observamos na obra de Friedrich Schiller: “A educação estética do homem”, o conceito de ação recíproca entre dois impulsos, onde a eficácia de cada um ao mesmo tempo funda e limita a do outro. Sendo esta relação de reciprocidade entre os dois impulsos obra da razão, algo próprio do ser humano. O impulso lúdico, onde o impulso sensível e o impulso formal atuam juntos, imporá necessidade ao espírito, libertando o ser humano. O impulso lúdico torna contingente a índole formal bem como a índole material; sendo que a contingência desaparece tendo em vista a necessidade.

O belo é forma viva, o homem deve jogar com a beleza. O impulso lúdico é um jogo. A beleza na idéia é una e indivisível, enquanto que a beleza na experiência é dupla. Do belo esperamos um efeito dissolvente e outro de tensão. Encontramos o homem real, limitado, em um estado de tensão ou em um estado de distensão, sendo estes estados suprimidos pela beleza, que produz no homem tenso a harmonia, bem como no homem distendido a energia, reconduzindo assim o homem de um estado limitado ao absoluto. A beleza suavizante, está para uma mente tensa, enquanto que a beleza enérgica está para uma mente distendida. A beleza liga os estados opostos de sensação e pensamento. O belo permite ao ser humano a passagem da sensação ao pensamento.

 Diríamos ainda que o impulso sensível precede o racional na atuação, bem como, que a sensação precede a consciência. A liberdade humana tem o seu início com a sensibilidade; no ser humano existe o grande poder da vontade. Para maior clareza, faremos menção ao texto de Schiller: “A mente é determinável apenas à medida que não está determinada de modo algum; também é determinável à medida que não é determinada por exclusão, isto é, à medida que não é limitada em sua determinação. Aquela é mera ausência de determinação (ilimitada porque sem realidade); esta é a determinabilidade estética (não tem limites porque unifica toda a realidade). A mente é determinada, em geral, tão logo seja apenas limitada; é também determinada, contudo, à medida que limita a si mesma a partir da capacidade absoluta própria. Encontra-se no primeiro caso quando sente; no segundo quando pensa. O que, portanto, o pensar é em vista da determinação, a constituição estética é em vista da determinabilidade; aquele é limitação por força interior infinita; esta é negação por plenitude interior infinita.”(2)

A estética conduz ao ilimitado. O estado estético é um todo em si mesmo. A obra de arte nos transmite serenidade, liberdade de espírito, bem como, força e energia. Diante da disposição estética do espírito, a espontaneidade da razão tem seu inicio na sensibilidade.

O homem traz em si um pouco do seu estado animal, mesmo nos mais cultos por vezes é possível encontrar vestígios desse estágio sombrio de sua natureza, bem como, no homem mais bruto, é possível encontrar vestígios da liberdade da razão. A cultura, a estética muito pode colaborar para o desenvolvimento integral do ser humano.

Observamos também em Schiller, a arte como “tecné”. A educação estética é uma busca da totalidade no sujeito. O sujeito está em constante construção. O belo natural é uma composição cósmica disponível para o sujeito. A arte é construção do sujeito. A grande obra de arte está sempre sendo revista, discutida, pede a sua reinterpretação no tempo e este não acaba com a obra de arte. O belo antecede o bem. O belo deve ser o fundamento do bem e este o fundamento da verdade. A experiência estética afeta a conduta.

 

Luís Otávio Maciel 

Mestrando em Filosofia, pela PUC-SP 

 

BIBLIOGRAFIA

1- IBRI, Ivo Assad. Kósmos Noétós: a arquitetura metafísica de Charles S. Peirce.São Paulo, ed. Perspectiva/ed.Hólon, 1.ed.,1992

2 - SCHILLER, Friedrich. A Educação Estética do Homem; numa série de cartas. São Paulo, ed. Iluminuras, 4.ed., 2002, trad. Roberto Schwarz e Márcio Suzuki.

 

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

ISSN 1980-43442

Edição 33

Janeiro/Fevereiro 2007

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A Tópica e o Positivismo Jurídico

A Tópica pode ser compreendida como a arte de argumentação mediante o uso de opiniões correntes na sociedade, com o fim de encontrar uma solução para um determinado problema. Tem sua origem desde Aristóteles, na Grécia Antiga, o qual distinguiu quatro tipos de discurso:

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Os Filósofos pré-socráticos: filósofos da natureza

I – Introdução.

Até 600 a.C, aproximadamente, o homem grego utilizava a mitologia para explicar a natureza e fundamentar a própria organização sociopolítica grega. Os mitos mais antigos de que se têm registros remontam ao período Neolítico, isto é, aproximadamente 10.000 a.C.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus

Conhecimentos

 

1. Segundo Platão, em sua busca por uma explicação racional para a criação do mundo, o cosmo foi criado por um demiurgo, sendo de natureza orgânica, viva e racional.  Ainda segundo Platão, a alma do homem é dividida em:

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

Cultura "inútil"

Apesar de não percebermos, nós vivemos em um mundo em que todas as informações são atualizadas em todos os instantes, além de circularem pelo mundo inteiro em velocidades impressionantes através dos meios de comunicação mais utilizados por pessoas de todas as idades,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XIII - n. 41

ISSN 1980 - 4342

março/abril – 2014

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Ciência e pós-modernidade

AS DIFICULDADES DO SABER CIENTÍFICO NAS SOCIEDADES PÓS-MODERNAS: CONCEPÇÕES E CRÍTICAS A JEAN-FRANÇOIS LYOTARD

Artur Mazzucco Fabro

Graduando em Ciências Sociais na UFSC

Jean-François Lyotard nasceu em 1924 e é considerado um dos mais brilhantes filósofos da sua geração. O francês fazia parte do grupo “Socialismo e Barbárie”, junto com Cornelius Castoriadis, e foi um ativista da guerra de independência da Argélia (1954-1962).

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

As raízes histórico-filosóficas da alegoria 

 

Julio Cesar Moreira

Mestrando em Filosofia pela PUC-SP

Este artigo é a primeira parte de um estudo tem por objetivo realizar um levantamento no estudo do tema da interpretação alegórica nas doutrinas da escola Neoplatônica. Ao estudarmos o Neoplatonismo é claramente apreensível o quão fundamental e intrínseco ao pensamento Neoplatônico é o componente da exegese alegórica, porém este tema não se tem a devida atenção no meio acadêmico.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Nietzsche:  transmutação do espírito, lidar com a história  

 

Tiago Pinto dos Santos

Estudante do 6º semestre de Filosofia - UNISANTOS

 

Nietzsche destaca-se na história do pensamento por ser um homem que grita sozinho e destoa no meio de uma multidão que canta em uníssono. Sua voz é estrondosa e provoca rupturas nas paredes que a cercam – as paredes da tradição. É o melhor dos mundos possíveis este no qual habitamos? É o movimento da história bom e perfeito como um deus, diante do qual nós deveríamos

Leia mais...

Ofertas