AddThis Social Bookmark Button

Matéria e Forma na Estética Musical

        A música, a partir de sua forma, constitui-se de uma sintaxe de notas musicais ordenadas em determinada disposição. É assim que a música se expressa chegando ao nosso sentido auditivo, o qual capta o som (que é o ruído que impressiona nosso ouvido) possibilitando, por conseguinte, um sentimento estético.

        Tal sintaxe é a ordem presente na música, isto é, o encadeamento de sons que se unem harmoniosa e melodicamente. Mas é um fator importante mencionar aqui que tal ordem não é necessária, pois, caso contrário, esta arte estaria comprometida a alguns pressupostos deterministas. A música é arte e, por isso, o importante é a capacidade de criação do artista, sendo que, se ela possuísse regras ou leis necessárias, esta capacidade criativa estaria condenada.

        Mas como é suscitado em nós esse sentimento estético? Seria a forma (sintaxe) em que as notas estão dispostas numa composição ou o próprio som das notas por si mesmas (semântica) que o revelam? Por exemplo, a nota “sol” revela algo para uma pessoa e a nota “lá” não. Por isso, se essa pessoa ouve uma composição em que a intenção seja “sol” (ou seja, que predomine a nota “sol”), haveria tal sentimento e em outro caso, não. Neste sentido, temos uma “contemplação” material (semântica) e não formal (sintaxe).

        Na semântica musical, a expressão das notas se dá, principalmente, no que concerne aos instrumentos musicais. Ao tocar um “fá” no piano, é claro que esse mesmo “fá” tocado num violino será materialmente diferente. No entanto, se ouvimos a “9ª Sinfonia” de Beethoven numa orquestra sinfônica e a mesma sinfonia num conjunto de jazz, mesmo que haja outro arranjo, outros tons, bem como outros instrumentos, será a mesma sinfonia, ou seja, sua forma (sintaxe) mantém-se inalterada. Contudo, no que concerne à matéria, tem-se outras notas e, claro, outros instrumentos e, portanto, outra sonoridade. Mas apesar de todos esses aspectos que diferenciam o modo de execução de uma mesma sinfonia, não a confundimos com outras, sabemos que é a mesma “9ª Sinfonia” de Beethoven.

        Desse modo, a possibilidade do sentimento (bem como do prazer) estético se dá através da matéria e da forma da composição artística (nesse caso, uma obra musical). Considerando a música como a arte de combinar sons de maneira agradável ao ouvido, é preciso, para se compor uma obra musical, uma sensibilidade auditiva que estabeleça uma harmonia materialmente satisfatória. Para tanto, é necessário que o artista estabeleça uma relação com a matéria e não apenas com a forma da música, pois uma união apenas formal entre as notas pode não atingir a esperada combinação. Assim sendo, podemos dizer que a forma artística se efetiva “a posteriori”: somente após a experiência sensível da matéria (a agradável combinação dos sons ao ouvido)  é que podemos criar a estrutura formal da obra musical. É possível ainda dizer que quando ouvimos a composição (a união da matéria e da forma), sentimos ou percebemos a ordem (sintaxe) a partir da combinação material das notas musicais (semântica) estabelecidas pelo artista.

        Observando a história da música, constatamos que as mudanças ocorridas ao longo do tempo referem-se à matéria e à forma, isto é, mudanças nas construções harmônicas e melódicas, bem como nos instrumentos musicais (timbres) e nos efeitos sonoros (como o eco). Na Idade Média freqüentemente encontramos composições com intervalos de terças e sextas (característica formal). No período clássico, o cravo é substituído pelo piano, o que caracteriza uma mudança material nas obras musicais. Atualmente, temos um número muito maior de instrumentos musicais, bem como de recursos de efeitos sonoros, o que implica na diversidade dos muitos estilos musicais. A pluralidade da estrutura formal, com dissonâncias e improvisações, também é contribuinte para o alargamento desse leque de estilos.

        Mas o sentimento estético nos é suscitado, primeiramente, pela matéria ou pela forma da obra? É interessante citar Platão que, no livro III da República, diz que os modos harmônicos determinam certos sentimentos, tal como a coragem. Isso quer dizer que os intervalos de certas notas (formador dos modos), ou seja, a forma, causam alguns sentimentos. Benedito Nunes, em Introdução à filosofia da arte, diz: “Platão relaciona determinados modos harmônicos com determinados sentimentos e qualifica os ritmos pela escala moral das atitudes. Há ritmos que imitam a baixeza e o desregramento, existem harmonias patéticas, melancólicas e lânguidas, como há as entusiásticas, energéticas e marciais. (...) a forma das combinações de sons corresponderia à forma característica do entusiasmo, da tristeza, da melancolia, etc..[i]

        Novamente Benedito Nunes, ao analisar a matéria segundo Gilo Dorfles, ressalta que: “A matéria lhe opõe resistência, mas no sentido dialético: ao mesmo tempo dificultando e possibilitando a expressão. O artista necessita dominá-la para exprimir-se e só se exprime na medida em que a domina. Ela é, na verdade, meio expressivo, possuindo, como tal, valor maiêutico.[ii] E citando também, Suzanne Langer nos aponta que: “... o formal em arte não é uma estrutura vazia, abstrata, onde vem residir um conteúdo concreto.”[iii]

        Apesar da forma possuir grande importância em suscitar o sentimento estético, a matéria mediante a qual ela é expressa também é ponto fundamental. A matéria condiz aos meios de execução da forma (notas, timbres, instrumentos musicais - a troca do cravo pelo piano na época clássica, por exemplo). Mas fica difícil aferir qual dos elementos (matéria ou forma) é primeiramente percebido pelo nosso sentido propiciando o sentimento estético. Ao escutarmos uma música com notas graves, tais notas podem nos suscitar um sentimento antes mesmo de percebermos sua forma (harmonia). O simples fato das notas serem graves nos suscita algo. O mesmo acontece com a forma: não importa qual o timbre ou a tonalidade, mas, sim, a disposição intervalar das notas na música.   

        No âmbito da Estética, as questões referentes à matéria e forma encontram-se discutidas em duas correntes: o conteudismo e o formalismo. A primeira aponta a forma como um revestimento de uma idéia. A segunda condiz à “afirmação da auto-suficiência estética da forma.”[iv] Para esta última corrente, a forma possui um efeito imediato sobre a sensibilidade e, por isso, se sobressai à matéria.

        É nesse sentido que concluímos que a apreciação estética que nos conduz a gostar de determinada música ou estilo musical se realiza, principalmente, através da forma (sintaxe) pela qual ela é construída. As notas musicais ou os instrumentos em que elas são executadas são os meios necessários através dos quais percebemos sensivelmente essa construção artística. No entanto, seria uma pretensão apontar apenas a forma como causa do sentimento estético na música,  é o encontro de ambas, matéria e forma, que permite uma apreciação estética da obra musical.        

                                  

Vanice Ribeiro

Bacharel em Filosofia/Unisantos



[i]Benedito NUNES, Introdução à filosofia da arte, p. 39.

[ii]Ibidem, p. 76, 77.

[iii]Ibidem, p. 78.

[iv]Ibidem, p. 78.

 

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Kant: possibilidades e limites da ciência

O porquê de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência, com base nas Seções de IV a VI da Introdução da Crítica da Razão Pura de Kant.

José Antonio Zago
Mestre em Filosofia da Educação UNIMEP

O objetivo deste trabalho é apresentar uma dissertação com base na leitura das Seções de IV a VI da Introdução da obra Crítica da Razão Pura, demonstrando o porquê, para Kant, de a crítica da razão pura conduzir, necessariamente, à ciência.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Poesia, linguagem e habitar em Heidegger

 Siloe Cristina do Nascimento Erculino

Mestranda em Filosofia -  UFES

Heidegger (1889-1976), filósofo alemão, desenvolveu em seus trabalhos “a questão do sentido do ser” , segundo ele, foi esquecido pela metafísica.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Paradigmas

Ano X - Nº 37
Filosofia, Realidade & Arte
ISSN 1980-4342

Setembro/outubro 2011

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A Interpretação de Hannah Arendt da proairesis aristotélica

 Adriano Martins Soler

Mestrando em Filosofia - PUCSP

Introdução

O presente artigo trata de uma releitura do texto exposto na primeira parte do Capítulo 2 – A descoberta do homem interior – do Volume 2 – O Querer (A vontade) – da obra A Vida do Espírito de Hannah Arendt. Depois do Pensar, é o Querer que é solicitado, para confiar o segredo antropológico da aberração que, certo destino histórico da modernidade, demonstrou através de uma nova crítica do juízo. Desta vez, Arendt vai em busca de uma genealogia das teorias da vontade - da proairesis antiga até Nietzsche e Heidegger, passando pelo pensamento medieval.

Leia mais...

Ofertas