AddThis Social Bookmark Button

Editorial

Televisão: Informação ou Desinformação?

Quando a televisão apareceu aqui no Brasil, foi um sucesso! Logo, os mais apressados decretaram o fim do rádio! Nas propagandas de revistas dos anos quarenta, era comum a família reunida ao redor do rádio escutando programas. Mas o quadro foi alterado com a tal telinha que transmitia imagens ao vivo. No início, porém, o acesso foi difícil, pois nossa pouca industrialização não permitia uma massiva implantação do produto da novidade comunicativa.

Foi nos países industrializados que as mudanças logo foram sentidas e os aperfeiçoamentos também, para o mal e para o bem (se isso é possível). Herbert Marcuse, filósofo alemão contemporâneo, exilado nos Estados Unidos desde o período da II guerra mundial, foi um dos primeiros a refletir criticamente sobre a nova forma de comunicação de massa e a sua sintonia com a exploração capitalista. A “cultura de massa’’ encontrara um novo veiculo de transmissão, com uma sofisticada linguagem e também com um aparato técnico-ideológico perfeito”.

Ao final dos anos cinqüenta, no mundo industrializado, tivemos as primeiras transmissões via satélite, e no começo dos sessenta, encontramos as transmissões coloridas. É famoso o debate entre Kenedy e Nixon, em que o primeiro soube explorar a sua imagem na TV, e, numa votação apertada, venceu a eleição. Abria-se, assim, mais uma faceta para a famosa telinha, a estrutura política.

E no Brasil? Bem, nos anos cinqüenta, sabemos, começa o processo de industrialização dependente do governo Juscelino, e embarcamos na telinha, que, mais acessível às camadas médias urbanas, aos poucos foi tomando o seu papel no cotidiano da população. Um dos primeiros sintomas que ocorre por aqui é a saída do povo da rua, que perde para a tv. O ponto de encontro foi transformado, o público tornou-se cada vez mais privado.

Nos anos sessenta, eclode a chamada “redentora”, a ditadura militar. São anos duros para o livre pensar. Porém, na tela, o Brasil “oficial” desfila ao lado de festivais de musicas, enlatados, luta-livre, circo do Arrelia e dos esportes em geral. A televisão sofre um terrível controle da censura, principalmente depois do AI-5, e no início dos setenta, a estatal Embratel torna possíveis as comunicações via satélite, surgem os programas, agora, em redes nacionais. Em 1970, a copa do Mundo é transmitida diretamente do México, e a manipulação ditatorial é total, é a época do “pra frente Brasil...”

A televisão não acaba com o rádio (este é sempre mais rápido no informar e no analisar), porém, aos poucos,  firma-se como um veículo de comunicação de massa, e, ao mesmo tempo, um dos fatores da idéia de “mundo global ou aldeia global”. Portanto, fomos “globalizados” primeiro pela tv.Com o fim da ditadura militar, não existe a democracia comunicativa (longe disso, os canais de tv são exclusividades de alguns grupos ou de estruturas oligárquicas,  que não abrem mão dessa estrutura de comunicação); porém, tecnicamente, nossa tv sofisticou-se, exporta programas e novelas.

Na última década, dois novos fatores tornaram possíveis mudanças na questão televisiva. Em primeiro lugar temos o advento dos canais pagos, ou tv por assinatura. As técnicas sofisticadas e a necessidade de lucro fazem parte da população, com poder econômico de compra, alvo dessas companhias. Outro fator foi o barateamento do computador. Paulatinamente a audiência das tvs abertas vem sofrendo uma queda. Na estrutura sociológica, isto pouco mudou o que vinha ocorrendo desde o inicio dos anos sessenta em nosso país; a tv não é um bem que aprofunda as relações, pelo contrário, isola pais e filhos à sua frente.

Aspecto agravante deste quadro é o que vem ocorrendo nos últimos meses, com o surgimento do reality show, isto é, o confinamento de pessoas em uma casa, com todos assistindo suas aventuras e, também, desventuras. A fama rápida, a falta de conteúdo, bem pós-modernos, toma o dia-a-dia das pessoas. Programas como Big Brother e Casa dos Artistas tornam-se coqueluches nacionais. O “artístico” está cedendo lugar para quem? A pasteurização das tvs abertas torna-se cada vez mais visível. Estaria a tv imitando a linguagem do computador (seu mais direto concorrente)? Poderia ser uma resposta, porém o destino é trágico em todos os sentidos. O que estes programas fazem é desqualificar o pouco de vida inteligente que existia em alguns programas. Por outro lado, o afastamento do espetáculo, fator necessário para a reflexão, como, por exemplo, das “naturalistas” novelas, onde, apesar de tudo, algo de nossa realidade podia ser encontrado, como defendia Bertold Brechet, aos poucos vai perdendo campo para a banalização do cotidiano. E assim a telinha vai tornando-se não só vulgar (quer pela sua violência, pelos programas de exploração de um verdadeiro “mundo cão”, quer pela violência ideológica anunciada em cada fato noticiado), como, também, cada vez mais excludente de qualidade. Isso nos lembra, oportunamente,  o quanto de razão tinha Theodor W. Adorno, falecido em 1969, ao afirmar que os meios de comunicação de massa não informam, mas, sim, desinformam, e, sob o pretexto de dar liberdade, aniquilam a autonomia do homem.

Agenda

III Curso de História da Filosofia

 Módulo I – Introdução à Filosofia Antiga

Horário: sábados, das 16 às 18 horas.

Preço: R$15,00 (sócios) e

R$30,00 (não sócios)

Início: 11. 05. 2002

Os cursos incluem apostila gratuita

Participe!

Grupo de Estudos  (apenas para sócios)

I – O Encobrimento do Outro: 1492

Coordenação: Luiz Meirelles

Início: 11.05.2002.

II –A questão da verdade na filosofia

Coordenação: José Sobreira de Barros Jr.

Início: 11.05.2002

 

Incrições:

Tel. (13) 3252-3319


 

 

Expediente

Jornal Paradigmas, uma publicação do CEFS – Centro de Estudos Filosóficos de Santos

O CEFS é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo fundamental levar a Filosofia a toda a sociedade, sem qualquer discriminação, contribuindo, assim, com a formação da consciência crítica do cidadão e propiciando-lhe, por conseguinte, melhor reflexão e atuação diante da realidade de que faz parte.

Presidente

Luiz Meirelles

Vice-Presidente

Ronaldo Ronil da Silva Jr.

Conselho Editorial

Cristiane Guapo / José Sobreira Barros Jr 

Luiz Meirelles

 

Jornalista Responsável

Beth Capelache

Mtb.: 2.383.802

 

Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do CEFS.

 

CEFS

Rua Brás Cubas, 125, casa 01, Centro  Cep 11013-161 Santos/SP

Telefone: (13) 3252-3319

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Tiragem: 1.000 exemplares.

Impressão

CEGRAF Gráfica e Editora Ltda

Tel. 3234-5170 -  3234-5136

Dicas

Internet:http://www.humanas.ufpr.br/defi/tragedia/pique.htm.  site com texto integral, incluindo imagens, do curso “A Tragédia grega”, ministrado na Universidade Federal do Paraná, pelo Professor Jorge Ferro Piqué.

 

Filme: Uma Mente Brilhante. Aos 21 anos, John Nash formulou um teorema provando sua genialidade. Nove anos depois foi diagnosticado como esquizofrênico. Depois de enfrentar batalhas pessoais, consegue ganhar o prémio Nobel.

Leitura: Adorno/Horkheimer e a Dialética do Esclarecimento. Rodrigo Duarte. Jorge Zahar Editores. 'A Dialética do Esclarecimento', escrito em 1947, é obra de incrível profundidade filosófica e enorme atualidade. O autor discute as principais idéias desse clássico, buscando estimular a curiosidade do leitor e aproximá-lo do pensamento de Adorno e Horkheimer.

Home      Capa

Ofertas