AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

 

Desabafo

 

Abram as portas do mundo

Que eu quero falar,

A estátua da liberdade

Precisa me escutar

 

A terra é uma barriga

Que tudo gerou,

O sol é a luz

Do dedo divino

Que para terra apontou

 

E com toda essa luz

Ninguém está enxergando

Que o mundo, a miséria

Vem abraçando.

 

Os magnatas da terra

São deuses iludidos,

Que um dia por ela

Serão engolidos.

 

As riquezas da vida trazem muita emoção,

Mas podem servir de estorvo

Na próxima geração.

 

Abram as portas do mundo

Que eu quero falar!

 

João Monteiro

Poesia 2, Mongaguá/SP.

 

Home      Capa

  • leiamais

Leia também outros artigos

Espaço-Poesia 37
AddThis Social Bookmark Button

 

Espaço-Poesia

 

Título: A casa do Poeta

 

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...
Espaço-Poesia 34
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

 Título: A casa do Poeta

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...
Espaço-Poesia
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Quem morre?

Leia mais...
Heidegger e a Poesia
AddThis Social Bookmark Button

 Por que Heidegger e a Poesia?

 1. Heidegger e a Poesia

 1.1. Visão panorâmica

 A pergunta fundamental da filosofia de Heidegger é aquela sobre o sentido do Ser. Assim, a questão maior não é o homem, mas o Ser em ser conjunto. Ele é que torna possível a abertura para a compreensão da existência humana,

Leia mais...
Os Filósofos pré-socráticos: filósofos da natureza
AddThis Social Bookmark Button

Os Filósofos pré-socráticos: filósofos da natureza

I – Introdução.

Até 600 a.C, aproximadamente, o homem grego utilizava a mitologia para explicar a natureza e fundamentar a própria organização sociopolítica grega. Os mitos mais antigos de que se têm registros remontam ao período Neolítico, isto é, aproximadamente 10.000 a.C.

Leia mais...