AddThis Social Bookmark Button

O Problema da natureza do espaço em Kant

A presente reflexão, além de explicitar o problema da natureza do espaço em Kant, pretende demonstrar que a concepção espacial defendida na Crítica da razão pura é fruto de uma evolução que ocorreu concomitante ao desenvolvimento do pensamento kantiano.

            O problema de Kant sobre a natureza do espaço perpassa toda a produção acadêmica até atingir sua concepção definitiva na  obra supracitada. Nela, o filósofo de Königsberg concebe o espaço como forma  a priori  da sensibilidade, representação necessária que fundamenta todas as intuições externas.

            A reflexão kantiana sobre o espaço é específica do seu tempo, circunscrita em um contexto de intensas discussões filosóficas para saber se o espaço é a condição da possibilidade da existência das coisas espaciais ou se é a conseqüência da relação entre as coisas espaciais, dito de forma mais clara, é uma discussão sobre a concepção de espaço absoluto e relativo.

            O problema do espaço é abordado por Kant desde o seu primeiro escrito. Na dissertação de 1746, intitulada Pensamento sobre a verdadeira estimação das forças vivas, defende a tese da precedência das coisas espaciais sobre o espaço, mais tarde, realiza uma inversão axiológica aderindo à concepção oposta de que o espaço precede às coisas espaciais. Nessa obra, como o próprio título sugere, Kant busca a correta estimação das forças adentrando na polêmica entre cartesianos e leibnizianos. Apesar desta dissertação  ao se referir diretamente ao problema da natureza do espaço, Kant, ao falar da forças que cada substância possuir para estabelecer relações fora de si, é obrigado a referir-se ao espaço.

A existência do espaço e da extensão depende, necessariamente das forças que as substâncias possuem para estabelecer relações fora de si, e mais, sem força não haveria enlace, sem enlace não haveria ordem, e, por fim, sem ordem, não haveria espaço. Nessa perspectiva, o espaço é concebido como um sistema de relações entre as coisas espaciais que estabelecem relações fora de si, impulsionadas por suas forças, em outras palavras, a estrutura do espaço dependerá da lei que regula as forças próprias de cada coisa espacial.

Na Monadologia Física, Kant enfrenta o problema da divisibilidade infinita do espaço e a não divisibilidade das substâncias simples, realizando uma tentativa para conciliar duas formas de saber antagônicas: a metafísica leibiniziana e a física newtoniana.

A metafísica leibniziana sustentava a existência de substâncias simples, desprovidas de qualquer composição, ou seja, substâncias que não são divisíveis, pois a divisão dessas partes simples implicaria necessariamente na perda de sua unidade constitucional.

Ao contrário da metafísica leibniziana, a física newtoniana sustentava a infinita divisibilidade do espaço geométrico e sua identidade com o espaço físico, negando, assim, a autonomia das substâncias.

A identidade entre espaço físico e geométrico faz derivar uma conseqüência incompatível para a metafísica lebiniziana se o espaço geométrico é divisível ao infinito e idêntico ao espaço físico, o qual também será divisível ao infinito e conseqüentemente, a divisibilidade do espaço físico ao infinito implicará na divisibilidade infinita das cosias espaciais, ou seja, para a geometria a matéria é inseparável do espaço que ocupa e a divisão do espaço implica na divisão dos corpos espaciais que ocupam o espaço.

A metafísica pode admitir a infinita divisibilidade do espaço, mas não pode admitir a divisibilidade infinita das substâncias, pois a divisibilidade infinita de partes simples é incompatível com a unidade constitucional de cada substância. O problema entre filosofia transcendental e geometria pode ser resumido da seguinte maneira: o que é divisível ao infinito não pode ser constituído por partes simples, colocando o problema de outra forma, o que é divisível ao infinito não pode ser constituído por partes indivisíveis.

Ambas as teses possuem uma incompatibilidade interna que as anulam. Porém, Kant e sente capaz de resolver essa contradição sem sacrificar nenhuma das posições, isto é, sem sacrificar a divisibilidade infinita do espaço  sustentada pela geometria e a não divisibilidade das substâncias simples como exigia a metafísica.

Segundo Kant, o principal impedimento que levava a metafísica de Leibniz a não aceitar a identidade entre espaços físico e geométrico, sustentada pela física newtoniana, consistia no postulado de que toda divisão do espaço implica necessariamente na divisão do corpo que o ocupa.

            Para Kant, é possível a conciliação entre metafísica e geometria, pois a tese da infinita divisibilidade do espaço e a não divisibilidade das substâncias que o ocupam é perfeitamente compatível. A solução kantiana do problema foi a postulação de que a divisibilidade do espaço físico ao infinito não implica na divisibilidade das substâncias simples.

O que possibilita a conciliação kantiana das posições antagônicas entre a metafísica leibniziana e a física newtoniana é justamente a sua concepção espacial defendida em 1746 na dissertação sobre as forças vivas e retomada na Monadologia Física

Para Kant, o espaço não uma substância, mas, sim, o fenômeno da ação dinâmica de uma substância sobre outra, e sua divisão ao infinito não implica na corruptibilidade da unidade constitucional dos corpos simples.

Em última instância, o problema existente entre os seguidores de Leibniz e de Newton e que também será o problema kantiano, diz respeito à natureza do espaço_ trata-se de saber se o espaço precede as coisas especiais ou se as coisas espaciais precedem o espaço. Na juventude, como já enfatizamos, Kant adere à concepção que afirma a precedência das coisas espaciais; mais tarde, assume a posição contrária.

Da relação entre espaço e as coisas espaciais depreendem-se duas conseqüências que caracterizam o problema e apresentam sua estrutura interna: a) se o espaço precede as coisas espaciais, o espaço constitui a condição da possibilidade da existência dessas coisas; b) se as coisas espaciais precedem o espaço podendo determinar seu ser independentemente de qualquer realidade absoluta, fora de suas relações, as coisas espaciais são a condição da possibilidade do espaço.

Na primeira conseqüência, o espaço é concebido como absoluto, uma instância que precede as coisas espaciais e determina o seu ser. O espaço absoluto, sendo a condição da possibilidade da existência das coisas espaciais, é distinto das mesmas e, conseqüentemente, pode existir independentemente delas. Na segunda conseqüência, o espaço é concebido como relativo, ou seja, o espaço é a conseqüência da relação entre as coisas espaciais. Nessa perspectiva, o espaço somente pode existir mediante a preexistência das substâncias que estabelecem relações, constituindo o espaço.

Dessas duas conseqüências originam-se as concepções leibniziana e newtoniana de espaço absoluto e relativo, ambos concordam que o espaço físico se distingue das coisas espaciais, porém divergem sobre sua natureza.

Os partidários de Leibniz, possuindo interesses metafísicos, defendem a teste do espaço relativo, posterior às coisas que o ocupam e a não identidade entre o espaço físico e o geométrico. Já os partidários de Newton, possuindo interesses físicos, defendem a tese do espaço real, absoluto, condição da existência dos corpos e a identidade dos espaços físico e geométrico.

O problema kantiano sobre a natureza do espaço coloca-se em estreita conexão tanto com a concepção espacial dos leibnizianos como a dos newtonianos.

O espaço concebido como um sistema de relações é defendido por Kant até a publicação do opúsculo de 1768, intitulado Acerca do primeiro fundamento da diferença das regiões do espaço.  Nessa obra, o filósofo sustenta a tese de que sem referência ao espaço absoluto não é possível explicar a existência de contrapartidas incongruentes.

O filósofo de Königsberg, defendendo a tese da precedência ontológica do espaço sobre as coisas espaciais, aproxima-se da concepção newtoniana do espaço absoluto, mas rejeita o seu caráter conceitual. Nesse sentido, apesar de o espaço absoluto possuir características realistas, aproxima-se da concepção de espaço defendida na Dissertação de 1770 e na Crítica da razão pura.

Portanto, o problema kantiano sobre a natureza do espaço constitui uma grande discussão filosófica para saber se o espaço é a condição da possibilidade da existência das coisas espaciais ou se é a conseqüência de sua relação, desenvolvendo-se em estreita conexão com a concepção espacial de Leibiz e Newton, até ser concebido como forma  a priori da sensibilidade.

Luciano Rosset

Mestrando em Filosofia-PUC/SP

 

Bibliografia:

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Lisboa: fund. Calouste Gulbenkin, 1985.

–––––––––––––– La Monadologie physique (1756). In: Quelques opuscules précritiques.  Paris: Bibliothèque des Textes Philosophiques, 1970.

PRADO, Lúcio Lourenço. Monadologia e espaço relativo – o jovem Kant recepcionando Leibniz. São Paulo.EDUC/FAPESP, 2000. (Col. Hipótese).

TORRETTI, Roberto. Manuel Kant – Estúdio sobre los fondamentos de la filosofia critica. 2ª ed. Buenos Aires: Editorial Charcas, 1980.

Mestrando em Filosofia –PUC/SP

 Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Artefato Cultural

 

Este e outros textos podem ser lidos em www.artefatocultural.com.br

Carta de Mário de Andrade para Manuel Bandeira

São Paulo, 18 de abril de 1925.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Os Filósofos pré-socráticos: filósofos da natureza

I – Introdução.

Até 600 a.C, aproximadamente, o homem grego utilizava a mitologia para explicar a natureza e fundamentar a própria organização sociopolítica grega. Os mitos mais antigos de que se têm registros remontam ao período Neolítico, isto é, aproximadamente 10.000 a.C.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Esboço sobre a questão epistemológica e a Filosofia da Educação

José Sobreira de Barros Júnior
Mestre em Filosofia - PUCSP

Todos nós na Educação sempre imaginamos algumas situações que, de uma maneira ou de outra, vivenciamos ao longo do nosso trabalho cotidiano; muitas vezes, um fato ou outro nos chama a atenção e nos leva a um processo de reflexão.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Relação entre fato e proposição em Wittgenstein

As investigações desenvolvidas por Wittgenstein no Tractatus levou-o a postular uma profunda mudança na teoria do conhecimento. Wittgenstein, diferentemente de Kant, vê o mundo como uma totalidade de fatos e não de coisas. Desta forma, fundamental para o homem é perceber que os limites do seu mundo fundam-se nos limites do dizível. 

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Paradigmas
Filosofia, Realidade & Arte

Ano IX - Nº 35
ISSN 1980-4342

Março/Abril 2009

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XII - n. 39

ISSN 1980 - 4342

Julho/Agosto – 2012

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

 

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XII - n. 39

ISSN 1980 - 4342

Janeiro/fevereiro - 2012

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

 

Espaço-Poesia

 

Título: A casa do Poeta

 

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

A grande polêmica entre Heráclito e Parmênides

Lídice Chaves

Estudante do 5º semestre de Licenciatura em Filosofia na UnimesVirtual

Luiz Mendes: Bem, boa noite. Um dos nossos entrevistados do Paradigmas  de hoje é o filósofo Heráclito, uma personalidade das mais instigantes do mundo do pensamento, que lança na próxima semana um novo Epigrama, como sempre abordando as questões relativas ao Cosmos e à alma humana. Conosco também o

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Filosofar pra quê?

Edson Pipoca

blogdopipoca.wordpress.com

 

 As pessoas dizem: “Filosofia é muito chata!” E é mesmo! Daqui imagino 10 coisas legais que poderíamos fazer em lugar de Filosofar. Ficar no facebook postando filosofia de beira de estrada; arrumar uma gata e... bem ... e ter filhos... e pagar pensão, e... ficar filosofando sobre e se eu tivesse usado camisinha? Bem, talvez não sejam 10, mas o troço é de pirar o cabeção mesmo. 

Leia mais...

Ofertas