AddThis Social Bookmark Button

Coluna do Leitor

 

Uma leitura da crítica de Newton Duarte ao Relatório para a UNESCO da comissão Internacional sobre Educação para o Século XXI e aos PCNs

Na análise do autor, o sistema aponta a educação como esfera responsável pelo desenvolvimento da capacidade produtiva e pela competitividade da economia nacional, responsabilizando-a pelo que ela, sozinha, não é responsável.

Nesse contexto, os pressupostos pedagógicos não representam uma preocupação com o desenvolvimento e a aprendizagem dos educandos, mas exprimem a garantia de sobrevivência do capital e taxas de lucro, por meio de um ideário que oculta a despolitização dos indivíduos.

Também se apresenta no texto uma proposta educacional que hoje se propõe a formar cidadãos críticos, tomando-se por base a realidade social bem demarcada. Menciona as desigualdades sociais produzidas por esta sociedade. No entanto o faz evitando situações que coloquem em dúvida os valores que esta sociedade materializa. Assim, aponta para uma situação de conivência e não de consciência social.

 Nesta sociedade, o indivíduo é preparado para “aprender a aprender”. Dessa maneira, deve estar sempre apto a adaptar-se às constantes mudanças geradas pelo sistema econômico global, que reduz o sucesso do indivíduo apenas à sua própria capacidade.

O “aprender a aprender” é delineado por um construtivismo eclético limitado a equilibrar as diferentes concepções pedagógicas que norteiam a educação no Brasil.

Sob esse ponto de vista, formar um indivíduo crítico de forma que possa analisar para poder transformar a realidade que o cerca é utópico. Afinal, este indivíduo tem a preocupação, primeira, de se manter estável no mundo do trabalho o lhe consome muito a maior parte de seu tempo. Além disso, o homem também não vê a necessidade de transformar, pois a realidade preserva as aparências que são constantemente adaptáveis à nossa sociedade.

Assim sendo, a educação é fragmentada por não permitir a visão do todo. Ao aluno não lhe é permitido fazer a real leitura do mundo em está inserido.

Leonora Pilon Quintas

Pedagogia – Fac. Integração

 

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Totalidade e ética: questões para se pensar a vida e o encontro humano

Sandro Cozza Sayão

Doutor em Filosofia – PUCRS; Mestre em Filosofia – PUCRS

Mestre em Educação Ambiental – FURG; Professor Departamento de Filosofia da Universidade Federal de Pernambuco; Professor do Programa de Pós Graduação Mestrado/UFPE; Membro da Comissão de Direitos Humanos Dom Helder Câmara; Membro do Núcleo de Ciência e Cultura de Paz da UFPE

 

Não há dúvida que nosso tempo é singular e porque não dizer frágil. A esperança de um mundo mais digno e ético e a idealização de uma sociedade mais justa baseada no progresso científico, econômico e tecnológico, não mais se sustentam e isso nos leva a um interim,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

Alexandre Rojas de Lima sobre a Psicoestratégia

Colaboração

Luiz Meirelles

1- A Psicologia, até o seculo XIX, era uma disciplina da Filosofia. No século XX, ganhou corpo próprio e até um certo afastamento. Atualmente, é notório entre os profissionais da Psicologia a busca da fundamentação filosófica. Em sua prática profissional você considera as várias correntes filosóficas ou se alia a alguma específica?

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia com Pipoca

Pau que nasce torto se endireita

 Edson Pipoca

Por que um pensador de esquerda dá pra trás?! Bem, há a derrocada do comunismo... não, não! Parece-me algo mais palpável, sabe?! Matéria pura! Eu por exemplo tive um amigo que era o tipo de esquerda de carteirinha, quer dizer, sem carteira, já que não tinha dinheiro pra nada. Um duro!

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Filosofia e Ciência

Vinicius Carvalho da Silva

Mestrando em Filosofia da Ciência pela UERJ

 São numerosos os aspectos filosóficos que podemos apontar na ciência, e em nosso caso, na física propriamente dita. Em um plano paradigmático, ou seja, naquela visão que a própria ciência tem de si mesma, da natureza, e de seu próprio empreendimento,

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A viagem suicida pós-moderna

A solidão como saída

Mateus Ramos Cardoso

Especialista em Ética pela Finon

                  Nosso modo de viver moderno é caracterizado pelo desenvolvimento cada vez mais rápido no qual a tecnologia a cada dia supera a si mesma. 

Leia mais...