AddThis Social Bookmark Button

Editorial

O silêncio e a guerra: um paradoxo.

O mundo está em guerra, ela é presente, neste momento está sendo travada. Porém, ocorre um paradoxo: um dos marcos da história contemporânea é a visibilidade, desde o advento da fotografia, passando pelo cinema e o desenvolvimento da fonografia, o homem moderno tudo registra.

É possivel registrar o nascimento e a evolução das várias fases da vida de uma pessoa em todos os sentidos, desde as primeiras falas até os últimos passos.

Com o desenvolvimento da tecnologia e a informática, a velocidade  da informação e a troca de registros aceleraram-se. Por exemplo, na Internet, a noticia é instantânea.

As comunicações via satélite mais do que nunca tornaram possível a idéia de “aldeia-global”, encurtaram o mundo e dão outra noção da idéia de tempo.

Historicamente, é interessante consultar os jornais do início do séc. XX ou XIX; em geral a expressão “notícias desencontradas” ou “informações não claras ainda” são termos comuns nas análises dos grandes acontecimentos. Basta ver que a notícia da independência do Brasil só chegou ao Norte do país, na região da Amazônia, um ano depois!

Hoje, o instantâneo da informação é um fato concreto, não importa o lugar, a distância ou as dificuldades do terreno, surgem na tela, quer seja de um televisor, um computador ou de um celular.

Essa dinâmica, mais do que nunca, influencia as pessoas, obrigando os homens a uma reconstrução ou releitura da Ética. Não é sem motivos que a cadeira de Ética está presente, hoje, em vários cursos universitários e mesmo nos de nível médio e de educação infantil.

Assim, a Ética está na ordem do dia. Porém, vejamos a contradição: apesar de toda parafernália comunicativa, sabemos muito pouco sobre a atual guerra, seus efeitos e seus resultados. Existe uma caçada e um governo intolerante que precisam ser afastados. O homem caçado e o governo em questão fazem parte de um Estado militarmente forte e socialmente bem estruturado?

Não! A maior potência do mundo ocidental utiliza armas de última geração (cunhadas como “inteligentes”), para enfrentar um governo tribal com algum armamento e montado a cavalo!

Parece bem desproporcional o embate, é a indústria bélica mais poderosa, contando com aliados poderosos contra as rústicas armas de uma tribo com cavalaria!

Mas é a caça ao “terror” (é o caso de se perguntar quem é o mais terrorista entre tantos existentes em meio a Estados tão beligerantes).

O que está sendo silenciado? Bem, Putin, o ex-chefe da KGB, foi muito bem recebido em Washington, foi considerado o “homem do petróleo” e, é bom ressaltar, a Rússia é o segundo maior produtor do mundo do tal “sangue do capitalismo”. É só dar uma olhadinha no mapa e lá está, o Afeganistão tem petróleo e a região próxima também, e o vizinho produz ogivas nucleares. Isto ninguém noticia ou apresenta imagem ou analisa. Tudo fica ao redor da caçada ao inimigo do momento.

A mídia, em geral (e isto um dia deverá ser cobrado), aceitou uma censura ou, mais claramente, uma autocensura diante de “tão grave situação de guerra”. Fica a questão: por que se luta realmente nesta guerra? Por que o mundo ocidental com toda sua sofisticadíssima indústria bélica tanto se mobiliza? A questão do petróleo é uma boa resposta, por isso não importa se o bombardeio vai matar x milhões de pessoas ou não, aliás, essas pessoas são meros dados estatísticos perante o objetivo maior, garantir o petróleo ou, em outras palavras, caçar o terrorista.

Interessa notar, ainda, que em um dos bombardeios, a única emissora de televisão autorizada a funcionar teve seu prédio destruído pelas bombas “inteligentes”... Ah! Foi engano...?!! Parece que se esquecem de uma velha máxima, apresentada por um experiente jornalista: “quando ocorre a censura alguma coisa quer se esconder...”

Temos aí nosso paradoxo: no mundo da informação, a desinformação dá o tom e, para variar, o processo produtivo é a chave da resposta. O tempo mostrará.

Como dizia aquele velho filósofo alemão, “tudo o que é sólido se desmancha no ar”. O filósofo pragmático Peirce dizia que “a verdade é a finalidade da investigação”; portanto, é preciso investigar um pouco mais para se encontrar a resposta a esse paradoxo.

O triste é saber que muitos inocentes morrerão, mais uma vez, por conta do capital, ou melhor, do petróleo.

Não podemos silenciar ou aceitar os silêncios, pois aceitá-los é se postar contra o mais fundamental dever ético: defender a vida!

Agenda

I Encontro de Filosofia do CEFS

 Dia 15 de dezembro de 2001

 Local: Treinasse

Av. Conselheiro Nébias, 337, Santos/SP.

Entrada Franca

Informações: (13) 3252-3319

 15 horas

André Constantino Yazbek

Mestrando em Filosofia (PUC/SP).

Palestra: Maquiavel:

Natureza Humana degenerada X Construção de uma sociedade virtuosa

 

17 horas

Debate:

Uma reflexão histórico-filosófica diante da guerra do terror.

 José Sobreira Barros Júnior

Mestre em Filosofia-PUC/SP

Marcos Tarcísio Florindo

Mestre em História-Unesp/Franca

 

Janeiro: Tarde cinematográfica

Fevereiro: novos cursos, novas turmas.

 

Informe-se!

Tel. (13) 3252-3319

 

Expediente

Revista Paradigmas, uma publicação do CEFS – Centro de Estudos Filosóficos de Santos

O CEFS é uma entidade sem fins lucrativos, que tem como objetivo fundamental levar a Filosofia a toda a sociedade, sem qualquer discriminação, contribuindo, assim, com a formação da consciência crítica do cidadão e propiciando-lhe, por conseguinte, melhor reflexão e atuação diante da realidade de que faz parte.

Presidente

Luiz Meirelles

Vice-Presidente

Ronaldo Ronil da Silva Jr.

Conselho Editorial

Cristiane Guapo / José Sobreira Barros Jr/  Luiz Meirelles

Jornalista Responsável

Beth Capelache de Carvalho

Mtb.: 2.383.802

Os artigos assinados não refletem, necessariamente, a opinião do CEFS.

CEFS

Rua Brás Cubas, 03, sl.19 6º andar Centro

Cep 11013-161 Santos/SP

Telefone: (13) 3221-3518

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Impressão

CEGRAF Gráfica e Editora Ltda

Tel. 3234-5170 -  3234-5136

 Dicas

Internet:

http://www,mundofilosofos.cjb.net

site com informações claras e bem estruturadas sobre o pensamento dos filósofos em geral, inclusive vida e obra de Nietszche.

 

Filmes:

Átila – O huno. (Powers Boothe, Simmone Jade Mackinnon) – Filme sobre a vida do líder de um bando de guerreiros nômades, que sobrevivem graças à pilhagem e extorsão das nações vizinhas.

Leitura:

Totalidade e Infinito. Emmanuel Lévinas. Edições 70. A tese central desse livro – a ética como filosofia primeira – induz o autor à crítica frontal da categoria da totalidade, típica da filosofia ocidental no seu culto do Mesmo e do neutro, do absoluto e globalizador.

 

Home      Capa

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

O mistério do mal

Wellington Lima Amorim
Doutor em Ciências humanas - UFSC
Mateus Ramos Cardoso
Pós-Graduado em  Filosofia - Univ. Cândido Mendes- RJ


O Mal sempre nos causa medo e espanto e nos repele de nossa própria realidade, seja ela entendida como o mundo no qual nos encontramos ou mesmo a realidade pessoal. Mas e quando somos nós que o realizamos? Será que somos capazes de descrever o Mal explicitando-o com nossas próprias palavras ou ações? O que tem o Mal a ver com Deus? O que tem o Mal a ver conosco?

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Nicolai Hartmann. A metafísica do conhecimento

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia PUCSP

Bel. em Direito Unisantos

Lic em Filosofia Unisantos

Lic em Letras Unisantos

Nicolai Hartmann nasceu em Riga, na Letônia, em 1882, e morreu em Gottingen, na Alemanha, em 1950.

Seus estudos começaram em Marburgo, onde chegou ao doutoramento e a partir de 1922 foi contratado como docente da universidade de mesmo nome. Em 1925, deixou aquela universidade, sucedido por Heidegger, e foi lecionar em Colonia, onde ficou até 1931, quando se mudou para Berlim, também convidado a lecionar na universidade. Somente em 1945 retirou-se de Berlim para Gottingen, onde permaneceu até sua morte, em 1950.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Charles S. Peirce:
A lógica da investigação e sua semiótica

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia - PUCSP


Charles Sanders Peirce nasceu em Cambridge, no dia 10 de setembro de 1839 e faleceu em Milford, no dia 19 de abril de 1914. Filho de Benjamin Peirce, renomado matemático de Harvard, Peirce se dedicou inicialmente aos estudos da Química, tendo mesmo alcançado o doutoramento também em Harvard. Extremamente ligado às ciências, Peirce foi um dos primeiros pensadores a se preocupar com a linguagem científica. Não estudou apenas Filosofia, mas, também, química, física, astronomia, linguística filologia, história e psicologia.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XII - n. 39

ISSN 1980 - 4342

Julho/Agosto – 2012

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Expediente

Revista Paradigmas

Filosofia, Realidade & Arte

Ano XIII - n. 40

ISSN 1980 - 4342

Maio/Junho – 2013

Leia mais...