AddThis Social Bookmark Button

 Relação familiar: A primeira re-construção necessária para realização da Justiça

 

O homem está em constante relação com o outro, nessa convivência necessária, a primeira relação que se avizinha é a relação entre o homem e a mulher, isto é, a relação erótica, posto que essa é a relação originária que possibilita o surgimento do outro. Como toda e qualquer relação, esta também pode ser entre seres livres ou entre livres e dominados.

A ontologia da totalidade, desde os gregos, elimina a possibilidade de alteridade na relação sexual, privilegiando sempre a mesmidade, do que adveio a exclusão da mulher enquanto ser livre, e sua consideração apenas e tão somente como procriadora, isto é, objeto utilizado pelo homem para a perpetuação da espécie. Também na Modernidade a mulher cumpriu o mesmo papel de objeto sexual, servindo aos nobres no início e depois, aos burgueses. Ocupou sempre o papel de dominada, oprimida pelo homem, que lhe permitiu, num gesto que podemos dizer astuto, o domínio da criação do filho, o que, na verdade, serviu para a perpetuação do pensar totalitário e dominador, vez que o filho, crescendo dominado, num determinado momento passava a dominador, imitando, então, o comportamento do pai.

A contrário do que pensavam os gregos, Enrique Dussel entende que a visão tem pouca ligação com o eros, porquanto o tato, a ternura, a respiração, o calor etc., têm função muito mais importante e são os constituintes próprios da relação erótica, a qual supera a ótica e se define melhor por amar. Assim, entendemos que é necessário pensar o outro na relação sexual não como continuidade de si mesmo, mas como ser autônomo, como novidade que deve ser amada por bondade e não como possibilidade de eterno retorno ao mesmo, e jamais o filho poderá ser dito meu.

Essa relação deve, pois, ser pautada por um amor-de-justiça, em que o outro será sempre respeitado enquanto ser autônomo e livre, envolto em certo mistério incompreensível do seu ser, mesmo no ato sexual propriamente dito, em que o contato carnal é máximo, como que formando um só corpo, mas mantendo, todavia, cada um, sua autonomia.

Passados os momentos da helenicidade, em que o amor perfeito somente era possível entre os iguais e, portanto, entre os varões; e da modernidade, em que a mulher não conseguiu superar o pensamento machista suportado pela subjetividade cartesiana e hegeliana, verifica-se, ainda hoje, o domínio do homem sobre a mulher, agora expresso pela superioridade econômica, principalmente, como que impondo uma fealdade ao pobre e à sua dor e elegendo o rico como a beleza a ser imitada.

Na América Latina, originariamente, encontramos diversas sociedades onde a mulher ocupava papel fundamental na organização social, ao contrário do que ocorria na Europa. Diante da conquista européia, contudo, a cultura machista e dominadora se infundiu na nossa América, e a opressão da mulher vem-se firmando a cada dia, e constituindo a mulher latino-americana a periferia da periferia. Por isso irrompem os movimentos libertários, que buscam a autonomia devida da mulher. Importante ressaltar, entretanto, que os movimentos de libertação feminina não podem se fundar nos mesmos pilares totalitários vigentes na sociedade atual, sob pena de apenas se inverterem os pólos de dominação. É fundamental o surgimento de uma nova relação entre homem e mulher, em que se respeite, fundamentalmente, a alteridade, a autonomia e liberdade do outro.

Da relação erótica surge, em seguida, a relação pedagógica. É que da primeira surge um novo ser, que inserto na sociedade, deverá ser con-duzido para a abertura de suas possibilidades a se realizarem paulatinamente. Mas essa liberdade de possibilidades começa a encontrar obstáculos diante da criação dominadora a que é imposto pelos pais, a começar pelo dizer meu filho.

Cabe relevar, aqui, o entendimento de Enrique Dussel no sentido de que a criança vem ao mundo como uma tabula rasa, como defende, também, John Locke, e no processo de ensinamento, percorre todo o tempo de existência do homem na terra, não num processo de repetição ou recordação, como dissera Platão, mas de inovação, aprendizagem verdadeiramente dita, manifestando-se daí as possibilidades de se fazer ele mesmo e, portanto, outro.

Desde a Grécia Antiga até os dias atuais, os sistemas pedagógicos sempre buscaram a manutenção dos sistemas vigentes na sociedade e, mais propriamente, os sistemas dominadores. É o que se verifica ao analisarmos, por exemplo, o método maiêutico de Sócrates, em que o seu discípulo era sempre levado a concordar com o mestre, num processo em que o novo pensamento era sempre rejeitado em benefício do pensamento vigente. E, também, em Platão, segundo o qual o processo pedagógico consiste num recordar do mesmo, para que se manifeste atualmente. Na modernidade, a subjetividade admite a tabula rasa, mas se desvia para afirmar que o ensinamento constitui-se, por exemplo, no elucidar "le bon sauvage" de Rousseau e Montessori, ou no reencontro do mesmo na dialética hegeliana. Nesse processo, evidencia-se, mais uma vez, o sufocamento do ser, do outro, que acaba sendo instrumento do dominador privilegiado, e formado para servir-lhe tanto na produção como na consumação. É o esmagamento da autonomia, da liberdade e da alteridade do ser.

Defende, Enrique Dussel, que um processo pedagógico autêntico e livre deve partir de uma analética de libertação, conduzido por um mestre crítico que atue com o discípulo num serviço mútuo, movido por um amor pedagógico, em direção à liberdade e autonomia, formando um outro livre e capaz de escolher criticamente seus caminhos diante das possibilidades que se lhe apresentam no mundo.

"O autêntico mestre começa um novo processo, o caminho inverso da decadência ou da degradação inicia um caminho que destrói as ataduras da liberdade do outro e que em posição crítica o chama a recuperar a sua atitude pessoal." (Enrique Dussel,Para uma Ética da Libertação Latino-Americana, vol. I, pág.134)

 

 

  Luiz Meirelles, Bacharel em Direito

Licenciado em Letras e Filosofia (Unisantos)

Mestrando em Filosofia (PUC/SP)

Presidente do Centro de Estudos Filosóficos de Santos–CEFS

 

Home       capa

 

  • leiamais
AddThis Social Bookmark Button

Entrevista

José Sobreira de Barros Júnior

 

Colaboração: Luiz Meirelles

 

1.       Como você vê o papel da filosofia na sociedade do século XXI?

 A filosofia tem um papel essencial, principalmente quando os pensadores vão refletir sobre as relações do homem e a sociedade, como é possível o Eu individual quebrar e apresentar novos paradigmas, novas estruturas sociais, penso a filosofia tendo  um papel fundamental

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Canto para a minha morte

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

EDUCAÇÃO E EXISTENCIALISMO: um diálogo possível entre Freire e Sartre

 José Alan da Silva Pereira

Graduado em licenciatura plena em filosofia pela faculdade de filosofia, ciência e letras de Caruaru – FAFICA. Atualmente mestrando em filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco – UFPE. E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

1. Introdução

 

          No prefácio para o livro Pedagogia do Oprimido, o professor Ernani Maria Fiori traz um dos testemunhos mais contundentes e uma das frases mais elucidativas sobre a personalidade educadora de Paulo Freire: “Paulo Freire é um pensador comprometido com a vida: não pensa ideias, pensa a existência” (FREIRE, 2005, p. 7). Ao ler tal sentença, percebemos a partir de onde um diálogo pode ser estabelecido entre esses dois gigantes do pensamento contemporâneo, a saber: Freire e Sartre.       

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

A arte como fator de existência 

Uma análise da obra do artista plástico Neusso Ribeiro

Regina Drumond Moraes

Curso de Filosofia da UFES

Este artigo tem como objetivo explicar e analisar a obra do artista plástico autodidata Neusso Ribeiro.

Leia mais...
AddThis Social Bookmark Button

Teste seus conhecimentos

1. Segundo Plotino, podemos afirmar, quanto à alma:

a             Cada homem possui uma única alma, a qual é una e indivisível;

b             O homem possui duas almas, uma originada no Caos e outra no Cosmo;

c              O homem  possui duas almas, uma  causada  pelo   divino  outra  pelo   universo,     as    quais   se   unem definitivamente após a morte do  homem;

d             O homem possui duas almas, uma causada pelo divino  outra pelo universo, as quais se separam após a morte do homem.

Leia mais...