Revista Paradigmas. Edição 01

AddThis Social Bookmark Button

 Filosofia: Proposta e Resposta ao Jovem Contemporâneo

 

O filosofar é o Homem no exercício do pensar, levantando dúvidas, ofertando propostas e soluções. É uma via em busca do conhecimento verdadeiro e de respostas satisfatórias aos nossos mais profundos questionamentos; repleta de demolições e construções, acertos e enganos, admiração e descoberta. A própria reflexão filosófica nos convida e impulsiona a efetuar os resultados de nosso pensamento, portanto, vivemos numa sociedade e devemos fazer bom uso da nossa riqueza interior, dos instrumentos ao nosso alcance e dos nossos talentos, para reconstruí-la cotidianamente, cientes e sequiosos por uma maneira de ser e atuar na “pólis” cada vez mais preocupada com o outro, com o bem-comum e com as conseqüências da nossa maneira de agir e mesmo com o preço a pagar pelas nossas próprias omissões. Todo pensador cumpre uma função específica de discernimento, de desvelamento do espírito de sua época. Faz a história a partir das circunstâncias dadas pelo presente e herdadas do passado.

No tempo presente, tornou-se um fato cotidiamente passível de testemunho o lamento (desprezo até) das novas gerações em relação aos mais diversos aspectos das suas relações com o estudo, a comunidade escolar, a célula familiar, a educação em si, e outros tantos valores essenciais. Certamente, ecoa do coração destes jovens - por meio da crítica ferrenha e do desabafo repleto de dor - um grito desesperado que quer ser a manifestação de um alerta à sociedade, abrangendo desde a mais alta hierarquia até o professor no contato direto com o aluno, desde os pais até as pessoas de convívio cotidiano.

O jovem deseja com ardor novos rumos; ele tem sede de soluções - respostas confiáveis - às suas mais profundas, respeitáveis e autênticas necessidades. A juventude jamais deve implicar numa experiência de imobilidade, como um estado improdutivo de tibieza. Para este momento crucial das novas gerações, é precisa alertar para a necessidade de uma conduta especial expressa na própria vida, numa sequiosa busca de sentido, descoberta de valores essenciais do espírito e um olhar que perscrute com firmeza a realidade da sociedade: a conduta do Amor.

Possa a juventude contemporânea, sem medo de Conhecer e admirar-se com tal conhecimento, dizer em uníssono com Agostinho de Hipona: “o conhecimento é como um andaime que ajuda a construir o edifício do amor e da sabedoria, edifício que durará para sempre, inclusive quando o conhecimento for esquecido” (In: Epistolae 55, 21-39).

Prof. Ronaldo Ronil

Licenciado em Filosofia – Unisantos

Mestrando em Filosofia – USP/SP

 

 

 

  • leiamais

Leia também outros artigos

Espaço-Poesia 34
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

 Título: A casa do Poeta

 Algum lugar, presente lugar, lugar do paraíso

Leia mais...
Mitologia e Filosofia: um debate
AddThis Social Bookmark Button

Mitologia e Filosofia: um debate                  

Um dos fatos mais interessantes na história da humanidade como um todo é tentar explicar o início de tudo, os acontecimentos do cotidiano e as possibilidades de entender a vida pós-morte. Em todos os tempos sempre ocorreu aos homens perguntar-se sobre sua origem e a do próprio universo que os cerca.

Leia mais...
Sustentabilidade, sociedade e educação: como integrá-los
AddThis Social Bookmark Button

Sustentabilidade, sociedade e educação:

como integrá-los

Atualmente a educação tem por objetivo desenvolver na criança a capacidade resolver problemas, por meio da aplicação dos conteúdos aprendidos e esse processo é mediado pelo professor.  Alem de aprender conceitos, na escola a criança aprende a ser cidadã. Não podemos deixar de trabalhar a educação

Leia mais...
39. Espaço-Poesia
AddThis Social Bookmark Button

Espaço-Poesia

Metáfora

Uma lata existe para conter algo

Mas quando o poeta diz: "Lata"

Pode estar querendo dizer o incontível

Leia mais...
40. Charles S. Peirce: A lógica da investigação e sua semiótica
AddThis Social Bookmark Button

Charles S. Peirce:
A lógica da investigação e sua semiótica

Luiz Meirelles

Mestre em Filosofia - PUCSP


Charles Sanders Peirce nasceu em Cambridge, no dia 10 de setembro de 1839 e faleceu em Milford, no dia 19 de abril de 1914. Filho de Benjamin Peirce, renomado matemático de Harvard, Peirce se dedicou inicialmente aos estudos da Química, tendo mesmo alcançado o doutoramento também em Harvard. Extremamente ligado às ciências, Peirce foi um dos primeiros pensadores a se preocupar com a linguagem científica. Não estudou apenas Filosofia, mas, também, química, física, astronomia, linguística filologia, história e psicologia.

Leia mais...